AASE revisaoav1
29 pág.

AASE revisaoav1


DisciplinaAspectos Antropológicos e Sociológicos da Educação3.729 materiais35.515 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Prof. Mauro Leão 
BEM-VINDO À DISCIPLINA 
ASPECTOS ANTROPOLÓGICOS E SOCIÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 
Aula de revisão para a AV1 
A análise antropológica 
da cultura 
AULA 1 
Edward Tylor foi um dos primeiros antropólogos a 
sistematizar o conceito de cultura. Segundo este autor, 
em seu trabalho intitulado Primitive Culture, de 1871, a 
cultura poderia ser definida como todo aquele conjunto de 
conhecimentos, que inclui crenças, arte, moral, lei, 
costumes e quaisquer outras capacidades e hábitos 
adquiridos pelo homem como membro de um grupo ou 
sociedade. 
 
O conceito antropológico de cultura 
O etnocentrismo é um fenômeno universal. Os indivíduos 
vêem o mundo através de sua cultura e têm a propensão 
em considerar o seu modo de vida como o mais correto e o 
mais natural. 
Etnocentrismo 
 
As condições históricas para o 
desenvolvimento do pensamento científico 
 e para o surgimento da Sociologia. 
 
 
A sociedade ocidental produziu uma forma específica de 
explicar o mundo, chamada de ciência, ou seja, uma 
forma racional, objetiva, sistemática, metódica e refutável 
de formulação das leis que regem os fenômenos. 
 A CIÊNCIA 
 
 
 
Alguns períodos de impulso para 
o pensamento científico: 
 
\u2022 A Revolução Científica do séc. XVII. 
\u2022 O Iluminismo e a Rev. Francesa de 1789. 
\u2022 A Revolução Industrial do séc. XVIII 
 
 
 
Auguste Comte (1798-1857) 
 A Lei dos Três Estados: 
 Teológico Metafísico Positivo 
 
 
 
 
 
AULA 6 
O POSITIVISMO 
O pensamento 
sociológico de 
Émile Durkheim 
(1858-1917) 
AULA 6 
Em As Regras do Método Sociológico, Durkheim afirma 
que o objeto de estudo da Sociologia são os fatos sociais. 
Eles seriam aqueles modos de agir, pensar e sentir que 
exercem sobre os indivíduos uma coerção externa e que 
possuem existência própria. Para este autor os fatos 
sociais deveriam ser percebidos como coisas. 
AULA 6 
O CONCEITO DE FATO SOCIAL 
É o modo como a sociedade vê a si mesma e as demais, 
através de suas lendas, mitos, concepções religiosas, 
crenças morais etc... Em outras palavras, seria o sistema de 
representações coletivas presente em determinada 
sociedade. 
AULA 6 
A CONSCIÊNCIA COLETIVA 
Segundo Durkheim,o pesquisador deve assumir uma postura 
de distanciamento e neutralidade em relação aos fatos 
estudados, ou seja, deve abandonar as suas pré-noções. 
Estes, por sua vez, devem ser medidos e observados de 
forma objetiva. \u201cOs fatos sociais devem ser encarados como 
coisas.\u201d 
AULA 6 
O MÉTODO DE PESQUISA EM SOCIOLOGIA 
Segundo Durkheim, o meio moral em determinada 
sociedade é produzido pela cooperação entre os indivíduos, 
por meio de um processo de interação que ele definiu como 
a divisão do trabalho social. Neste sentido haveriam duas 
formas básicas de se construir esta cooperação ou 
solidariedade, que seriam a solidariedade mecânica e a 
solidariedade orgânica. 
AULA 6 
AS FORMAS DE SOLIDARIEDADE 
OU DE COOPERAÇÃO SOCIAL 
Predomina nas sociedades pré-
capitalistas. A união do grupo se dá 
com base na idéia de identidade 
entre os indivíduos, manifestada 
através de costumes, religião, laços 
de família. É forte, neste contexto, a 
consciência coletiva. 
 
AULA 6 
A SOLIDARIEDADE MECÂNICA 
AULA 6 
A SOLIDARIEDADE ORGÂNICA 
Típica das sociedades capitalistas, nas quais a união do 
grupo se dá com base na interdependência entre os 
indivíduos. Esta, por sua vez, está ligada ao aumento da 
divisão do trabalho social, com a conseqüente 
especialização de funções. Neste contexto é mais fraca a 
consciência coletiva, com maior autonomia dos indivíduos. 
 
AULA 6 
A SOLIDARIEDADE ORGÂNICA 
A EDUCAÇÃO COMO INSTRUMENTO DE 
SOCIALIZAÇÃO 
Numa sociedade em que o individualismo, acirrado pela 
diferenciação social e pelas práticas do mercado, compete 
com a consciência coletiva, a educação assume o significado 
de educação moral. Assim, ela seria de vital importância 
para a manutenção da coesão social, na concepção de 
Durkheim. 
Aprender a ser um engenheiro ou um médico, para 
Durkheim, não significa apenas fazer plantas e cálculos, ou 
aprender anatomia humana. Ao ingressar nas universidades 
os indivíduos aprendem, também, como médicos e 
engenheiros estabelecem suas relações sociais próprias. A 
escolha da profissão passaria a ser uma maneira particular 
de se ingressar em determinado meio moral. 
Karl Marx 
(1818-1883) 
A SOCIOLOGIA DE KARL MARX 
A obra de Marx também teve influência sobre a construção 
do primeiro regime socialista a ser instituído na história 
recente da humanidade. Esta experiência se daria na 
Rússia, em 1917, ano em que o partido bolchevique, liderado 
por Lênin, no comando de um movimento revolucionário 
instituiria naquele país um projeto socialista de inspiração 
marxista. 
\u2022A dialética é uma corrente filosófica, que tem sua 
origem na filosofia grega, com Heráclito de Éfeso e se 
estrutura afirmando a contradição como a própria 
substância da realidade. Esta se superaria num 
processo incessante de negação, conservação e 
síntese. Aplicada aos fenômenos historicamente 
produzidos, a ótica dialética cuida de apontar as 
contradições constitutivas da vida social que resultam 
na negação de uma determinada ordem. 
A DIALÉTICA 
Para Marx, ao contrário, o movimento do pensamento é o 
reflexo do movimento real, transportado para a mente do 
homem. A partir daí, passaria a se desenvolver um 
movimento de interação e transformação recíprocos 
entre o pensamento e a realidade material. 
O MATERIALISMO DIALÉTICO 
\u2022O método de abordagem da vida social, elaborado por 
Marx, foi chamado posteriormente de Materialismo 
Histórico. De acordo com tal concepção, as relações 
materiais que os homens estabelecem entre si, o modo 
como produzem os seus meios de vida, formam a base de 
todas as suas relações. 
Aua 5 
O MATERIALISMO HISTÓRICO 
\u201cAs formas como os indivíduos manifestam a sua vida 
refletem muito exatamente aquilo que são. O que são 
coincide, portanto, com sua produção, isto é, tanto com 
aquilo que produzem como com a forma como 
produzem. Aquilo que os indivíduos são depende, por 
conseguinte, das condições materiais de sua produção 
(Marx, Karl. A Ideologia Alemã, pg.19).\u201d 
Entende-se por modo de produção a maneira pela qual os 
homens obtêm seus meios de existência material, isto é, os 
bens de que necessitam para viver. Na história podemos 
distinguir alguns modos de produção como o escravismo 
na antiguidade, o feudalismo, o capitalismo e o 
socialismo. Os modos de produção de uma sociedade 
dependem do estágio das forças produtivas e do 
desenvolvimento das relações de produção. 
OS MODOS DE PRODUÇÃO 
O conceito de forças produtivas refere-se aos instrumentos 
e habilidades utilizados na produção material, 
possibilitando o controle da natureza. Seu 
desenvolvimento é cumulativo. 
FORÇAS PRODUTIVAS 
A idéia de relações sociais de produção implica em 
diferentes formas de organização da produção, da 
distribuição, da posse e da propriedade dos meios de 
produção; bem como as suas garantias legais, 
constituindo-se dessa forma no substrato para a 
estruturação das classes sociais. De forma sintética, 
seriam as relações estabelecidas pelos indivíduos entre si 
e com o grupo, para a organização do trabalho social. 
RELAÇÕES DE PRODUÇÃO 
A presença de diferentes classes sociais nos diversos 
modos de produção, com interesses muitas vezes 
antagônicos, levou Marx a considerar a luta de classes 
como o fator de motivação das transformações da 
história humana. No capitalismo a duas classes 
predominantes são a burguesia e o proletariado. 
A LUTA DE CLASSES 
Para Marx, esta \u201cluta de classes 
seria o motor da história\u201d. Este 
modo de pensar a sociedade 
representaria a base do 
materialismo histórico, que 
corresponde