ELZAIBRAHIMDISSERTACAO2
129 pág.

ELZAIBRAHIMDISSERTACAO2


DisciplinaLinguagem e Cognição26 materiais344 seguidores
Pré-visualização42 páginas
do delito. Ainda, segundo a 
autora, a Psiquiatria surge como instrumento de transformação do louco em doente 
mental e, a sua história se confunde com a história mesma do Direito Penal. A medicina 
psiquiátrica passa a intervir na modulação da pena e com isso, cada vez menos, os 
conceitos por ela utilizados tornam-se de caráter médico: surge a figura, cunhada por 
Foucault, do médico-juiz, , aquele que pretende tratar, julgando. Conforme leciona o 
autor, a psiquiatria para se justificar como poder e ciência da higiene pública - e, 
portanto, de proteção social -, precisa mostrar que é capaz de perceber um certo perigo, 
mesmo onde nenhum outro possa ver (Foucault, 2001). 
 Assim, no decorrer do século XX, organiza-se efetivamente um poder médico-
judiciário que leva o indivíduo diante de um tribunal não apenas com o seu crime: ele 
vai acompanhado de um exame psiquiátrico, o qual que diz muito mais respeito ao tipo 
de vida que este sujeito está submetido, ao seu comportamento disciplinar, à sua relação 
com seus subordinados dentro do cárcere, enfim, ao nível de perigo que ele ainda possa 
representar, do que, na realidade, ao próprio ato por ele cometido. Segundo Cristina 
Rauter, passa-se a exercer um tipo de controle mais amplo e eficiente: 
 
Enquanto a justiça só pode agir sobre o delito quando este já tiver sido cometido, a 
psiquiatria aparece como capaz de prevê-lo em função de critérios de periculosidade 
definidos \u2018cientificamente\u2019. O ato criminoso torna-se resultado inevitável de uma 
condição mórbida que já se esboçava desde a infância. A criminalidade atravessa a vida 
do indivíduo, o crime é sempre uma virtualidade (RAUTER, 2003, p. 113). 
 
26 
 
 Vê-se, destarte, a produção de um discurso criminológico sobre a figura do 
louco-criminoso que, desconhecida pelos juristas, passam estes a contar com a 
intervenção da psiquiatria para assessorá-los, resultando, assim, na profícua união entre 
o direito e a medicina que, agora, funcionam juntos como a principal defesa à sociedade 
contra essa figura estranha e obscura do louco-criminoso. 
 Conforme pensamos, a noção de medida de segurança perde a sua especificidade 
como medida de tratamento e ganha contornos puramente jurídicos. Nota-se, neste caso, 
que a psiquiatria - e por que não dizer também a psicologia -, funciona como uma 
prática essencialmente disciplinar, coercitiva e produtora de subjetividade: em seu nome 
o sujeito inimputável não só é produzido como também é condenado. Como já 
dissemos, é o manicômio o lugar que lhe é destinado. Detenhamo-nos um pouco sobre 
ele - o MJ. 
 
 O Manicômio Judiciário (MJ) 
20
 é um hospital psiquiátrico-penal, que custodia 
em sistema de reclusão, sob regime fechado, indivíduos portadores de sofrimento 
mental que cometeram crime. Sua população é composta por cerca de 200 pacientes, 
sendo a grande maioria masculina. Ao longo dos anos lá trabalhados, constatamos que o 
MJ abriga uma série distinta de pacientes portadores de transtorno mental, que se 
distribuem em uma escala que varia, tanto de acordo com o tipo de delito cometido, 
quanto com o nível de seu comprometimento psíquico. Assim, poderíamos observar, 
por um lado, desde as expressões mais brandas de esquizofrenia, até as mais sérias e 
agudas formas de psicose, como também uma variação entre alguns tipos de delito 
considerados leves até aqueles classificados como mais graves. Estes indivíduos, 
considerados por lei como sendo inimputáveis, encontram-se incursos no Art. 26 do 
Código Penal
21
, que afirma ser 
 
isento de pena o agente que, por doença mental ou desenvolvimento mental incompleto 
ou retardado, era, ao tempo da ação ou da omissão, inteiramente incapaz de entender o 
caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento. A pena 
pode ser reduzida de um a dois terços, se o agente em virtude de perturbação de saúde 
 
20
 Apesar da mudança ocorrida em sua nomenclatura a partir do falecimento de Heitor Carrilho, em 1954 
- passando a ser nomeado de hospital ao invés de manicômio -, optei por manter a utilização de 
Manicômio Judiciário, usando a sigla MJ, por acreditar que desta forma estaria sendo mais fiel à idéia 
mesma que ele representa. Parece-nos que de nada adiantaria mudar-se o nome se a prática continua 
sendo a mesma. 
21
 O Código Penal vigente é ainda o de 1940, ao qual foram feitas algumas alterações através da Lei de 
Execuções Penais 7.209/84. 
 
Entretanto, ainda permanece a mesma orientação no que se refere à atuação 
frente ao doente mental. 
 
27 
 
mental ou por desenvolvimento mental incompleto ou retardado, não era inteiramente 
capaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse 
entendimento (Decreto-Lei 7209 de 11 de Julho de 1984, Código Penal Brasileiro). 
 
 Uma vez enquadrados no artigo 26 do Código Penal, os mesmos serão 
absolvidos de seus crimes, mas pesará sobre eles uma nova modalidade de apenação - a 
\u2018medida de segurança\u2019 - que será, no próximo subcapítulo, problematizada. 
 
 
 
2.3.2. O surgimento da Criminologia e suas confusas terminologias 
 
 O termo Criminologia foi criado por Raphael Garófalo, como sendo a ciência da 
criminalidade, do delito e da pena. Baseada na observação e nos fatos, a criminologia 
tratava de explicar a origem da delinquência. Garófalo concebeu sua concepção de 
delito natural partindo da ideia lombrosiana do \u2018criminoso nato\u2019. Este conceito apareceu 
em 1871 com a publicação da obra L\u2019Uomo delinqüente de Cesare Lombroso, que 
acreditava ser o criminoso possuidor de uma série de estigmas anatômicos indicadores 
de certas anomalias. 
 As ideias defendidas por Lombroso acerca do \u2018criminoso nato\u2019 professavam que, 
pela análise de determinadas características somáticas seria possível antever aqueles 
indivíduos que se voltariam para o crime. Lombroso \u2013 médico de pensamento 
positivista - realizava estudos de anomalia craniana nos estabelecimentos prisionais 
italianos, tentando responder às questões deterministas a partir da chamada 
antropometria
22
 criminal. Para ele, o individuo criminoso tinha em sua face \u2013 e o autor 
acreditava que o rosto era o \u2018espelho da alma\u2019 \u2013, aquilo que dizia respeito ao próprio 
crime, a algo intrínseco à subjetividade e ao corpo desse sujeito, que seria, então, 
criminoso por essência. O delinquente era considerado um \u2018louco atávico\u2019 que produzia 
os instintos de seus ancestrais mais primitivos. 
 Foi por exemplo, através da comparação das medidas do corpo humano que 
cientistas do século XIX chegaram à conclusão de que o negro era inferior ao branco 
por possuir um cérebro menor do que aquele. As pessoas já não eram definidas apenas 
 
22
 Processo ou técnica de mensuração do corpo humano ou de suas várias partes. (Novo Dicionário 
Aurélio) 
28 
 
pela cor da pele, ou pelo ângulo facial. Começaram a surgir maneiras cada vez mais 
refinadas de classificação, que isolavam e estigmatizavam aqueles que não cumpriam o 
padrão pré-estabelecido pela sociedade de classes. A ciência passa a classificar o sujeito 
com fins de controle e segregação. Aqueles conotados como diferentes, ocuparam e 
ocupam na historia e nas relações de poder, um lugar à margem, à exclusão. 
 A partir daí, todas as pesquisas científicas dobrariam seus esforços para 
demonstrar que os comportamentos antissociais provinham essencialmente de causas 
orgânicas e, até mesmo o crime, deveria ser explicado por meio de fenômenos causais. 
Órgãos internos e externos eram avaliados com o objetivo de relacionar suas lesões às 
manifestações da alienação mental. A maioria dos documentos clínicos traz descrição 
minuciosa desses caracteres morfológicos, sendo registrados também os traços físicos 
indicativos de degeneração. 
 Em uma das conferências proferidas por Franco Basaglia, quando de