24_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006
1 pág.

24_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006


DisciplinaClimatologia2.000 materiais35.585 seguidores
Pré-visualização1 página
METEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA
Mário Adelmo Varejão-Silva
Versão digital 2 \u2013 Recife, 2006
10
5. Culminação e declinação de um astro.
A abóbada celeste parece girar em torno da Terra, em decorrência do movimento de
rotação deste planeta em torno do seu eixo norte-sul. O movimento aparente da abóbada ce-
leste alimentou durante séculos a ilusão científica chamada sistema geocêntrico, que preconi-
zava ser a Terra o centro do Universo.
Em um dado instante, em decorrência do movimento aparente da abóbada celeste,
considere-se que o centro de um astro qualquer se situe no plano de um meridiano. Em relação
àquele meridiano, diz-se que o astro culminou naquele mesmo instante.
O meio-dia solar verdadeiro (não necessariamente o indicado pelo relógio) é definido
como o exato momento da culminação do Sol no meridiano do observador e, portanto, ocorre
simultaneamente em todos os pontos do meridiano em questão. A culminação também é cha-
mada de passagem meridiana.
A culminação é dita zenital no único ponto do meridiano em que a posição do centro do
astro coincide com o zênite local. A culminação zenital é um caso particular de culminação.
Quando o Sol culmina zenitalmente (o que é relativamente raro), a sombra de uma haste retilí-
nea, instalada a prumo, confunde-se com sua própria projeção. No caso da culminação não
zenital do Sol, a sombra da citada haste estará dirigida para o norte ou para o sul, dependendo
da posição do Sol.
Ao ângulo compreendido entre o plano do equador e o vetor posição de um astro, to-
mado desde o centro da Terra, dá-se o nome de declinação do astro em questão. A declinação
(\u3b4), em um dado instante, eqüivale à latitude do local aonde o astro culmina zenitalmente nesse
mesmo instante.
6. Movimentos da Terra.
O Sol se desloca pelo espaço em direção a um ponto da esfera celeste situado nas pro-
ximidades da estrela Vega, resultado do movimento da galáxia (Via Láctea) onde se encontra,
arrastando consigo todos os astros que compõem o Sistema Solar. Observando-se o Sistema
Solar de um referencial imóvel, situado fora da galáxia (Fig. I.5 A), verifica-se que a Terra des-
creve em torno do Sol uma trajetória em hélice elíptica (algo parecida com a impropriamente
chamada 'espiral' dos cadernos escolares).
De um modo geral, porém, em Meteorologia não se está interessado nos movimentos
absolutos da Terra, mas naqueles relativos ao Sol. Exatamente por isso, considera-se o Sol
imóvel no espaço, ocupando um dos focos da elipse que passa a constituir a órbita terrestre.
Desse modo, o movimento helicoidal (tridimensional) da Terra em redor do Sol passa a se efe-
tuar em um plano (bidimensional), que se chama de plano da eclíptica (Fig. I.5 B), no qual se
situam os centros dos dois astros (Segunda Lei de Keppler).
Rigorosamente falando, o centro da Terra descreve uma trajetória suavemente ondula-
da em torno do Sol, pois a elipse orbital é descrita pelo centro de massa Terra-Lua, localizado
pouco abaixo da superfície terrestre. Como a Lua efetua um movimento de translação em redor
da Terra, é fácil compreender que este satélite ora se encontra do lado interno, ora do lado