A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
APG - 21 Ombro

Pré-visualização | Página 1 de 2

Ombro
1. Clavícula; 2. Escápula; 3. Úmero; 4. Processo coracoide da escápula; 5. Espinha e acrômio da escápula; 6. Tróclea na epífise distal do úmero: para articulação com a ulna no cotovelo; 7. Face articular acromial da clavícula: articula-se com a escápula no acrômio; 8. Face articular esternal da clavícula: articula-se com o manúbrio do esterno
ANATOMIA 
A escápula, clavícula e parte proximal do úmero são os ossos do ombro.
A clavícula é um osso em forma de S que liga o membro superior ao tronco. Ela encontra-se horizontalmente entre o esterno e o acrômio da escápula (omoplata). A sua posição torna a clavícula na principal conexão entre o esqueleto axial e a cintura escapular. Isto permite a clavícula transferir o peso do membro superior para o esqueleto axial.
A clavícula consiste de três porções: a diáfise, a extremidade esternal e a extermidade acromial. Na extremidade esternal, encontra-se a superfície articular (faceta) esternal, que se articula com o esterno e forma a articulação esternoclavicular. A extremidade acromial contém a superfície articular (faceta) acromial, que forma a articulação acromioclavicular em conjunto com o acrômio da escápula (omoplata). Quando vista de uma perspetiva superior, a clavícula é, geralmente, lisa e encontra-se profundamente à pele. Por outro lado, a superfície inferior da clavícula é rugosa devido às suas importantes proeminências ósseas. De uma vista lateral para medial, podemos encontrar as seguintes proeminências ósseas: linha trapezoide (fixação para o ligamento trapezoide), tubérculo conoide (fixação para o ligamento conoide), sulco subclávio (fixação para o músculo subclávio), e impressão para o ligamento costoclavicular (fixação para o ligamento que liga a clavícula à primeira costela).
O úmero é um osso longo que compõe a estrutura óssea do braço, enquanto a escápula é um osso plano da cintura escapular. O úmero e a escápula articulam-se para formar a articulação do ombro (glenoumeral), que é a articulação mais móvel do corpo. Ambos os ossos são mantidos em suas posições através de vários ligamentos e tendões musculares.
ARTICULAÇÃO 
SOI V| APG - 21 | Ana Beatriz Rodrigues
2
O ombro, ou articulação glenoumeral, é uma articulação sinovial esferóidea multiaxial que permite uma grande mobilidade do membro superior. Por causa da natureza rasa desta articulação esferóidea e de sua cápsula relativamente frouxa, a articulação do ombro é a articulação que mais comumente sofre deslocamento (luxação) no corpo humano. 
A articulação acromioclavicular é uma articulação sinovial plana que permite algum movimento de deslizamento quando o braço está elevado e a escápula sofre rotação. 
A articulação do ombro é reforçada pelos quatro músculos do manguito rotador, cujos tendões ajudam a estabilizar a articulação:
· Supraespinal
· Infraespinal
· Redondo menor
· Subescapular
As bolsas sinoviais ajudam a reduzir a fricção, separando os tendões dos músculos da cápsula fibrosa da articulação do ombro. Adicionalmente, embora a cavidade glenoidal da escápula seja rasa, uma borda de fibrocartilagem, denominada lábio glenoidal, delimita a margem periférica da cavidade (como um colar), aprofundando-a. Observe também que o tendão da cabeça longa do bíceps braquial passa profundamente à articulação do ombro para inserir-se no tubérculo supraglenoidal da escápula.
ARTICULAÇÃO ACROMIOCLAVICULAR (SINOVIAL PLANA)
	Ligamento sinovial
	Inserção
	Comentário
	Cápsula e disco articular
	Envolve a articulação
	Permite movimento de deslizamento enquanto o braço é
levantado e a escápula gira
	Acromioclavicular
	Acrômio e clavícula
	
	Coracoclavicular (ligamentos conoide e
trapezoide
	Clavícula ao processo coracoide
	Reforça a articulação
ARTICULAÇÃO DO OMBRO (SINOVIAL MULTIAXIAL ESFERÓIDEA)
	Ligamento sinovial
	Inserção
	Comentário
	Cápsula 
	Envolve a articulação 
	Permite flexão, extensão, abdução, adução, circundução;
articulação deslocada com maior frequência
	Coracoumeral
	Processo coracoide ao tubérculo maior do úmero
	
	Glenoumeral
	Tubérculo supraglenoidal ao tubérculo menor do úmero
	Composto dos espessamentos superior, médio e inferior
	Transverso do úmero
	Estende-se sobre os tubérculos maior e menor do
úmer
	Envolve o tendão da cabeça longa do bíceps braquial no sulco
intertubercular
	Lábio glenoidal
	Margem da cavidade glenoidal da escápula
	Ligamento fibrocartilagíneo que aprofunda a cavidade glenoidal
BOLSAS SINOVIAIS
	Bolsa sinovial
	Comentário
	Subacromial
	Entre o arco coracoacromial e o músculo supraespinal
	Subdeltóidea
	Entre o músculo deltoide e a cápsula
	Subtendínea do músculo subescapular
	Entre o tendão do subescapular e o colo da escápula
MÚSCULOS 
1. Deltoide; 2. Peitoral maior; 3. Serrátil anterior; 4. Subclávio; 5. Peitoral menor
Os músculos posteriores do ombro inserem-se na escápula e ajudam nos movimentos da escápula e da articulação do ombro. Esses músculos elevam amplamente a escápula, facilitam sua rotação ou a trazem de volta à sua posição inicial (membro superior aduzido contra o corpo).
Dentre esses músculos, quatro deles têm o único papel de estabilizar a rasa articulação esferóidea do ombro (rasa, a fim de prover uma extensa mobilidade); estes músculos formam o manguito rotador, e incluem:
· Supraespinal
· Infraespinal
· Redondo menor
· Subescapular: localiza-se na face anterior da escápula, na fossa subescapular
OBS.: O manguito rotador musculotendíneo fortalece a articulação do ombro em suas faces superior, posterior e anterior; por isso, cerca de 95% dos deslocamentos da articulação do ombro ocorrem em direção anteroinferior. Abdução repetitiva, extensão, rotação lateral (externa) e flexão do membro superior no ombro (o movimento utilizado ao lançar-se uma bola) impõem grande estresse aos elementos do manguito rotador, especialmente no tendão do músculo supraespinal que entra em atrito com o acrômio e com o ligamento coracoacromial. Esgarçamentos ou rupturas desse tendão constituem lesões atléticas relativamente comuns.
Os músculos anteriores do ombro inserem-se no cíngulo do membro superior (escápula e clavícula) ou no úmero, e auxiliam em movimentos do cíngulo do membro superior e do ombro. Esses músculos cobrem o ombro (músculo deltoide) ou surgem da parede torácica anterior ou lateral.
Os músculos anteriores e posteriores definem a região axilar, uma área em forma de pirâmide que contém importantes estruturas neurovasculares que passam através da região do ombro.
CÍNGULO DO MEMBRO SUPERIOR (OMBRO)
O corpo humano possui dois círgulos dos membros superiores que prendem os ossos dos membros superiores ao esqueleto axial. Cada um dos dois círgulos dos membros superiores consiste em uma clavícula e uma escápula. 
O cíngulo do membro superior é o ponto de inserção do membro superior à parede torácica. A única articulação direta ocorre entre a clavícula e o esterno, com a outra extremidade da clavícula articulando-se com a escápula, no acrômio.
A clavícula é o osso anterior e se articula com o manúbrio do esterno na articulação esternoclavicular. A escápula (osso posterior) se articula com a clavícula na articulação acromioclavicular e com o úmero na articulação do ombro. 
Os cíngulos dos membros superiores não se articulam com a coluna vertebral e são mantidos em posição e estabilizados por um grupo de grandes músculos que se estendem da coluna vertebral e das costelas à escápula.
CÍNGULO DO MEMBRO SUPERIOR | CLAVÍCULA 
Cada clavícula, delgada e com formato da letra S, repousa horizontalmente na região anterior do tórax, superiormente à primeira costela. A clavícula é subcutânea (debaixo da pele) e facilmente palpável ao longo de toda a sua extensão. 
A extremidade medial, chamada de extremidade esternal, é arredondada e se articula com o manúbrio do esterno para formar a articulação esternoclavicular. A larga e plana extremidade lateral, a extremidade acromial, se articula com o acrômio da escápula para formar a articulação acromioclavicular. 
O tubérculo conoide na face inferior da extremidade lateral do osso é

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.