A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
63 pág.
introdução de diagnostico por imagem

Pré-visualização | Página 1 de 1

Introdução aos métodos de 
diagnóstico por imagem.
Prof. Vinicius Coca
Escolha da técnica
�Ditada pela:
�Apresentação clínica
�Disponibilidade de equipamento
�Destreza e custo
�Situações especiais:
�Alergia a contraste (impede artrografia),
�Marca-passo (impede RM),
�Gravidez (impedeTC).
PROFISSIONAL
�Conhecer:
�A indicação de cada técnica.
�As limitações de uma modalidade específica.
�Os tipos de imagens apropriadas p/ alterações 
em locais específicos.
RADIOGRAFIAS SIMPLES
�Modalidade mais usada.
�Duas incidências com ângulo de 90º.
�Com articulações adjacentes.
�Em crianças - membro contralateral.
RADIOGRAFIA SIMPLES
RADIOGRAFIAS SIMPLES
• Vantagens:
�Rápido e barato;
�Presente em qualquer PA;
�Não invasivo;
�Índice de complicações beira 0%.
RADIOGRAFIAS SIMPLES
• Desvantagens:
�Ruim para áreas complexas:
� Coluna, pelve, escápula.
�Limitado quando comparado a TC e RM.
�Usa radiação ionizante.
APARELHO DE RADIOGRAFIA
RADIOGRAFIAS CONTRASTADAS
�São radiografias com a introdução de um
contraste radiológico em um determinado
espaço.
�Vantagens:
�Rápido, de fácil realização e interpretação.
�Desvantagens:
�Invasivo, complicações com contraste.
�Ex: hipersensibilidade ao iodo.
RADIOGRAFIAS COM CONTRASTE
�Artrografia
�Tenografia
�Bursografia
�Angiografia
�Mielografia
�Discografia
ARTROGRAFIA DO OMBRO
�Enchimento das bursas
subacromial e
subdeltóide.
TENOGRAFIA
�Introdução de contraste
no tendão (bainha
tendinosa).
�Em desuso devido a
Ressonância magnética.
ANGIOGRAFIA
�Contraste injetado em ramos da circulação venosa ou
arterial.
• Indicações:
�Avaliar lesões vasculares no trauma.
�Mapear lesões ósseas tumorais.
�Mapear vasos para quimioterapia intra-arterial pré-
operatória.
�Definir área ideal para biópsia.
MIELOGRAFIA
�Introdução de contraste no espaço subaracnóide para 
avaliar a medula.
DISCOGRAFIA
�Injeção de contraste no núcleo pulposo do disco
intervertebral (guiado porTC).
�Indicação:
�Limitada a pacientes com dor vertebral contínua, há
mais de 4 meses e que já foram avaliados por TC e
RM sem diagnóstico firmado.
DISCOGRAFIA
RADIOGRAFIAS ESPECIAIS
ESCANOMETRIA
�Utilizada para avaliação de tamanho
radiográfico de membros.
�Avalia a dismetria de membros.
ESCANOMETRIA
TOMOGRAFIA
�A tomografia computadorizada (TC), é um exame 
complementar que consiste numa imagem que 
representa uma secção ou "fatia" do corpo.
� É obtida através do processamento por 
computador de informação recolhida após expor o 
corpo a uma sucessão de RX.
TOMOGRAFIA
�A TC baseia-se nos mesmos princípios que a 
radiografia convencional, segundo os quais tecidos 
com diferentes composições absorvem a radiação 
X de forma diferente.
�Ao serem atravessados por raios X, tecidos mais 
densos como o fígado, como o cálcio presente nos 
ossos, absorvem mais radiação que tecidos menos 
densos
TOMOGRAFIA
Tubo com feixe de raio X;
Movimento continuamente em círculo ao redor do
paciente
RX atravessam a superfície corpórea da região
examinada
Parte do RX é absorvida (sendo que tecidos corporais
apresentam diferentes níveis de absorção e atenuação
desses raios)
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
• Indicações:
�Fraturas complexas;
�Fraturas articulares;
�Envolvimento de partes moles no trauma;
�Avaliação de tumores ósseos;
�Avaliação orgânica;
�Consolidação óssea.
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
• Vantagens:
�Excelente resolução de
imagens.
�Técnica de reconstrução
tridimensional.
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
• Desvantagens:
� Efeito de volume parcial: avaliação de pequeno volume
tecidual.
� Falta de caracterização tecidual.
�Artefatos causados por movimento do paciente ou por
metal.
�Dose de radiação X na realização.
�As imagens tomográficas podem ser obtidas em 2 
planos básicos:
� Plano axial (perpendicular ao maior eixo do corpo) 
�Plano coronal (paralelo a sutura coronal do crânio ou 
seja é uma visão frontal).
� Após obtidas as imagens, recursos computacionais 
podem permitir reconstruções no plano sagital 
(paralelo a sutura sagital do crânio) ou reconstruções 
tri-dimensionais.
Tubos de RX
Detectores
TOMOGRAFIA
TOMOGRAFIA
�Contra-indicação
�Mulheres grávidas;
�Pessoas muito obesas (superior a 180 kg);
�Pessoas alérgicas ao contraste (só se submete a fase sem contraste);
�Pessoas que se submeteram a exames contrastados recentemente
com a utilização de sulfato de bário;
�Distúrbios neurológicos (Parkinson ou outras afecções que causam
movimentos involuntários);
�Distúrbios psiquiátricos;
�Crianças ou adultos senil (dificuldade de compreensão quanto a
necessidade de imobilização prolongada).
TC X RNM
�Avaliação de anormalidades calcificadas ou ossos 
devido à falta de sinal do cálcio.
�Mais barata
�Mais rápida
�Pacientes com claustrofobia conseguem fazer o 
exame graças ao formato aberto do gantry
Ressonância magnética
�O exame de Ressonância
Magnética é um método de
diagnóstico por imagem que não
utiliza radiação e permite
retratar imagens de alta definição
dos órgãos do corpo
�Baseia-se na reemissão de um
sinal de radiofreqüência
absorvido com o paciente em um
campo magnético.
FORMAÇÃO DA IMAGEM
�A intensidade do sinal da RMN de um 
determinado tecido está relacionada com a 
quantidade de água que estes possuem. Quanto 
maior for o conteúdo em água, mais forte é o sinal 
da RMN e melhor a imagem resultante. 
�Os tecidos com lesões têm alteração no conteúdo 
de água, e normalmente têm mais água que um 
tecido saudável.
TERMINOLOGIA
�Hiperintenso: cor da imagem é branca, 
“brilhante”.
�Hipointenso: a cor da imagem é cinza
�Ausência de sinal (decorre da falta de 
prótons de hidrogênio – Ex.: ar, 
calcificações, corticais ósseas): a cor da 
imagem é preta
Ressonância magnética
• Indicações:
�Fraturas articulares.
�Lesões de partes moles associadas a fraturas.
�Tumores ósseos ou de partes moles.
Ressonância magnética
• Vantagens:
�A ótima resolução de imagens.
�Boa caracterização tecidual.
�Não há radiação ionizante.
�Permite vários planos.
Ressonância magnética - Desvantagens
�Alto custo.
�O campo magnético é potencialmente perigoso para 
pacientes que possuem implantes metálicos 
�Possui pouca definição na imagem de tecidos ósseos 
normais, se comparada à TC, pois esses emitem pouco 
sinal. 
NÃO REALIZAR O EXAME:
�Marcapasso
�Placa de metal
�Pino ou qualquer outro implante metálico,
�Válvula cardíaca artificial
�Grampo de aneurisma
�Se já foi ferido durante o serviço militar
�Se já trabalhou diretamente em contato com metais. 
�Qualquer peça metálica no corpo pode causar 
desconforto ou lesão quando em contato com o forte 
campo magnético do equipamento.
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
�Vantagens da RM sobre a TC
Não há radiação ionizante.
Capacidade de obter multiplanar (ax,cor,sag.obl)
Melhores detalhes anatômicos
Mais sensibilidade de detectar alterações 
patológicas súbitas ,edema cerebral,infiltração da 
medula óssea
Melhor contraste entre os tecidos
Ressonância magnética x Radiografia
RNM X TC
Lesão do Labrum do acetábulo
Cintilografia óssea
�Modalidade que detecta a distribuição
corporal de um agente radioativo
injetado no sistema vascular.
�Indicador de renovação mineral.
Cintilografia óssea
• Indicações:
�Condições traumáticas;
�Tumores ósseos;
�Artrites: distribuição;
�Infecções: agudas ou crônicas;
�Doença óssea metabólica (ex: doença de Paget).
Cintilografia óssea
• Vantagens:
�Avalia todo o esqueleto;
�Alta sensibilidade.
Cintilografia óssea
• Desvantagens:
�Baixa especificidade;
�Uso de substância radioativa.
Cintilografia óssea
Radiografia X Cintilografia óssea
Radiografia X Cintilografia óssea