A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
histologia - TECIDO CARITLAGINOSO

Pré-visualização | Página 1 de 1

TECIDO CARITLAGINOSO
	Faz parte do tecido conjuntivo de suporte.
	Cartilagem: matriz semi-rígida, firme, flexível que resista a tensões mecânicas; predominância de substância fundamental na matriz extracelular; proporções variáveis de fibras colágenas e elásticas. Oxigenação dos condrócitos deficiente; obtêm energia da glicose principalmente por anaerobiose; funcionamento dos condrócitos depende de um balanço hormonal adequado.
	Consistência rígida; suporte de tecidos moles; reveste superfícies articulares; absorve choques; facilita deslizamento dos ossos nas articulações.
	Possui células chamadas condrócitos, e abundante material extracelular, que constitui a matriz. As cavidades da matriz, ocupadas pelos condrócitos, são chamadas lacunas.
	Estrutura da matriz: constituída por colágeno ou colágeno mais elastina.
	A consistência firme das cartilagens se deve, às ligações eletrostáticas entre os glicosaminoglicanos sulfatados e o colágeno.
	O tecido cartilaginoso não possui vasos sanguíneos, sendo nutrido pelos capilares do conjuntivo envolvente (pericôndrio). Também é desprovido de vasos linfáticos e de nervos.
	Três tipos: cartilagem hialina, cartilagem elástica, cartilagem fibrosa. 
	As cartilagens são envolvidas por uma bainha conjuntiva que recebe o nome de pericôndrio (este contém vasos sanguíneos e linfáticos, e nervos).
CARTILAGEM HIALINA
- Mais comum e cuja matriz possui delicadas fibrilas constituídas principalmente de colágeno tipo II;
- Mais freqüentemente encontrado;
- A fresco, a cartilagem hialina é branco-azulada e translúcida;
- Forma o primeiro esqueleto do embrião;
- Entre a diáfise e a epífise dos ossos longos em crescimento observa-se o disco epifisário, que é responsável pelo crescimento do osso em extensão;
- No adulto, é encontrada principalmente na parede das fossas nasais, traquéia e brônquios;
- fica azul pois prefere hematoxilina;
- recobre as superfícies articulares dos ossos longos.
MATRIZ
	Várias moléculas de proteoglicanas ligam-se a uma molécula de ácido hialurônico e também às fibrilas colágenas, criando na matriz uma rede 3D.
	Formada por fibrilas de colágeno tipo II associadas ao ácido hialurônico, proteoglicanos muito hidratados e glicoproteínas; além do colágeno, a matriz contém glicosaminoglicanos combinados por covalência com proteínas, formando proteoglicanos; o alto conteúdo de água de solvatação das moléculas de glicosaminoglicanos atua como um sistema de absorção de choques mecânicos; outro componente importante da matriz da cartilagem hialina é a glicoproteína estrutural condronectina, uma macromolécula com sítios de ligação para condrócitos, fibrilas colágenas tipo II e glicosaminoglicanos; em torno dos condrócitos existem zonas estreitas, ricas em proteoglicanos e pobres em colágeno; a basofilia da matriz da cartilagem se deve à presença dos glicosaminoglicanos contendo radicais sulfato.
PERICÔNDRIO
	Fonte de novos condrócitos; nutrição da cartilagem; oxigenação.
	Todas as cartilagens hialinas, exceto as cartilagens articulares, são envolvidas por uma camada de tecido conjuntivo denso na sua maior parte, denominado pericôndrio; o pericôndrio é responsável pela nutrição, oxigenação e eliminação dos refugos metabólicos da cartilagem, porque nele estão localizados vasos sanguíneos linfáticos, inexistentes no tecido cartilaginoso; é formado por tecido conjuntivo muito rico em fibras de colágeno tipo I; situadas próximo à cartilagem, podem facilmente multiplicar-se por mitoses e originar condrócitos, caracterizando-se assim, funcionalmente, como condroblastos.
CONDRÓCITOS
	Na periferia da cartilagem hialina, os condrócitos apresentam forma alongada; mais profundamente, são arredondados e aparecem em grupos de até oito células; grupos isógenos: suas células são originadas de um único condroblasto (crescimento aposicional, pois está perto da fonte nutritiva); as células e a matriz cartilaginosa sofrem retração durante o processo histológico, o que explica a forma estrelada dos condrócitos e seu afastamento da cápsula; a superfície dos condrócitos parece regular ao microscópio óptico, porém o eletrônico mostra reentrâncias e saliências maiores e mais freqüentes nos condrócitos jovens; são células secretoras de colágeno, principalmente do tipo II, proteoglicanos e glicoproteínas, como a condronectina; a oxigenação dos condrócitos é deficiente, vivendo essas células sob baixas tensões de oxigênio; a cartilagem hialina degrada a glicose principalmente por mecanismo anaeróbio, com formação de ácido láctico como produto final; o funcionamento dos condrócitos depende de um balanço hormonal adequado.
 condrócitos
HISTOGÊNESE
	Arredondamento das células mesenquimatosas, que retraem seus prolongamentos e, multiplicando-se rapidamente, formam aglomerados. As células assim formadas têm citoplasma muito basófilo e recebem o nome de condroblastos. Depois, começa a síntese da matriz, que afasta os condroblastos uns dos outros. A diferenciação das cartilagens dá-se do centro para a periferia. O mesênquima superficial vai formar o pericôndrio.
CRESCIMENTO
	O crescimento da cartilagem deve-se a dois processos: o crescimento intersticial, por divisão mitótica dos condrócitos preexistentes; e o crescimento aposicional, que se faz a partir das células do pericôndrio. Nos dois casos os novos condrócitos formados logo produzem fibrilas colágenas, proteoglicanos e glicoproteínas. O crescimento intersticial é menos importante e só ocorre nas primeiras fases da vida da cartilagem.
CARTILAGEM ELÁSTICA
- Possui poucas fibrilas de colágeno tipo II e abundantes fibras elásticas;
- Encontrada no pavilhão auditivo, conduto auditivo externo, tuba auditiva, epiglote, laringe;
- Além das fibrilas de colágeno, inclui uma abundante rede de fibras elásticas (volta pro lugar);
- A presença de elastina confere a esse tipo de cartilagem uma cor amarelada, quando a fresco; podem se corar com orceína;
- Possui pericôndrio e cresce principalmente por aposição;
- Menos sujeita a processos degenerativos do que a hialina;
- Pode estar isolada ou se associar à cartilagem hialina.
 
CARTILAGEM FIBROSA
- Apresenta matriz constituída preponderantemente por fibras de colágeno tipo I, que formam fileiras alongadas e constituem feixes cuja orientação depende das forças que atuam sobre a fibrocartilagem;
- Também chamada de fibrocartilagem;
- Encontrada nos discos intervertebrais, nos pontos em que alguns tendões e ligamentos se inserem nos ossos, e na sínfise pubiana;
- Sempre associada a conjuntivo denso;
- A matriz da fibrocartilagem é acidófila, por conter grande quantidade de fibras colágenas;
- A substância fundamental é escassa;
- Na fibrocartilagem não existe pericôndrio.
Cartilagem Fibrosa, matriz rica em colágeno tipo I (2), semelhante ao tendão. (1) condrócitos (dentro de lacunas). Sem pericôndrio.
 fibrocartilagem
NUTRIÇÃO
	Por difusão; pericôndrio é vascularizado, e seus vasos fornecem nutrientes às células da cartilagem.
PROCESSOS DEGENERATIVOS (fisiológicos/patológicos)
	Calcificação da matriz, que consiste na deposição de fosfato de cálcio sob a forma de cristais de hidroxiapatita, precedida por aumento de volume;
	No adulto, a regeneração da cartilagem se dá pela substituição de tecido conjuntivo denso; a regeneração é dada pela atividade do pericôndrio.