A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
apg ossos fracos

Pré-visualização | Página 1 de 1

Maria Daniele – Turma XI 
 FAHESP - IESVAP 
 
 
 
OBJETIVO 1: Entender a estrutura do tecido ósseo; 
FUNÇÃO 
- Suporte e proteção 
◌Tecidos moles e órgãos vitais 
- Aloja e protege a medula óssea 
◌Formadora das células sanguíneas 
- Apoio ao músculo esquelético 
- Sistema de alavanca 
◌Maior força na contração muscular 
- Depósito de íons, Ca+ e fosfato 
- Absorção de toxinas e metais pesados 
◌A fim de minimizar os efeitos nos tecidos 
CONSTITUIÇÃO 
- Tecido conjuntivo especializado 
Osteócitos 
◌Localizam-se na cavidade interna da matriz óssea 
◌Possuem junções comunicantes 
◌Pequena atividade sintética 
◌Essenciais para manutenção da matriz óssea 
◌Após a morte são reabsorvidos pela mesma 
Osteoblastos 
◌Sintetizam moléculas orgânicas 
- Colágeno tipo I 
- Proteoglicanos e glicoproteínas 
◌Localizam-se na periferia 
◌Geram a osteonectina, facilita a deposição de Ca 
◌Geram a osteocalcina, estimula a atividade dos osteoblastos 
◌Responsáveis por concentrar fosfato de Ca na matriz 
(mineralização) 
 
 
 
 
 
 
 
Osteoclastos 
◌Móveis, gigantes, multinucleadas e ramificadas. 
◌Localizam-se nas áreas de reabsorção óssea 
◌Possuem citoplasma granuloso e possíveis vacúolos. 
◌Participam do processo de remodelação óssea. 
NUTRIÇÃO E REVESTIMENTO 
- Canalículos da matriz 
◌Trocas de moléculas e íons entre os capilares sanguíneos e 
os osteócitos. 
Periósteo 
◌Células osteoprogenitoras (se diferenciam em osteoblastos) 
◌Crescimento ósseo e reparação de fraturas. 
Endósteo 
◌Células osteogênicas achatadas 
◌Reveste a cavidade do osso esponjoso, canais de Hanvers e 
Volkmann, além do medular 
◌Nutrição do tecido ósseo 
 
 
 
 
Quando estão em intensa atividade são cuboides e 
apresentam citoplasma basófilo. 
Já em baixa atividade sintética ficam 
menos achatados e diminuem a basofilia 
plasmática 
APG “Ossos Fracos” 
 
Maria Daniele – Turma XI 
 FAHESP - IESVAP 
OBJETIVO 2: Conhecer a anatomia do quadril (ossos, 
articulação e músculos); 
O quadril é formado por dois ossos coxais (direita e 
esquerda), e pela fusão (aos 23 anos) de três principais 
ossos: ílio, ísquio e púbis, localizados nos acetábulos. 
ÍLIO 
→ maior entre todos, composto pela asa superior e corpo 
inferior 
→ margem superior é a crista ilíaca 
→ margem medial é a fossa ilíaca 
ÍSQUIO 
→ Composto pelo corpo superior e ramo inferior 
→ Ramo inferior se funde com o púbis 
→ Parte póstero-inferior do osso do quadril 
PÚBIS 
→ Parte Antero-inferior do osso do quadril 
→ Composto pelo ramo superior, inferior e um corpo entre 
eles 
 
Principais articulações e músculos 
 
 
Ligamentos da Pelve 
 
Principais diferenças entre a pelve masculina e a feminina 
 
 
 
 
 
 
Maria Daniele – Turma XI 
 FAHESP - IESVAP 
OBJETIVO 3: Compreender a formação embriológica do tecido 
ósseo; 
3ª semana de embriogênese através do mesoderma paraxial 
(fica dos dois lados da notocorda) na região dorsolateral da 
coluna. 
Esse mesoderma paraxial vai dar origem aos somitos através 
da segmentação em blocos desse mesoderma. E esses 
somitos vão dar origem ao derivado do que vai ser musculo 
esqueleto e também da pele. O chamado dermomiotomo 
(Pele e musculatura) e o esclerótomo (parte esquelética do 
indivíduo). 
Esclerótomo: Está na porção dos somitos ventromedial (parte 
mais interna do embrião) próximo do sistema nervoso central 
e da notocorda e vai dar origem as vertebras e costelas. 
Dermomiótomo: Está mais dorsolateral em relação ao 
esclerótomo e ele vai dar origem a parte muscular através do 
miotomo que origina os mioblastos. E o dermatómo origina os 
fibroblastos que vão compor o surgimento da pele. 
Observação: 
Sinalização para o desenvolvimento ósseo e cartilaginoso 
BMP5 e 7(sinalizam para estimular a diferenciação celular e 
aí sim o surgimento desses tecidos especializados), GDF5 e 
TGF-b (desenvolvimento dos ossos e do SNC). 
4ª semana temos o início do desenvolvimento ósseo 
- Cél. do esclerótomo formam o mesênquima (tec 
conjuntivo) que permite a formação de ossos. 
- Condensações de células mesenquimais: moldes ósseos 
(formas de os ossos serem formados): 
Ossificação intramembranosa: a cél do osso, osteoblastos vai 
se originar a partir do mesênquima. 
Ossificação endocondral.: Em que o osso inicialmente vai ser 
formado a partir da substituição de um arcabouço 
cartilaginoso e após a formação de uma estrutura óssea, 
essa estrutura óssea vai ser inundada, invadida por cél ósseas 
nesse caso os osteoblastos que vão dar origem aos 
osteócitos e dai vão perpetuar o crescimento e manutenção 
daquele osso. 
 
 
 
 
 
 
OBJETIVO 4: Entender quais fatores estão associados a perda 
da densidade óssea; 
Entre os fatores de risco estão tabagismo (1), baixa ingestão 
de cálcio (5), sedentarismo (4) e história familiar (2). 
Um estudo feito sobre as principais causas de diminuição da 
massa óssea em mulheres na pré-menopausa encaminhadas 
ao ambulatório de doenças ósteo-metabólicas de um Hospital 
Terciário de Curitiba mostrou que um dos fatores associados 
mais comumente encontrado foi o uso crônico de 
glicocorticóide associado a uma doença crônica de base. O 
hipogonadismo veio em segundo lugar demonstrando a 
importância dos hormônios sexuais na formação e 
manutenção do pico de massa óssea, evidenciando que não 
somente na menopausa ocorre perda óssea, mas em 
qualquer fase da vida onde o hipoestrogenismo ocorra por 
um período maior ou igual a 3 meses. 
OBJETIVO 5: Compreender fisiologicamente os hormônios 
envolvidos na regulação de cálcio no tecido ósseo. 
- Paratormônio (PTH) 
↑Calcemia 
◌Ação lenta 
◌Aumento de osteoclastos 
◌Reabsorção da matriz óssea 
◌Liberação de fosfato de Ca+ 
- Estrogênio 
Osteoporose 
◌Possui efeito estimulador para formação do tecido ósseo 
◌Influência sobre o aparecimento e desenvolvimento dos 
centros de ossificação 
◌Na menopausa sua concentração diminui 
 
Regulação Endócrina 
Quando a concentração plasmática de cálcio cai, a glândula 
paratireoide é estimulada a liberar paratormônio (PTH). Este 
aumenta a excreção urinária de fosfato e a reabsorção de 
cálcio. A elevação do PTH estimula os rins a secretar α 
hidroxilase que leva a ativação da vitamina D. Vit. D aumenta 
reabsorção intestinal e renal de cálcio. Além disso, o PTH 
também estimula os osteoclastos a realizarem a reabsorção 
óssea, aumentando cálcio livre. O cálcio livre atua como 
feedback em relação à liberação de PTH. A queda no cálcio 
leva ao aumento do PTH. Outro hormônio com atuação 
oposta ao PTH é a calcitonina que ‘e liberada em resposta à 
elevação da calcemia. O principal local de ação da calcitonina 
são os ossos onde tem efeito reversível.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.