A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Envelhecimento

Pré-visualização | Página 1 de 1

O envelhecimento (processo), a velhice (fase da vida) e o velho ou idoso (resultado final) 
constituem um conjunto cujos componentes estão intimamente relacionados. 
 
Envelhecimento 
Apesar de ser o envelhecimento um fenômeno comum a todos os seres vivos animais, 
surpreende o fato de que ainda hoje persistam tantos pontos obscuros quanto à dinâmica e à natureza 
desse processo. Não vamos entrar em detalhes sobre os fatores responsáveis por esse 
desconhecimento, entre os quais está a própria dificuldade de mensurar a idade biológica. Pode-se 
considerar o envelhecimento, como admite a maioria dos biogerontologistas, como a fase de todo um 
(continuum que é a vida, começando esta com a concepção e terminando com a morte. Ao longo desse 
(continuum é possível observar fases de desenvolvimento, puberdade e maturidade, entre as quais 
podem ser identificados marcadores biofisiológicos que representam limites de transição entre as 
mesmas. O exemplo é a menarca como marcador do início da puberdade na mulher. Ao contrário do 
que acontece com as outras fases, o envelhecimento não possui um marcador biofisiológico de seu 
início, pelos motivos já expostos. De qualquer forma, a demarcação entre maturidade e envelhecimento, 
a qual este período aparentemente segue, é arbitrariamente fixada, mais por fatores socioeconômicos 
e legais do que biológicos. 
A incapacidade de mensurar o fenômeno do envelhecimento, que está intimamente vinculada à 
dificuldade de definir a idade biológica, justifica a falta de segurança para adotar quaisquer das teorias 
existentes sobre o fenômeno. Os mesmos motivos justificam a inexistência de uma definição de 
envelhecimento que atenda aos múltiplos aspectos que o compõem. Respeitando-se as limitações 
assinaladas e dentro de uma visão prioritariamente biogerontológica, o envelhecimento é conceituado 
como um processo dinâmico e progressivo, no qual há modificações morfológicas, funcionais, 
bioquímicas e psicológicas, que determinam perda da capacidade de adaptação do indivíduo ao meio 
ambiente, ocasionando maior vulnerabilidade e maior incidência de processos patológicos que 
terminam por levá-lo à morte (Papaléo Netto, 1996). Essa definição pode ser complementada com um 
outro conceito, este predominantemente funcional, elaborado por Comfort, segundo o qual o 
envelhecimento se caracteriza por redução da capacidade de adaptação homeostática perante 
situações de sobrecarga funcional do organismo. 
 
Velho e velhice 
Às manifestações somáticas da velhice, que é a última fase do ciclo da vida, e que são 
caracterizadas pela redução da capacidade funcional, calvície, canície, redução da capacidade de 
trabalho e da resistência, entre outras, associam-se perdas dos papéis sociais, solidão, perdas 
psicológicas e motoras, e afetivas. Na maioria das pessoas, tais manifestações somáticas e 
psicossociais começam a se tornar mais evidentes a partir do fim da terceira década de vida ou pouco 
mais, ou seja, muito antes da idade cronológica que demarca socialmente o início da velhice. É preciso 
esclarecer que essas manifestações são facilmente observáveis quando o processo que as determina 
encontra-se em toda sua plenitude. Deve ser assinalado que não há uma consciência clara de que, por 
meio de características físicas, psicológicas, sociais e culturais e espirituais, possa ser anunciado o 
início da velhice. Segundo Baldessin (1996), alguns parecem velhos aos 45 anos de idade e outros 
jovens aos 70.