A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Gasometria

Pré-visualização | Página 5 de 5

reduzido para aqueles alvéolos apesar de PO2 normal 
(apesar de menos do que deveria), uma vez que 
existem alvéolos que não estão obstruídos. 
É preciso que o paciente esteja a nível do mar: 
760 mmHg ou 1atm. Além disso, é preciso que a FiO2 
esteja em ar ambiente, ou seja, 21%. 
Esse cálculo não é cobrado na prova e, na 
prática, esse calculo é geralmente realizado em uma 
calculadora específica. 
RELAÇÃO PO2 / FiO2 
Já esse cálculo é muito mais utilizado na prática, 
especialmente nos casos de Covid-19 para avaliar se o 
paciente estava melhorando as trocas gasosas. 
É uma relação bastante utilizada, também, nos 
critérios de SOFA (primeiro critério do sistema 
respiratório) para PO2/FiO2: 
 Score 0: ≥ 400 
 Score 1: < 400 
 Score 2: < 300 
 Score 3: < 200 com suporte respiratório 
 Score 4: < 100 com suporte respiratório 
A relação PO2/FiO2 também classifica a SARA 
(sindrome da angústia respiratória aguda) em três 
níveis: leve, moderada e grave. São os critérios de 
Berlim. 
Por exemplo, uma relação PO2/FiO2 entre 200 e 
300 é SARA leve; entre 100 e 200 é SARA moderada; 
inferior a 100 é SARA grave. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Gradiente A-a = PAO2 – PaO2, onde PAO2 = PiO2 – 
(PaCO2/R), tal que PiO2 = FiO2 x (Pbar – PH2O) 
→ PiO2: pressão parcial inspirada de O2 
→ R: quociente respiratório = produção de CO2 / 
consumo de O2 = 0,8 
→ Pbar: 760mmHg ao nível do mar 
→ Ph2o: 47 mmHg