A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Planejamento Familiar

Pré-visualização | Página 2 de 3

na vagina antes da 
penetração (com no máximo 1 hora de antecedência da 
ejaculação vaginal). 
Funciona como método de barreira químico à ascensão do 
espermatozoide para a cavidade uterina. 
Pouco utilizados de forma isolada. 
Esponjas: 
• Não estão disponíveis no mercado brasileiro. 
• São dispositivos colocados no fundo da vagina. 
• Funciona como uma barreira cervical. 
Capuz Cervical: 
É um dispositivo menor que o diafragma, que recobre e 
adere o colo uterino, impedindo à ascensão dos 
espermatozoides. 
Pode permanecer até 48 ou 72 horas. 
MÉTODOS CIRÚRGICOS 
Esterilização Cirúrgica: 
I – Homens e mulheres com capacidade civil plena e 
maiores de vinte e cinco anos de idade ou, pelo menos, 
com dois filhos vivos, desde que observado o prazo 
mínimo de sessenta dias entre a manifestação da vontade 
e o ato cirúrgico. 
II – Risco à vida ou à saúde da mulher ou do futuro 
concepto, testemunhado em relatório escrito e assinado 
por dois médicos. 
III – É proibida durante os períodos de parto ou aborto, 
exceto nos casos de comprovada necessidade, por 
cesarianas sucessivas anteriores, e que ela não deve ser 
feita por meio de histerectomia e ooforectomia. 
Lei n0 9263, artigo 226 Constituição Federal (Brasil, 1996). 
Laqueadura tubária: 
Laparotômica: incisão transversal suprapúbica de 3 cm. 
Técnicas: Pomeroy, Parkland, Madllener, Uchida, Irving. 
Laparoscópica. 
Salpingectomia laparoscópica. 
Via vaginal. 
Via histeroscópica: Essure (não liberado pela Anvisa), 
dispositivo inserido nas tubas bilateralmente. 
Vasectomia: 
Consiste na secção e ligadura ou oclusão dos ductos 
deferentes. 
Pode ser realizada em ambiente ambulatorial com 
anestesia local. 
Não causa diminuição da libido, não interfere na atividade 
sexual ou ereção. 
Espermograma de controle 8 a 12 semanas pós-
procedimento. 
MÉTODOS HORMONAIS DE CONTRACEPÇÃO 
(ASSOCIAÇÃO DE ESTROGÊNIO E PROGESTAGÊNIO) 
• Injetável. 
• Vaginal. 
• Transdérmico. 
• Oral. 
Injetável: 
Composição: 
I – 5mg de valerato de estradiol e 50 mg de enantato de 
noretisterona. 
II – 5mg de cipionato de estradiol e 25mg de acetato de 
medroxiprogesterona. 
Administração realizada a cada 30 dias. 
 
Anel Vaginal: 
Tamanho 54 a 58mm de diâmetro 
Formulação: etonogestrel 120 mcg e etinilestradiol 15 mcg 
por dia. 
Mantido por 3 semanas e após removido por 1 semana. 
Via trandérmica: 
Formulação: norelgestromina 150 mcg e etinilestradiol 20 
mcg por dia. 
Aplicado uma vez por semana, seguido de uma semana 
livre de hormônios (em pele sadia, seca, sem pelos e 
limpa). 
Via oral (COCs): 
Regime: com pausa, de uso contínuo ou estendido 
Doses: Etinilestradiol 35, 30, 20 e 15 mcg ou estrógeno 
natural + 1 progestagênio: 
1. Progestagênios de primeira geração: 
noretindrona, noretisterona. 
2. Progestagênios de segunda geração: 
levonorgestrel. 
3. Progestagênios de terceira geração: gestodeno, 
desogestrel, norgestimato. 
4. Progestagênios sem classificação: drospirenona*, 
clomardinona* e ciproterona. Os COCs com 
estrogênio natural entram no grupo sem 
classificação. 
*Há autores que classificam os COCs contendo esses 
progestagênios, em quarta geração. 
Anticoncepcional hormonal combinado (COCs): 
 
Classificação dos progestagênios. 
Classificação pela dose de estrogênio: 
• Alta dose > 35 microgramas de etinilestradiol. 
• Baixa dose 35 <= 20 microgramas de 
etinilestradiol. 
• Ultra baixa dose 15 microgramas de 
etinilestradiol. 
ANTICONCEPCIONAL HORMONAL COMBINADO 
Classificação pela dose diária de hormônios: 
Monofásico: mesma dose diária de hormônios 
Bifásico: uma formulação no mercado à base de 
etinilestradiol e desogestrel com duas doses diferentes 
dos hormônios. 
Trifásico: três doses diferentes de hormônios ao longo de 
21 dias. 
Multifásico: variação das doses hormonais ao longo de 26 
dias em pílula com valerato de estradiol. 
Mecanismo de ação: 
Componente progestagênio: 
• Inibição do pico pré-ovulatório do hormônio 
luteinizante (LH). 
• Espessamento do muco cervical. 
• Efeito anti-proliferativo no endométrio. 
• Alteração da secreção e peristalse das trompas de 
Falópio. 
Componente estrogênico: 
• Inibição do pico do hormônio folículoestimulante 
(FSH). 
• Potencializa a ação do componente 
progestagênio. 
Efeitos adversos: 
Gerais: 
Efeitos estrogênicos: náuseas, vômitos, mastalgia, 
cefaleia, irritabilidade, edema, alteração da resposta 
sexual. 
Efeitos progestagênios: tontura, fadiga, aumento de 
apetite, acne e oleosidade da pele, alteração do padrão de 
sangramento, aumento de peso. 
Metabólicos: efeito pró-coagulante, redução da 
sensibilidade à insulina. O etinilestradiol aumenta a 
síntese hepática de angiotensinogênio com elevação da 
pressão arterial e aumento da síntese hepática de 
triglicérides. 
Benefícios não contraceptivo: 
• Regulação dos ciclos menstruais. 
• Melhora da dismenorreia. 
• Melhora da tensão pré-menstrual. 
• Melhora do volume da perda sanguínea. 
• Ajuda na redução dos cistos ovarianos. 
• Melhora da acne e oleosidade da pele. 
• Melhora da lubrificação vaginal. 
• Melhora da sexualidade (compostos com estradiol 
natural interferem menos no SHBG). 
• Menor risco de câncer de ovário e endométrio. 
Interação medicamentosa: 
Critérios de elegibilidade 3: 
Anticonvulsionantes (carbamazepina, fenitoína, 
barbitúricos, topiramato, lamotrigina, primidona, 
oxcarbazepina, rifampicina). 
Antibióticos, antifúngicos e antiparasitários não tem 
interação medicamentosa com os contraceptivos 
combinados hormonais. 
ANTICONCEPCIONAL HORMONAL SÓ DE 
PROGESTAGÊNIO 
Mecanismo de ação: 
• Inibição do pico préovulatório de LH. 
• Espessamento do muco cervical. 
• Diminuição da motilidade tubária. 
Regime: 
Oral: 
Pode ser usado em qualquer faixa etária 
No pós-parto em mulheres que não estejam 
amamentando e após 6 semanas para as que amamentam 
Em pacientes com contraindicações para uso de 
estrógeno: HAS, diabetes, doenças vasculares, lúpus 
eritematoso, cardiopatia, enxaqueca. 
Implante (68 mg de etonogestrel): 
Alta eficácia (taxas de falha 0,05%). 
Duração 3 anos. 
Inibição da ovulação e alteração no muco cervical. 
Inserido em membro superior não dominante. 
Pode ser usado no pós-parto, abortamento ou 
amamentação. 
Eventos adversos: alteração no padrão de sangramento 
(principal), cefaleia, ganho de peso, mastalgia, acne, 
mudança de humor. 
Sistema intrauterino com levonorgestrel: 
Pequeno dispositivo em forma de T que é inserido dentro 
do útero, contendo um reservatório de 52mg de 
levonorgestrel (DIU Mirena) ou um reservatório de 
19,5mg (DIU Kyleena). 
Mecanismo de ação: atrofia endometrial, ação no muco 
cervical. 
Duração: 5 anos 
Indicações: da menarca à menopausa 
Contraindicações: câncer do colo uterino, endometrial e 
mama, mioma submucoso ou alguma malformação 
uterina, estenose cervical, doença inflamatória pélvica e 
infecção puerperal. 
Inserção: no período de sangramento 
Benefícios: redução do sangramento uterino, melhora da 
dismenorreia, redução da dor em mulheres com 
endometriose e adenomiose. 
Eventos adversos: alteração no padrão de sangramento, 
acne, mastalgia, cefaleia e alteração de humor. 
Injetável trimestral (acetato de medroxiprogesterona): 
Efeitos adversos: alterações no padrão de sangramento, 
ganho de peso, alteração de humor. 
Na adolescência não deve ser a primeira escolha. 
Está associado a pequena perda de massa óssea, 
principalmente quando usado por tempo prolongado 
(mais de 2 anos). 
Via intramuscular/subcutânea. 
Inibição da ovulação e efeito no muco cervical. 
Contraindicações: gravidez e câncer de mama. 
 
 
Situações especiais: 
• Pós gastroplastia. 
• Histórico prévio de trombose. 
• HAS. 
• Lupus. 
• Tabagismo. 
• Obesidade (risco de tromboembolismo de 2 a 4 
vezes maior). 
CONTRACEPÇÃO DE EMERGÊNCIA 
É definida como um método que oferece às mulheres uma