Buscar

AS única Projeto Integrados de Competências em Eng da Produção I

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 7 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 7 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

PERGUNTA 1
1. Observe uma notícia do Jornal Estadão, publicada em 1968, sobre a taxa de produção de alimentos no Brasil:
Podemos dizer que, em 1968, o Brasil vivia um período de forte industrialização, alta demanda das cidades e baixa eficiência na produção agrícola.
No entanto, passados alguns anos, após investimentos em eficiência agrícola, já que o país tem essa produção como base de sua Economia, vamos analisar os dados fornecidos pelo IBGE sobre o ano de 2006 para a produção de um item essencial na mesa dos brasileiros: o arroz.
Vamos estudar os dados de levantamento sistemáticos da produção agrícola realizados pelo IBGE em 2006 (atualizados em 2018) e em 2019. Observe os dados nas Tabelas a seguir:
Se avaliarmos os dados relativos à produção de arroz, entre 2006 e 2019, um intervalo de 13 anos, sobre o desenvolvimento da produção de arroz,podemos dizer que:
	
	a.
	A produção diminuiu 90,60% e o rendimento médio subiu 59,89%;
	
	b.
	Há poucos dados para serem avaliados.
	
	c.
	A produção caiu 9,40% e o rendimento médio da produção subiu 59,89%;
	
	d.
	A produção se manteve praticamente estagnada e o rendimento médio subiu 40,11%;
	
	e.
	A produção aumentou 9,40% e o rendimento médio da produção subiu 40,11%.;
PERGUNTA 1
1. Segundo a Organização das Nações Unidas– ONU, existem cerca de 5,2 milhões de pessoas consideradas subnutridas no Brasil.
Embora, os setores de produção de alimento invistam na eficiência agrícola, sabe-se que os programas de distribuição da renda e consciência para a demanda alimentar não são suficientes para sanar esse problema grave.
Além disso, outro fator associado à subnutrição no mundo é o clima. Mudanças climáticas,como calor intenso ou chuvas intensas, podem afetardiretamente a produção e distribuição de alimentos (Fonte: https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2018/09/11/fome-cresce-no-mundo-e-no-brasil-afeta-5-da-populacao-segundo-relatorio-da-onu.htm).
Dessa maneira, vamos estudar um pluviômetro, um instrumento relativamente simples, auxiliar das atividades agrícolas e também urbanas no mundo todo.
Observe a imagem a seguir:
Esse instrumento é especialmente útil para aAgricultura. Os agricultores, sejam industriais ou familiares, podem medir os níveis de chuva da região de plantio, para prever as necessidades e planejar as estratégias da plantação, pois muitas chuvas ou tempos de sequidão podem não necessariamente significar a perda das safras.
O pluviômetro também é útil em relação às cidades. Com as medidas dos níveis de chuvas, podesertraçados planos de prevenção em relação às enchentes, às paisagens urbanas, aos reservatórios de água e ao saneamento básico da população.
O pluviômetro mede a quantidade de chuva (ou granizo ou neve) precipitada em um intervalo de tempo. A unidade de medida é omm. Para cadamm de chuva medido, tem-se o equivalente a 1L de água sobre 1m2 plano.
Podemos observar a quantidade de precipitação acumulada sobre o Brasil em 22 de julho de 2019.
Veja na imagem a seguir:
O pluviômetro é o instrumento responsável pela medição das quantidades de chuva em todas as regiões do Brasil, em lugares conhecidos como estações meteorológicas. Observe bem a região central do estado de Roraima, uma das poucas regiões em que houve chuva no dia 22 de julho.
Sobre a previsão de chuva,nesse dia, medida pelo pluviômetro, e a quantidade de litros em uma área de 1 hectare em Roraima, podemos dizer, respectivamente:
	
	a.
	A previsão de chuva está entre 15 e 20mm, com média em torno de 1150 mil litros em 1 hectare;
	
	b.
	A previsão de chuva está entre 40 e 50mm, com média em torno de 750 mil litros em 1 hectare.
	
	c.
	A previsão de chuva está entre 0,5 e 1mm, com média em torno de 75 litros em 1 hectare;
	
	d.
	A previsão de chuva está entre 5 e 10mm, com média em torno de 75 mil litros em 1 hectare;
	
	e.
	A previsão de chuva está entre 10 e 15mm, com média em torno de 450 mil litros em 1 hectare;
2,5 pontos   
Clique em Salvar e Enviar para salvar e enviar. Clique em Salvar todas as respostas para salvar todas as respostas.
PERGUNTA 1
1. Já ouviu falar em barragens de rejeitos de minério?
Nos últimos anos elas estiveram nas manchetes no Brasil, nos casos de Mariana e Brumadinho.
As barragens de rejeitos de minério contêmgrande quantidade de lama com rejeitos variáveis. As barreiras, que são colossos na Economia de exploração de minério no país, tornaram-selocais fatídicos de acidentes em potencial, que só ficariam em segurança se Leis rígidas para seu licenciamento, fiscalização e melhores Tecnologias fossem implementadas.
Segundo a antropóloga Andréa Zhouri: “No Brasil em geral, e em Minas, é o minério acima de tudo e de todos” (Fonte:https://www.nationalgeographicbrasil.com/meio-ambiente/2019/01/brumadinho-mariana-mg-minasgerais-barragens-minerio-ferro-vale-mineradora-rejeitos-brasil).
Vamos analisar os números envolvidos nesse processo. Para tanto, vamos ler um trecho de uma reportagem do Paracatu.net, um jornal on-line com notícias de Paracatu, em MG, cidade que abriga uma enorme Usina na qual se explora ouro e, em série, o arsênio.
Na mesma reportagem, encontramos detalhes mais severos sobre os rejeitos liberados no meio ambiente:
Caso queira ler a reportagem na íntegra, acesse: https://paracatu.net/view/8358-barragens-de-rejeitos-que-matam-em-silencio-paracatu-mg.
A mina de Paracatu começou a operar em 1987. Vamos considerar que ela explora 61 milhões de toneladas de minério todos os anos, e que sua vida útil, segundo a Empresa operadora, a Kinross, é de mais 14 anos (Fonte: http://www.kinross.com.br/documentos/#1562936246566-524fe889-091a).
Qual é a quantidade de ouro explorada desde o início da operação até o prazo de vida útil, considerando que o ano do relatório é 2019 e qual a quantidade de arsênio liberada no meio ambiente?
	
	a.
	1.150 toneladas de ouro e 22 milhões de toneladas de arsênio.
	
	b.
	2,5 toneladas de ouro e 67.000 toneladas de arsênio.
	
	c.
	2 toneladas de ouro e 5,4 toneladas de arsênio.
	
	d.
	1,12 mil toneladas de ouro e 3 milhões de toneladas de arsênio.
	
	e.
	3 mil toneladas de ouro e 3 milhões de toneladas de arsênio.
1. Observe no quadro a seguir a leitura do nível de água de uma das barragens de minério em Paracatu, MG:
As medidas são muito parecidas, com média de nível de água de 695,062m. O desvio padrão dessa medida e o erro relativo percentual são, respectivamente:
	
	a.
	0,200m com erro de 2%.
	
	b.
	0,213m com erro de 5%.
	
	c.
	0,217m com erro de 3%.
	
	d.
	0,300m com erro de 2%.
	
	e.
	0,250m com erro de 1%.

Outros materiais