Aula01_CEE2
22 pág.

Aula01_CEE2


DisciplinaConversão Eletromecânica de Energia 2251 materiais1.265 seguidores
Pré-visualização1 página
Escola de Engenharia Elétrica e de Computação da Universidade Federal de Goiás 
Conversão Eletromecânica de 
Energia 2 
Prof. Dr. Bernardo Alvarenga 
bernardo@eee.ufg.br 
www.eee.ufg.br/~bernardo 
Engenharia Elétrica 
1o semestre \u2013 2012 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 2 
Lei de Ampère 
\u2022 H (A/m) é a intensidade de campo magnético 
\u2022 J (A/m2) é a densidade de corrente 
\u2022 S é uma superfície cujo contorno é definido por C 
força magnetomotriz 
(A ou A·espiras) 
corrente total 
circundada por C 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 3 
Lei de Gauss 
\u2022 B (T) é a densidade de campo magnético (ou indução) 
\u2022 S é uma superfície fechada de volume igual a V 
 
\u2022 Como consequência, as linhas de indução (linhas de 
campo magnético) são curvas fechadas 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 4 
\u3c6==\u22c5=\u22c5 \uf04c2211 ABAB
Lei de Gauss \u2014 Fluxo Magnético 
\u2022 \u3c6 (Wb) é o fluxo magnético 
\u2022 S é uma superfície aberta cujo contorno é C 
 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 5 
Lei de Faraday \u2014 Força Eletromotriz 
( ) ( )
dt
tdte \u3c6\u2212=
\u3bb\u3c0
\u3c6\u3c0
\u22c5\u22c5=
\u22c5\u22c5\u22c5=
f
NfE sef
2
2
\u2022 E (V/m) é a intensidade de campo elétrico 
\u2022 S é uma superfície aberta cujo contorno é C 
força eletromotriz (V) 
\u21d2Em regime permanente 
senoidal: 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 6 
entreferro 
Circuitos Magnéticos 
espraiamento 
entreferro 
linhas de fluxo 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 7 
Exemplo 1.1. O circuito magnético mostrado tem as dimensões 
Ac = 9 cm2, g = 0,5 mm, lc = 30 cm e N = 500 espiras. Em um 
dispositivo real, a permeabilidade do núcleo varia entre 72300\u22c5µ0 
(para Bc = 1,0 T) e 2900\u22c5µ0 (para Bc = 1,8 T), (a) calcule a indutância 
da bobina, considerando o aço nos limites de indução dados; 
(b) determine a energia armazenada no campo magnético em cada 
caso. 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 8 
\u2022 Gráficos de tensão e fluxo magnético no tempo \u2013 regime senoidal 
Regime Permanente Senoidal 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 9 
\u2022 Dada a curva de histerese do material, podemos achar a corrente de 
excitação em regime senoidal 
Regime Permanente Senoidal 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 10 
\u2022 Corrente de excitação obtida \u2013 regime senoidal. 
Regime Permanente Senoidal 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 11 
Exemplo 1.2. O núcleo magnético mostrado é feito de chapas de aço 
elétrico com as características dadas. O enrolamento é excitado com 
uma tensão de 60 Hz, produzindo no aço uma indução dada por 
Bc = 1,5 sen(\u3c9t) (T). O aço ocupa 94% da área da seção reta. 
A densidade do aço é 7,65 g/cm3. Encontre (a) a tensão aplicada; 
(b) a corrente de pico; (c) a corrente eficaz de excitação; e 
(d) as perdas no núcleo (considere uma profundidade de 2 pol). 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 12 
\u2022 Curva de volt-ampères eficazes de excitação. 
\u2022 Curva de perdas no núcleo. 
\u2022 Curva de magnetização. 
Quebrar aula aqui 
Dia-Dia
Rectangle
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 13 
Sistemas de Conversão de Energia 
Princípio da conservação da energia: não se pode criar ou destruir a 
energia, apenas mudá-la de forma. 
Nos sistemas isolados e com fronteiras claramente identificadas, 
pode-se resumir este princípio na frase: 
O fluxo de energia que atravessa as fronteiras de um dado sistema é 
igual à taxa de variação no tempo da energia armazenada no sistema. 
Na prática, os dispositivos apresentam perdas. Desta forma, devemos 
ser capazes de separar estas perdas para realizar a análise através do 
princípio da conservação da energia. 
\u2022 Energia convertida em calor: 
\uf0d8 perdas ôhmicas em condutores 
\uf0d8 atritos das partes mecânicas móveis 
\uf0d8 perdas em materiais magnéticos 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 14 
Sistemas de Conversão de Energia \u2014 Equação I 
Energia 
fornecida por 
fontes elétricas 
Energia 
fornecida 
ao sistema 
mecânico 
Acréscimo 
de energia 
do campo 
magnético 
Energia 
convertida 
em calor 
= + + 
\u2022 Caso de ação motora 
Energia 
fornecida 
por fontes 
mecânicas 
Energia 
fornecida 
ao sistema 
elétrico 
Acréscimo 
de energia 
do campo 
magnético 
Energia 
convertida 
em calor 
= + + 
\u2022 Caso de ação geradora 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 15 
Sistemas de Conversão de Energia 
\u2022 Exemplo de dispositivo de conversão 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 16 
Sistemas de Conversão de Energia 
\u2022 Exemplo de dispositivo de conversão \u2013 isolando possíveis 
mecanismos de perdas 
R1(\u2126): perdas nos enrolamentos; R2(\u2126): perdas no núcleo; 
kv(Nms): coeficiente de atrito viscoso. 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 17 
Sistemas de Conversão de Energia 
\u2022 Representação do dispositivo de conversão (ação motora) 
e (V): força eletromotriz; i (A): corrente de excitação; 
\u3bb (Wb): fluxo concatenado; fm (N): força eletromagnética; 
x (m) deslocamento no espaço. 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 18 
Expressões para o Torque Eletromagnético 
( )
\u3b8
\u3b8\u3c6
d
dR
2
2
\u2212=
( )
\u3b8
\u3b8
d
dPF
2
2
=
( )
\u3b8
\u3b8
d
dLiTm 2
2
=
( )
\u3b8
\u3b8
µ d
VoldB
2
2
\u2212=
( )
\u3b8
\u3b8µ
d
VoldH
2
2\u22c5
=
\u2022 Dispositivos lineares 
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 19 
Sistemas de Conversão com Excitação Múltipla 
\u2022 Representação do dispositivo de conversão (ação motora 
sem saturação) 
( ) ( ) 2121111 iLiL \u22c5\u3b8+\u22c5\u3b8=\u3bb
( ) ( ) 2221122 iLiL \u22c5\u3b8+\u22c5\u3b8=\u3bb
( ) ( ) ( )
\u3b8
\u3b8
+
\u3b8
\u3b8
+
\u3b8
\u3b8
=
d
dLii
d
dLi
d
dLiTm 122122
2
211
2
1
22
( ) ( )[ ]\u3b8=\u3b8 1221 LL
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 20 
Exemplo 1.3. O sistema mostrado tem indutâncias em 
henrys dadas por L11 = (3 + cos2\u3b8)10\u20133; L12 = 0,3 cos\u3b8; e 
L22 = 30 + 10 cos2\u3b8. Determine o torque eletromagnético 
para as correntes i1 = 0,80 A e i2 = 0,01 A. 
( ) ( )\u3b8\u3b8 sensenTm \u22c5\u22c5\u2212\u22c5\u22c5\u2212= \u2212\u2212 33 1040,221064,1
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 21 
4 3 2 1 0 1 2 3 4
0.004
0.003
0.002
0.001
0
0.001
0.002
0.003
0.004
Torque de interação mútua
Torque de relutância
Torque resultante
( ) ( )\u3b8\u3b8 sensenTm \u22c5\u22c5\u2212\u22c5\u22c5\u2212= \u2212\u2212 33 1040,221064,1
1 \u2013 Revisão dos princípios da Conversão Eletromecânica da Energia 22 
Exemplo 1.4. Seja a máquina elétrica elementar de dois pólos e dois 
enrolamentos. Seu eixo está acoplado a uma máquina primária que pode 
absorver ou fornecer torque mecânico. Considere que o enrolamento do 
rotor é excitado com corrente contínua Ir e que o enrolamento de estator é 
conectado a uma fonte CA que pode fornecer ou receber potência elétrica. 
Dada a corrente elétrica de estator is(t) = Is cos(\u3c9et): 
(a) Deduza uma expressão para o torque 
eletromagnético médio desenvolvido pela 
máquina quando a máquina primária aciona 
a uma velocidade constante \u3c9m. 
(b) Encontre a velocidade na qual o torque 
médio é não nulo quando a freqüência de 
estator é 60 Hz. 
Entregar no dia 05/03/2012 
	Conversão Eletromecânica de Energia 2
	Slide Number 2
	Slide Number 3
	Slide Number 4
	Slide Number 5
	Slide Number 6
	Slide Number 7
	Slide Number 8
	Slide Number 9
	Slide Number 10
	Slide Number 11
	Slide Number 12
	Slide Number 13
	Slide Number 14
	Slide Number 15
	Slide Number 16
	Slide Number 17
	Slide Number 18
	Slide Number 19
	Slide Number 20
	Slide Number 21
	Slide Number 22