Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Trabalho de Argumentação (Silogismo)

Pré-visualização | Página 1 de 1

SILOGISMO
Teoria da Argumentação
Jurídica
O que se deve entender por lógica jurídica?
Nos tempos atuais, o julgador encontra-se ocupado com a não fácil
tarefa de interpretar textos jurídicos e de exercer a sua adaptação
continuamente diante das recentes e diversas necessidades sociais,
sempre buscando o que for mais correto ao caso concreto. O
Silogismo, neste contexto, é o raciocínio dedutivo estruturado
formalmente a partir de duas proposições (premissas), das quais se
obtém por inferência uma terceira (conclusão) [p.ex.: "todos os homens
são mortais; os gregos são homens; logo, os gregos são mortais"].
Regras para a construção do Silogismo
Devemos ter em conta que existem algumas regras para a construção
do silogismo categórico, ou seja, para que eles sejam válidos e não
caiam no problema da falácia. Em relação aos termos do silogismo
temos:Um silogismo possui três termos (maior, menor e médio) e
devem ter o mesmo sentido em todo o raciocínio: Todo leão é um
mamífero. Algumas pessoas são de leão. Logo, algumas pessoas são
mamíferos. Nesse caso, o termo “leão” foi utilizado em dois sentidos: o
animal e o signo. Não é válido esse silogismo pois contém quatro
termos: leão (animal); leão (signo); mamíferos e pessoas. O termo
médio não deve jamais aparecer na conclusão do silogismo. A função
do termo médio é ligar as duas premissas. Nenhum canídeo é
felino.Todo canídeo é carnívoro. Logo,
este canídeo não é carnívoro felino. Assim, o exemplo acima
não é um silogismo e sim uma falácia formal.
Qual a importância do silogismo
O processo moderno é um instrumento para a realização do Direito
material, sendo um processo de resultados. A tutela jurisdicional
reclamada pelas partes busca alcançar novos Direitos envolvidos em
conflito, regidos por normas abertas que para seu reconhecimento e
concretização exigem do julgador uma interpretação criativa.Nos
tempos atuais, o julgador encontra-se ocupado com a não fácil tarefa
de interpretar textos jurídicos e de exercer a sua adaptação
continuamente diante das recentes e diversas necessidades sociais,
sempre buscando o que for mais correto ao caso concreto.
Falso Silogismo
A falácia é considerada um “falso silogismo” uma vez que ela é inválida
na construção de silogismo categóricos. Sendo assim, a falácia
trata-se de um argumento enganoso, uma ideia equivocada ou uma
crença falsa. Na conclusão do silogismo, os termos maior e menor não
podem surgir com uma extensão maior que nas premissas: Todo ato
violento é condenável. Muitos seres humanos cometem atos violentos.
Logo, todos os seres humanos são condenáveis. Nesse caso, a
conclusão do silogismo deveria ser: Muitos seres humanos são
condenáveis.
Método Dedutivo e Indutivo
Método dedutivo: esse argumento é feito do maior para o menor, ou
seja, de uma premissa geral em direção a outra, particular ou singular.
As conclusões encontradas nesse método já estavam nas premissas
analisadas anteriormente e, portanto, ele não produz conhecimentos
novos.
Método indutivo: esse raciocínio vai do menor ao maior ou de uma
premissa singular ou particular para outra, geral. Diferente do método
dedutivo, onde a conclusão está implícita nas premissas, aqui, sua
conclusão vai além desses enunciados. Assim, o método indutivo é
mais amplo sendo muito utilizado nas ciências
A conclusão do Silogismo
Na conclusão do silogismo, nos tempos atuais, o julgador encontra-se
ocupado com a não fácil tarefa de interpretar textos jurídicos e de
exercer a sua adaptação continuamente diante das recentes e diversas
necessidades sociais, sempre buscando o que for mais correto ao
caso concreto. Nesse caso, a conclusão do silogismo deveria ser:
Muitos seres humanos são condenáveis
TURMA – 1601N 1ª FASE DE DIREITO
Ana Paula Costa de Lima
Guilherme Schmitt
Jaine Mariano
Vanderlei Vieira
FONTES MENEZES, P. Silogismo. Disponível em:
https://www.todamateria.com.br/silogismo/ ROSSI, C. Filosofia
– lógica engana? Disponível em:
https://megaarquivo.wordpress.com/2017/01/06/13-044-filosofi
a-logi ca-engana/ PERELMAN, C. Considerações sobre uma
lógica jurídica. Disponível em:
http://www.scarpinellabueno.com/images/traducoes/trad-2.p
http://www.scarpinellabueno.com/images/traducoes/trad-2.p