HDB - Anotação (6)
52 pág.

HDB - Anotação (6)


DisciplinaHistória do Direito Brasileiro10.305 materiais252.641 seguidores
Pré-visualização16 páginas
socioafetiva) constitui modalidade de parentesco civil\u201d, conforme 
disposto no enunciado nº 256. 
c) Parentesco por afinidade: é o parentesco que resulta do casamento ou da união 
estável, gerando uma relação entre um cônjuge ou companheiro e os parentes do outro. 
Inicialmente, vale ressaltar que o casamento não cria parentesco algum entre o homem e 
a mulher. Marido e mulher, companheiro e companheira constituem uma sociedade 
conjugal, baseada no affectio maritalis. Embora haja simetria com a contagem dos graus 
no parentesco, a afinidade não decorre da natureza, nem do sangue, mas tão-somente da 
relação familiar constituída pelo homem e pela mulher. 
A afinidade, assim como o parentesco por consangüinidade, comporta duas 
linhas: a reta e a colateral. São afins em linha reta ascendente: sogro, sogra, padrasto e 
madrasta (no mesmo grau que pai e mãe). São afins na linha reta descendente: genro, 
nora, enteado, enteada (no mesmo grau que filho e filha). 
Direito de Família 
Coordenação Prof. Cristiano Sobral 
www.professorcristianosobral.com.br 
 
 
Complexo de Ensino Renato Saraiva | www.renatosaraiva.com.br | (81) 3035 0105 
 
25 
 
A afinidade na linha reta é sempre mantida (art. 1.595, § 2º); mas a afinidade 
colateral (ou cunhadio) se extingue com o término do casamento. Em assim sendo, 
inexiste impedimento de o viúvo (ou divorciado) se casar com a cunhada. 
Este parentesco não gera obrigação de alimentar e nem direitos sucessórios. 
d) Vínculo socioafetivo
34
: nasce da posse do estado de filho, a partir da assunção da 
condição de filho por determinada pessoa e não era prevista no Código Civil de 1916. 
Ganha legítimo reconhecimento na singela fórmula do art. 1.593, quando se refere ao 
parentesco que resulta de outra origem, podendo ocorrer pela prática da \u201cadoção à 
brasileira
35\u201d, do reconhecimento de filho de outrem por desconhecimento ou ainda, nos 
casos de inseminação artificial heteróloga
36
 (art. 1597, IV). 
 
6.2 Contagem do parentesco 
O parentesco é contado por intermédio de linhas e graus. 
Existem duas espécies de linhas: reta (quando as pessoas descendem umas das 
outras) e colateral ou transversal (quando as pessoas, entre si, não descendem uma das 
outras, embora procedendo de um tronco ancestral comum). Dispõe, com efeito, o art. 
1.592 do Código Civil: \u201cSão parentes em linha colateral ou transversal, até o quarto 
grau, as pessoas provenientes de um só tronco, sem descenderem uma da outra\u201d. 
Os graus são o meio de que se dispõe para determinar a proximidade ou 
remoticidade do parentesco. 
 
34
 Enunciado 113 do CJF: Art. 1.593: o Código Civil reconhece, no art. 1.593, outras espécies de 
parentesco civil além daquele decorrente da adoção, acolhendo, assim, a noção de que há também 
parentesco civil no vínculo parental proveniente quer das técnicas de reprodução assistida heteróloga 
relativamente ao pai (ou mãe) que não contribuiu com seu material fecundante, quer da paternidade 
socioafetiva, fundada na posse do estado de filho, estando tipicado na lei penal. 
35
 Constitui-se inicialmente por um ato ilícito e que se constitui por registrar, conscientemente, 
filho alheio em nome próprio. 
36
 Fertilização in vitro onde se utiliza material genético de doadores e não do casal que pretende a 
paternidade. Dispondo sobre esta modalidade, o 
Conselho de Justiça Federal, na I Jornada de Direito Civil editou o Enunciado 104 \u2013 Art. 1.597: no 
âmbito das técnicas de reprodução assistida envolvendo o emprego de material fecundante de terceiros, o 
pressuposto fático da relação sexual é substituído pela vontade (ou eventualmente pelo risco da situação 
jurídica matrimonial) juridicamente qualificada, gerando presunção absoluta ou relativa de paternidade no 
que tange ao marido da mãe da criança concebida, dependendo da manifestação expressa (ou implícita) 
da vontade no curso do casamento. 
 
Direito de Família 
Coordenação Prof. Cristiano Sobral 
www.professorcristianosobral.com.br 
 
 
Complexo de Ensino Renato Saraiva | www.renatosaraiva.com.br | (81) 3035 0105 
 
26 
 
Dispõe a respeito o art. l.594: \u201cContam-se, na linha reta, os graus de parentesco 
pelo número de gerações e, na colateral, também pelo número delas, subindo de um dos 
parentes até ao ascendente comum, e descendo até encontrar o outro parente\u201d. 
 
6.3 Efeitos do parentesco 
As relações de parentesco afetam os mais diversos campos do Direito, desde os 
impedimentos que se traduzem em inelegibilidade da constituição até os impedimentos 
para o casamento. 
No processo civil, estão impedidos de depor, como testemunha, além do cônjuge 
da parte, seu ascendente ou descendente em qualquer grau, assim como o colateral até o 
terceiro grau, seja consangüíneo ou afim (art. 405, § 2º, I, do CPC). 
No direito penal, há crimes cujo parentesco entre o agente causador e a vítima 
agrava a intensidade da pena. No direito fiscal, o parentesco pode definir isenções, 
deduções ou o nível de tributação. No direito constitucional e no direito administrativo, 
há restrições de parentesco para ocupar certos cargos
37
. 
No direito de família, os efeitos do parentesco se fazem sentir com mais 
intensidade ao estabelecer impedimentos para o casamento, o dever de prestar 
alimentos, de servir como tutor etc. 
 
37
 Segundo a Resolução n. 07 do CNJ, art. 2º, que trata de nepotismo, dentre outras: \u201cI - o exercício 
de cargo em provimento de comissão ou de função gratificada, no âmbito da jurisdição de cada Tribunal 
ou Juízo, por cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro 
grau, inclusive, dos respectivos membros ou juízes vinculados; II - o exercício, em Tribunais ou Juízos 
diversos, de cargos de provimento em comissão, ou de funções gratificadas, por cônjuges, companheiros 
ou parentes em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, de dois ou mais 
magistrados, ou de servidores investidos em cargos de direção ou de assessoramento, em circunstâncias 
que caracterizem ajuste para burlar a regra do inciso anterior mediante reciprocidade nas nomeações ou 
designações; III - o exercício de cargo de provimento em comissão ou de função gratificada, no âmbito da 
jurisdição de cada Tribunal ou Juízo, por cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por 
afinidade, até o terceiro grau, inclusive, de qualquer servidor investido em cargo de direção ou de 
assessoramento; IV - a contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de 
excepcional interesse público, de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por 
afinidade, até o terceiro grau, inclusive, dos respectivos membros ou juízes vinculados, bem como de 
qualquer servidor investido em cargo de direção ou de assessoramento; V - a contratação, em casos 
excepcionais de dispensa ou inexigibilidade de licitação, de pessoa jurídica da qual sejam sócios 
cônjuges, companheiro ou parente em linha reta ou colateral até o terceiro grau, inclusive, dos respectivos 
membros ou juízes vinculados, ou servidor investido em cargo de direção e de assessoramento. (...).\u201d 
Direito de Família 
Coordenação Prof. Cristiano Sobral 
www.professorcristianosobral.com.br 
 
 
Complexo de Ensino Renato Saraiva | www.renatosaraiva.com.br | (81) 3035 0105 
 
27 
 
No direito sucessório, o parentesco estabelece as classes de herdeiros que podem 
concorrer à herança, se limitando, na classe dos colaterais, àqueles até o quarto grau. 
 
7. FILIAÇÃO 
7.1 Introdução 
Filiação é a relação de parentesco, em primeiro grau e em linha reta, que liga 
uma pessoa àquelas que a gerarem, ou a receberam como se a tivesse gerado. 
A Constituição Federal (art. 226, § 6º) estabeleceu absoluta igualdade entre 
todos os filhos, não admitindo mais a retrógrada distinção entre filiação legítima