ManPraticaAtend
118 pág.

ManPraticaAtend


DisciplinaFisiologia Humana I16.227 materiais660.765 seguidores
Pré-visualização38 páginas
para o conforto a sensação de segurança da criança (\u201ccair no vaso\u201d),
alem de, fisiologicamente, conferir apoio aos pés para facilitar a evacuação.
\u2022 A aquisição do controle esfincteriano dá a criança um sentimento de segurança e indepen-
dência, favorecendo seu desenvolvimento.
EVITAR
\u2022 Não há nenhuma vantagem educativa \u2013 a não se economia de trabalho para o adulto e
vaidade pessimamente colocada - em disciplinar a criança a controlar seus esfíncteres
antes da idade apropriada, que mais tarde pode vir a se manifestar como obstipação intes-
tinal ou encoprese.
MEU FILHO NÃO COME
SINAIS SINTOMAS
Queixa que costuma aparecer em Criança com resistência a ingerir determinados
pré-escolares e início da idade escolar. alimentos.
Criança com estado nutricional Angústia materna externada por forçar a alimentação
adequado para idade da criança e/ou substituir os alimentos por guloseimas.
Problemas Comuns em Ambulatório Pediátrico
116 Manual Prático de Atendimento em Consultório e Ambulatório de Pediatria
Problemas Comuns em Ambulatório Pediátrico
COMO DIAGNOSTICAR
História clínica e exame físico geral que, na quase totalidade das crianças, é normal, tanto
no aspecto físico, como nas condições nutricionais para a idade.
COMO TRATAR
Orientações gerais
\u2022 Fisiologicamente as necessidades nutricionais quantitativas dos pré-escolares e do escolar
são menores quando comparadas às dos lactentes.
\u2022 Os hábitos alimentares da família e as condições socioeconômicas devem ser respeitados e
avaliados.
\u2022 A apresentação e introdução de novos alimentos devem ser adequadas para os pré-esco-
lares, em nenhuma hipótese deve-se forçar a aceitação do alimento.
\u2022 Oferecer quantidades adequadas de alimento, frisando-se que a capacidade do volume
gástrico é menor do que o dos adolescentes e adultos.
\u2022 Respeitar as variações diárias do apetite.
\u2022 Estabelecer horários fixos para a alimentação
\u2022 Limitar e selecionar as quantidades de líquido ofertadas durante as refeições, sucos natu-
rais não devem ser substituídos por refrigerantes ou sucos artificiais.
\u2022 Não ameaçar ou castigar quando não aceitarem determinados alimentos (é de hábito
familiar utiliza-los?).
\u2022 Doces e guloseimas devem ser utilizados como sobremesa, não como substitutos alimen-
tares (\u201csobre a mesa\u201d)
COMO EVITAR
\u2022 Respeitar o apetite e as preferências da criança, não transformando um processo que deve
ser prazeroso e nutricionalmente importante em uma \u201cguerra\u201d com baixas em ambos os
lados (materno e infantil).
BIBLIOGRAFIA
1. Behrman, RE. Nelson textbook of Pediatrics, Saunders, 17ª ed, Filadélfia, 2004.
2. Leão E, Correa EJ, Viana MRA. Pediatria ambulatorial. 4ª. ed., Belo Horizonte: Coopmed, 2005.
3. Marcondes E. Pediatria Básica, Ed Sarvier, 9 ª ed, São Paulo, 2002, TomoI e II.
4. Pernetta CB. Semiologia Pediátrica, 5a. Ed., Ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1990.
5. Sociedade Brasileira de Pediatria. Manual de orientação para alimentação do lactente, pré-escolar, esco-
lar e adolescente e na escola. Departamento Científico de Nutrologia. 2006.
6. Sucupira ACSL, Bricks LF, Kobinger MEBA, Saito MI, Zucolotto SMC. Pediatria em consultório, Ed. Sarvier,
4ª ed, São Paulo, 2000.