A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
APS - Anestesiologia

Pré-visualização | Página 1 de 2

APS: Anestesiologia
Análise crítica: 6 grupos de MPA, 5 fármacos de indução, 3 anestésicos inalatórios
Protocolo anestésico baseado na análise-> ANIMAL 4= Cachorro com cirrose , que recisa
de osteossíntese de radio e ulna (dor intensa-2hrs)
MPA (6)
Anticolinérgico
Desliga o sistema nervoso parassimpático e aumenta o simpático. Efeitos: taquicardia,
aumento do DC, broncodilatação, diminui secreções (aumenta a viscosidade), redução da
motilidade gastrointestinal, redução da secreção de glândulas salivares.
Exemplos: Atropina (metabolização hepática e excreção renal) e Escopolamina (
metabolização hepática e excreção renal, tóxico para gatos, utilizado em grandes animais
porém e escolha quando há quadros abdominais em cães)
Tranquilizantes
Tem como principais efeitos desejáveis, a tranquilização, antiemético e anti-histamínico. E
como efeitos indesejáveis, a hipotensão arterial, hipotermia, redução de hematócritos,
esplenomegalia e priapismo. Por esses motivos, é limitado na indicação de pacientes.
Contra-indicação: cardiopata grave, doente renal em fase final, neonatos, hipotireoideos,
idosos e hepatopatas.
Exemplos: Acepromazina (melhor tranquilizante), Clorpromazina (melhor antiemético) e
Levomepromazina (melhor anti-histaminico) - Apresentam o efeito TETO, não adianta
aumentar a dose, pois seu efeito não irá aumentar.
Benzodiazepínicos
Possui rápida absorção, alta biodisponibilidade por diversas vias de administração e
metabolização hepática. Tem como efeitos desejáveis: ansiolítico, miorrelaxante,
anticonvulsivante, antiemético e mínimas alterações hemodinâmicas, enquanto os efeitos
indesejáveis são: efeito paradoxal, depressão respiratória e alta potência em filhotes.
Exemplos: Diazepam (melhor anticonvulsivante, presença de metabólitos ativos),
Midazolam (mais potente, mais seguro, menos hepatotóxico- ausência de metabólitos ativos
e mais frequente surgir efeito paradoxal).
*Antagonista= Flumazenil (reversão imediata dos efeitos produzidos pelos BZD).
Alfa 2 agonistas
Possuem rápida absorção, metabolização hepática e excreção renal. Efeitos desejáveis:
sedação, relaxamento muscular e analgesia visceral discreta, enquanto os efeitos
indesejáveis são: diminuição de ADH, hiperglicemia, aumento e redução da motilidade
intestinal, ação simpatolítica, vasodilatação, hipotensão e taquipneia.
Recomendado em animais com problemas viscerais que não respondem bem aos opióides.
Dica: usar em dose baixa.
Exemplos: Xilazina (efeito sedativo mais prolongado, apresenta menos seletividade alfa ½ ),
Detomidina ( mais potente sedativo e analgésico, apresenta maior seletividade alfa1/2, se
liga mais no alfa2) e Dexmedetomidina (maior potencia, mais seguro e maior seletividade,
se liga em um subtipo es´pecífico);
Antagonistas: Ioimbina (melhor efeito sobre a xilazina, causa taquicardia, excitação e
mioclonia) e Atipamazole (menos efeitos colaterais e o efeito é imediato).
Opióides
São redutores da dor, muito bom analgésico, ótimo para ser associado, pois usamos menos
anestésicos, assim sendo mais segura a anestesia.
Efeitos desejáveis: analgesia, sedação e potencializa anestésicos.
Efeitos indesejáveis: Excitação, bradicardia, hipotensão, ofegante, náusea e êmese,
constipação intestinal e depressão respiratória (depende da dose, se é forte ou fraco e da
para compensar com oxigênio)
Exemplos: Butorfanol (deprime menos a respiração, seda bem, tem efeito teto, usado em
cirurgias que doem pouco e são rápidas, usado para eco em animais bravos), Petidina (
seda bem, produz metabólito neurotóxico- não deve ser reaplicado, libera muita histamina),
Tramadol (menos alergênico de todos, opióide fraco, usado para anestesia com dor
pequena porém com duração maior), Morfina (pró-emético, dura 4hrs, libera muita
histamina), Metadona ( bastante depressor respiratório, seda muito bem, pouco emético e a
metabolização é incerta) e Fentanil (usado na infusão contínua, trans-operatório do que
MPA, gera bradicardia e depressão respiratória).
*Antagonista= Naloxona (tto de overdose, ausência de efeitos deletérios e analgésicos,
usado APENAS se há risco de vida).
Miorrelazantes de ação central
Metabolização hepática, excreção renal, mais usado em equinos, quando for pó deve ser
diluído em glicose 5%.
Efeitos sistêmicos: relaxante muscular, analgesia discreta, sedação discreta e discreta
depressão respiratória.
Exemplo: Éter gliceril guaiacolo/Guaifenesina ( deve sempre ser feito em concentrações
baixas, pois podem causar flebite ou hemólise).
FÁRMACOS INDUÇÃO (5):
Tiopental:
Via de administração: IV (dor, flebite e necrose)
Velocidade de administração: mais veloz(maior concentração cerebral), mais lento (distribui
igualmente)
Apresenta alta lipossolubilidade(rápida absorção e recuperação), metabolização hepática e
excreção renal.
Efeitos sistêmicos: arritmias ventriculares, diminui debito cardíaco e retorno venoso, diminui
a taquipneia compensatória e neuroproteção.
Uso terapêutico: indução anestésica em animais saudáveis, anestesia de curta duração em
animais saudáveis, anticonvulsivante, eutanásia.
Propofol:
Via de administração: exclusivamente por via IV
Ligação proteica: 97-98%, ou seja poucas moléculas do fármaco ira se ligar
Apresenta indução e recuperação anestésica curta, não tem efeito cumulaivo,
metabolização hepática, renal, pulmonar, intestinal e proteínas plasmáticas. Excreção renal
( não é nefrotóxico)e pequena excreção biliar
Efeitos sistêmicos: hipotensão arterial, depressão miocárdica(cuidado com cardiopatas e
animais hemodinamicamente instáveis), depressão respiratória.
Uso terapêutico: indução anestésica, anestesia de curta duração, anestesia intravenosa
total(TIVA).
Etomidato:
Via de administração: exclusivamente IV
Ligação a proteína: 75%
Apresenta metabolização hepática e excreção renal (84%metabolizado e 3% inalterado –
seguro para pacientes renais).
Efeitos sistêmicos: é perfeito para o coração, causa taquipneia, diminui o volume corrente,
reduz o metabolismo em 50%, reduz a pressão intracraniana, reduz o fluxo cerebral, reduz
a cortisolemia por ate 6 hrs, reduz a síntese de cortisol, com uso prolongfado, nunca usar
em hipoadrenocorticismo, causa emese e mioclonia.
Uso terapêutico: indução anestésica de escolha em cardiopatas ou pacientes
hemodinamicamente comprometidos
Quetamina:
Via de administração: IV (30-90seg) ,IM (2-5min), SC, VO, Retal e Nasal.
Apresentam metabolização hepática (produz muitos metabólitos ativos, em gatos a
metabolização é pouco efetiva), excreção renal
Efeitos sistêmicos: taquicardia intensa, aumenta contratilidade cardíaca, PA e DC, analgesia
somática, hipertonicidade muscular, salivação, diminuição do limiar convulsivo, preserva os
reflexos protores e depressão respiratória é dose dependente
Uso terapêutico: contenção química de animais domésticos bravos, animais selvagens e
idução anestésica
*Associacoes : quetamina + bzd + alfa2 agonistas + opióide fraco (sempre associar os 4
juntos).
Tiletamina:
Vias de administração: IV (30-90seg), IM (5-12min), SC, VO, retal e nasal.
Apresentam metabolização hepática (produz metabólitos ativos) e a excreção é renal
*Diferenças da Cetamina= é mais potente, maior analgesia, nos cães há prolema com
retorno, ecessário o uso de outros sedativos.
ANESTÉSICOS INALATÓRIOS (3):
Solubilidade: Halotano é o mais solúvel, o mais lento, por tanto sendo mais fácil de
anestesiar.
Metabolização hepática: Halotano é o mais metabolizado ded 20-43%(produz ácido
trifluoacético), o Isofluorano 0,2% é metabolizado, já o sevofluorano não produz ácido,
produz fluoreos inorgânicos, que é menos tóxico
Efeitos Sistêmicos:
SNC: halotano aumenta a pressão intracraniana, em condições neurológicas não usar. O
mais estável é o Isofluorano.
CARDIOVASCULAR: Halotano é rum, diminui o DC e a PA, não usar em cardiopatas. O
isofluorano é mais vasodilatador, o sevofluorano é ideal para cardiopatia hipertrófica.
RESPIRATÓRIO: Halotano deprime bem, o odor do Isoflorano é irritante, da tosse, já o
sevofluorano o odor

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.