Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Reações transfusionais

Pré-visualização | Página 1 de 2

Isadora Albuquerque 
 
Reações transfusionais 
CONCEITO 
 
 Reações tradicionais são quaisquer sinais ou sintomas 
relacionados a transfusão sanguínea, que possam 
ocorrer durante ou após a mesma. 
 
 Pode ser: 
1. Imediata  até 24 após a transfusão; 
2. Tardia  após 24h da transfusão. 
 
 Sinais e sintomas suspeitos (nenhum deles é 
patognomônico da reação transfusional, mas são 
comuns): 
Febre/calafrios Taquicardia; 
Náuseas/ vômitos Taquipnéia/dispneia 
Dor torácica/abdominal; Rash/ edema cutâneo; 
Hipertensão/hipotensão; Discromia urinária. 
 
CLASSIFICAÇÃO: 
 Imunológicas: 
a. Imediatas: hemolítica aguda, reação febril, 
reação alérgica e trali; 
 
b. Tardias: hemolítica tardia, aloimunização, dech 
e púrpura pós transfusional. 
 
 Não imunológicas: 
a. Imediatas: contaminação bacteriana, 
sobrecarga volêmica, hemólise mecânica, 
hipotensão, embolia gasosa, hipotermia e 
distúrbio hidroeletrolítico. 
 
b. Tardias: transmissão de doenças infecciosas 
e sobrecarga de ferro. 
 
REAÇÃO TRANSFUSIONAL HEMOLÍTICA AGUDA 
(RTHA) 
 
 Anticorpo presente no receptor X antígeno 
eritrocitário do doador  ativação: complemento, 
cascata da coagulação, citocinas (IL-1, IL-6. IL-S, TNF) 
 
 Mecanismo:: IgM – sistema ABO: fixa complemento (C9) 
 hemólise intravascular, reação grave pela resposta 
neuroendócrina intensa. 
 
 Sintomas precoces (após 10 a 15 ml de sangue infundido): 
febre, tremores, náuseas, dor torácica, hipotensão, 
dispneia, lombalgia, oligúria, hemoglobinúria, CIVD, choque. 
 
 Prevenção: checagem pré transfusional (bolsa/ 
prontuário/ paciente) e testes pré transfusionais 
adequados. 
 
 Tratamento: interromper a transfusão, hidratação 
venosa vigorosa, diurético, dopamina (trata o choque 
poupando o rim, com ação vasoconstrictora), 
diagnosticar e tratar distúrbios da coagulação 
(transfusões); 
 
 Providências: enviar amostras para o banco de sangue 
(paciente/ bolsa); 
 Exames: repetir testes imunohematológicos 
(classificação ABO e Rh do paciente e da bolsa), 
hemocultura (para fazer diagnostico diferencial 
com contaminação bacteriana), hemograma 
(quanto baixou de hematócrito e hemoglobina em 
decorrência da hemólise), creatinina (esse 
paciente tende a fazer IRA), eletrólitos, TP e 
fibrinogênio. 
 
REAÇÃO FEBRIL NÃO HEMOLÍTICA 
 
 Nesse caso, o paciente só apresenta FEBRE que pode 
ser, algumas vezes, precedido por calafrios. 
 Elevação da temperatura em 1°c associada a 
transfusão, até 24 h da mesma 
 Ausência de outra causa provável (hemólise / 
contaminação bacteriana) 
 Mecanismo: interação anticorpos do plasma do receptor 
e anticorpos de linfócitos, granulócitos e plaquetas do 
doador, bem como a infusão de citocinas do sangue 
estocado 
 Pacientes susceptíveis: politransfundidos e multíparas 
Isadora Albuquerque 
 
 Prevenção: uso de produtos leucodepletados ou 
irradiados 
 Tratamento: antitérmicos / meperidina (calafrios) 
 
REAÇÃO ALÉRGICA 
 Anticorpos do receptor x substâncias solúveis do plasma 
do doador 
 Reflete a atividade de antcs da classe ige, 
especialmente em receptores deficientes de iga 
(podem formar anti iga) 
 Pode ser leve, moderada e grave 
 Reação leve – urticária (rash e prurido) 
 Reação moderada – com ou sem urticária 
 Tosse / broncoespasmo / náuseas / arritmia / 
hipotensão 
 Reação grave – anafilaxia 
 Progressão para choque, rebaixamento do nível de 
consciência e até morte 
 Prevenção: 
 Uso de CHL e anti-histamínico; 
 
 Tratamento: 
 Interromper a transfusão, manter acesso venoso 
com SFO 0,9%, anti-histamínico, corticoide e 
epinefrina. 
 
INJÚRIA PULMONAR AGUDA RELACIONADA A 
TRANSFUSÃO (TRALI) 
 É grave e potencialmente fatal 
 Insuficiência respiratória aguda + achados radiológicos 
de edema agudo de pulmão, cerca de 02 a 08 h após 
a transfusão, sem evidências de iCC 
 A insuficiência respiratória é desproporcional ao volume 
de sangue infundido 
 Pode haver: vômitos, febre, taquicardia, hipotensão 
 A mortalidade intrahospitalar é de 10% 
 Tende a ocorrer recuperação geralmente em 48 horas 
 
 Mecanismos desencadeantes: 
 Infusão de antcs contra o sistema HLA ou contra 
antígenos granulocitários específicos  anticorpos 
antileucocitários eventos 
que provocam o aumento da permeabilidade da 
microcirculação pulmonar (deposição de neutrófilos 
+ antcorpos)  ativação do complemento 
 
 Transferência passiva de mediadores 
biologicamente ativos (lipídeos e proteinas) do 
sangue estocado  ativação de leucócitos 
 
 Aumento da permeabilidade da microcirculação pulmonar 
 Principal hemocomponente envolvido: plasma 
 Tratamento: oxigenioterapia (VMI), suporte 
hemodinâmico, diuréticos e corticoide. 
 
REAÇÃO HEMOLÍTICA TARDIA 
 Ocorre quando a transfusão de ch induz uma resposta 
imunológica antieritrocitária, dias a semanas após a 
transfusão 
 Geralmente estão envolvidos antcorpos (igg) de outros 
sistemas de grupos sanguíneos que não o abo, como o 
rh e kell, normalmente não detectados no plasma do 
paciente (baixos níveis) habitualmente resultam de 
transfusões ou gestações prévias 
 Quadro clínico indolente: mal estar geral, astenia, palidez, 
icterícia 
 Hemólise extravascular – baixo rendimento 
transfusional 
 Laboratorial: diminuição de hemoglobina, aumento de 
bilirrubina indireta e Coombs direto positivo. 
 
DOENÇA DO ENXERTO VERSOS HOSPEDEIRO (DEVH) 
 É rara e muito grave, ocorrendo 10 a 12 dias após a 
transfusão 
 Fisiopatologia: linfócitos viáveis do doador sofrem 
expansão clonal e proliferam nos tecidos do receptor; 
 Lesões em: pele, TGI, fígado, medula óssea, tecidos 
linfoides 
 Ocorre pancitopenia associada a febre, eritrodermia, 
hepatite, enterocolite 
 Acomete principalmente os pacientes imunossuprimidos: 
pós TCTH, portadores de leucemia, aplasia medular e 
linfoma, recém nascidos, gestantes 
 Prevenção: irradiação do sangue (inativa os linfócitos t 
transfundidos) 
 Tratamento: imunossupressores 
 
PÚRPURA PÓS TRANSFUSIONAL 
 Ocorre 02 a 10 dias após a transfusão 
 Plaquetopenia severa + síndrome hemorrágica 
 Surgem auto anticorpos (contra HPA 1ª) 
 Mais frequentemente após cirurgia cardíaca 
 Elevada mortalidade 
 Tratamento: uso de gamaglobulina intravenosa + 
corticoide 
 Refratariedade a transfusão de plaquetas 
Isadora Albuquerque 
 
 O incremento pós transfusional de plaquetas é 
inferior ao esperado; 
 Ocorre em cerca de 20 a 70%dos pacientes 
politransfundidos com plaquetas. 
 
 Causas: 
1. IMUNES: – aloimunização hla (50% dos casos): 
relacionado ao número de leucócitos presentes na 
bolsa 
 
2. NÃO IMUNES: refratariedade tardia: sepse/CIVD, 
hiperesplenismo 
 
CONTAMINAÇÃO BACTERIANA (SEPSE PÓS 
TRANSFUSIONAL) 
 
 Reação potencialmente fatal 
 Febre (geralmente 02 h após a transfusão) / sinais de 
sepse, IRPA e até CIVD 
 A gravidade depende do tipo de bactéria, quantidade 
do inóculo e das condições imunológicas do receptor 
 Diagnóstico: hemocultura 
 Germes mais frequentemente 
envolvidos:staphylococcus, enterobacteria ceae, 
yersinea enterocolitica, serratia liquefaciens 
 O concentrado de plaquetas é o hemocomponente mais 
envolvido 
 A contaminação pode ocorrer: durante a coleta 
(punção), a partir de bacteremia do doador, 
contaminação da bolsa durante o processamento 
 Tratamento: UTI/antibioticoterapia de amplo espectro. 
 
SOBRECARGA VOLÊMICA 
 Tem correlaçao com o volume infundido; 
 Pode ocorrer: dispnéia, cianose, taquicardia, 
hipertensão/ edema pulmonar 
 Principalmente em idosos e cardiopatas 
 RX de tórax – congestão 
 Prevenção: parcelar a transfusão, infusão lenta, uso de 
diuréticos 
 Tratamento: diurético e oxigenioterapia. 
 
HEMÓLISE NÃO IMUNE 
 Oligossintomática 
 É tad negativa 
 Ocorre destruição física ou química da
Página12