A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
35 pág.
Cálculo do Frete

Pré-visualização | Página 4 de 4

serão trocadas 
mais à frente, IPVA, seguro obrigatório e licenciamento; entre outros.
Portanto, antes de qualquer coisa, é necessário se organizar sem esquecer nenhuma 
despesa. Se o valor do frete está abaixo do valor do mercado, isso pode ter acontecido 
porque o profissional deixou de considerar todos os custos do transporte, assim 
resultando em prejuízo.
25
Por isso é importante se lembrar de:
• Anotar em uma caderneta os pagamentos, gastos com manutenção etc., que 
existirem durante o percurso.
• Guardar recibos e notas fiscais que for acumulando.
• Evitar gastos extras com multas: siga a legislação.
• Evitar transitar sem equipamentos obrigatórios ou documentação necessária.
 e
Os valores utilizados neste curso são apenas para exemplificar 
as situações de cálculo.
26
 a
1) Julgue verdadeiro ou falso. A manutenção preventiva é um 
custo variável que deve ser considerado pelo autônomo, que 
diminui a probabilidade de avarias no próprio veículo. 
 
Verdadeiro ( ) Falso ( ) 
 
2) Julgue verdadeiro ou falso. O último dos custos variáveis é 
o da lavagem do veículo, que apesar de ser menos importante 
que os demais gastos, também precisa ser considerado. 
 
Verdadeiro ( ) Falso ( )
Atividades
27
Referências
ASSOCIAÇÃO NACIONAL DO TRANSPORTE DE CARGAS E LOGÍSTICA. Portal oficial. 
2017. Disponível em: <http://www.portalntc.org.br/>. Acesso em: 10 nov. 2009.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOGÍSTICA. Portal oficial. 2017. Disponível em: <http://
www.abralog.org.br/website/home/>. Acesso em: 10 nov. 2009.
BIBLIOTECA SETORIAL DO TRANSPORTE DE CARGAS. Portal oficial. 2009. Disponível 
em: <http://www.bibliotecadotrc.com.br>. Acesso em: 10 nov. 2009.
CONSULTORES DA U.O. ORIENTAÇÃO EMPRESARIA DO SEBRAE-SP. Comece certo – 
Transporte rodoviário de cargas. 1ª. ed. São Paulo: SEBRAE-SP, 2005.
NETO, A. L. V. O barato sai caro. Portal da internet O Carreteiro, 2009. Disponível em: 
<www.revistaocarreteiro.com.br/pages.php?recid=27>. Acesso em: 24 nov. 2009.
_______. Os custos esquecidos. Portal da internet O Carreteiro, 2009. Disponível em: 
<www.revistaocarreteiro.com.br/pages.php?recid=30>. Acesso em: 24 nov. 2009.
_______. Por que calcular os custos do caminhão? Portal da internet O Carreteiro, 
2009. Disponível em: <www.revistaocarreteiro.com.br/pages. php?recid=22>. Acesso 
em: 24 nov. 2009.
VALENTE, A.; PASSAGLIA, E.; VIEIRA, H. Gerenciamento de Transporte e Frotas. 2ª. 
ed. São Paulo: CENGAGE, 2008.
28
UNIDADE 3 | OUTRAS 
DEFINIÇÕES
29
Unidade 3 | Outras Definições
1 Definição de Lucro
Um conceito que deve ficar muito claro é: o lucro não é o valor 
que você recebe, é o valor que sobra após o pagamento de todos 
os seus custos. É muito comum a pessoa considerar como lucro 
todo o dinheiro que ela recebe com sua atividade, e acabar 
enrolada com as dívidas depois. Isso não significa que, uma vez 
definido o preço que é bom para você, ele será bom para os seus 
clientes – muitos deles podem não aceitar.
Quem define a margem de lucro do negócio é o próprio autônomo. Tipicamente a 
média adotada para o cálculo do lucro varia entre 10 a 12% sobre o valor do custo do 
frete.
Então se utilizarmos o exemplo acima no qual o custo do frete foi de R$ 979,66 
e adicionarmos 12% de lucro, o valor do frete final ficaria em R$ 1.097,21, com o 
autônomo tendo um resultado de lucro no valor de R$ 117,55 neste frete/viagem.
Às vezes, em função da grande concorrência do mercado, o autônomo se vê obrigado 
a estabelecer uma margem de lucro menor do que a esperada. Entretanto, ele sempre 
terá a opção de fazer ou não o serviço ou de escolher o serviço que lhe trará maior 
resultado.
 e
Procure saber qual é o preço praticado pela sua concorrência, 
pelas pessoas que praticam um serviço parecido ou igual ao seu. 
Se o seu preço calculado for maior que o preço das pessoas que 
praticam a mesma atividade, então você saberá que é preciso 
encontrar novas maneiras de reduzir gastos. Por outro lado, se o 
preço for menos que dos seus concorrentes, você tem um poder 
de competição – o que é ótimo.
30
2 Pedágio
O pedágio é tipicamente um custo variável, 
pois é cobrado pelas concessionárias 
conforme o quilômetro rodado e, no caso de 
caminhões, a cobrança é feita ainda levando 
em consideração o número de eixos.
A tarifa básica cobrada varia de R$ 0,02 a R$ 
0,14 por quilômetro rodado.
Entretanto, o pedágio é um custo que ainda gera muitas dúvidas, especialmente com 
relação ao responsável pelo seu pagamento.
A legislação determina que o contratante do serviço (transportadora ou embarcador) 
deve fornecer, antes do início de cada viagem, o vale-pedágio ao autônomo e que isto 
não pode ser feito em dinheiro.
 h
Juridicamente, o pedágio não faz parte do frete e não deve 
entrar no custo do autônomo. Sendo assim o autônomo deve 
exigir seu vale-pedágio, pois essa é uma garantia legal!
31
3 Conclusão
Você acabou de ver como é importante 
para o caminhoneiro autônomo controlar 
os custos do seu trabalho e como isso 
pode significar a diferença entre lucrar 
ou ter prejuízo.
Procuramos reunir uma série de 
informações importantes sobre o dia a 
dia do transporte de cargas, por exemplo: 
quais são os custos fixos; quais são os 
custos variáveis; como calcular cada um deles e sua importância na formação do valor 
final do frete que você irá praticar.
Esperamos que, com essas informações, você consiga tocar o seu negócio com 
muito mais segurança e prosperar cada vez mais. O transporte de cargas eficiente é 
fundamental para o desenvolvimento econômico da nossa sociedade e nada mais justo 
do que você poder competir nesse mercado, cada vez mais preparado. Aproveite!
32
 a
1) Julgue verdadeiro ou falso. O lucro não é o valor que você 
recebe, é o valor que sobra após o pagamento de todos os 
seus custos. 
 
Verdadeiro ( ) Falso ( ) 
 
2) Julgue verdadeiro ou falso. O pedágio é tipicamente um 
custo fixo, pois é cobrado pelas concessionárias conforme o 
quilômetro rodado e, no caso de caminhões, a cobrança é 
feita ainda levando em consideração o número de eixos. 
 
Verdadeiro ( ) Falso ( )
Atividades
33
Referências
ASSOCIAÇÃO NACIONAL DO TRANSPORTE DE CARGAS E LOGÍSTICA. Portal oficial. 
2017. Disponível em: <http://www.portalntc.org.br/>. Acesso em: 10 nov. 2009.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOGÍSTICA. Portal oficial. 2017. Disponível em: <http://
www.abralog.org.br/website/home/>. Acesso em: 10 nov. 2009.
BIBLIOTECA SETORIAL DO TRANSPORTE DE CARGAS. Portal oficial. 2009. Disponível 
em: <http://www.bibliotecadotrc.com.br>. Acesso em: 10 nov. 2009.
CONSULTORES DA U.O. ORIENTAÇÃO EMPRESARIA DO SEBRAE-SP. Comece certo – 
Transporte rodoviário de cargas. 1ª. ed. São Paulo: SEBRAE-SP, 2005.
NETO, A. L. V. O barato sai caro. Portal da internet O Carreteiro, 2009. Disponível em: 
<www.revistaocarreteiro.com.br/pages.php?recid=27>. Acesso em: 24 nov. 2009.
_______. Os custos esquecidos. Portal da internet O Carreteiro, 2009. Disponível em: 
<www.revistaocarreteiro.com.br/pages.php?recid=30>. Acesso em: 24 nov. 2009.
_______. Por que calcular os custos do caminhão? Portal da internet O Carreteiro, 
2009. Disponível em: <www.revistaocarreteiro.com.br/pages. php?recid=22>. Acesso 
em: 24 nov. 2009.
VALENTE, A.; PASSAGLIA, E.; VIEIRA, H. Gerenciamento de Transporte e Frotas. 2ª. 
ed. São Paulo: CENGAGE, 2008.
34
Gabarito
Questão 1 Questão 2
Unidade 1 V F
Unidade 2 F V
Unidade 3 V F

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.