Livro Estatistica Basica
71 pág.

Livro Estatistica Basica


DisciplinaEstatistica Basica I1.677 materiais18.314 seguidores
Pré-visualização17 páginas
Estácio de Sá 
Disciplina: Probabilidade e Estatística 
Marcelo Abrahão de Mattos 
 
 
 45 
 
 di xi x 
 DM = ----------- = ---------------- 
 n n 
Empregado A 
 di 2 
DM = ----------- = ----- = 0,4 
 n 5 
Empregado B 
 di 42 
DM = ----------- = ----- = 8,4 
 n 5 
 
 
 
Variância amostral (s2) 
 
 É usada quando o estudo é feito por amostragem. 
 
 
 (xi x)2 
s2 = ---------------- 
 n \u2013 1 
 
 
 
 
Variância \u2013 para dados agrupados sem e com classes 
 
Variância populacional: 
 
 (xi x)2 . fi 
2 = --------------------- 
 N 
Variância amostral: 
 
 (xi x)2 . fi 
s2 = --------------------- 
 n \u2013 1 
 
OBS: quando os dados forem uma amostra, usa-se o denominador n \u2013 1 na fórmula da 
variância, pois se obtém uma estimativa melhor do parâmetro da população. Quando a 
amostra for grande (n > 30) não há diferença entre usar n \u2013 1 ou n. 
 
o Desvio-padrão 
 
 É a raiz quadrada da variância. 
 Na fórmula original para o cálculo da variância, observa-se que é uma 
soma de quadrados. Por exemplo, se a unidade original for metro (m) o resultado será 
metro ao quadrado (m2). Para retornar a unidade de medida original, extrai-se a raiz 
quadrada da variância, passando a chamar-se de desvio-padrão. 
 
Desvio-padrão populacional 
 
 = \u221a 2 
 
Desvio-padrão amostral 
 
s = \u221as2 
 
 
 
Universidade Estácio de Sá 
Disciplina: Probabilidade e Estatística 
Marcelo Abrahão de Mattos 
 
 
 46 
12.1.2. Medida de dispersão relativa 
 
o Coeficiente de variação (CV) 
 
É uma medida relativa de dispersão útil para a comparação em termos 
relativos do grau de concentração em torno da média de séries distintas. 
 
População 
 
CV = ------ x 100 
 x 
 
 
ou 
Amostra 
 s 
CV = ------ x 100 
 X 
 
O coeficiente de variação é expresso em porcentagem. 
Duas maneiras de analisar o CV: 
 
Pequena dispersão: CV 10% 
Média dispersão: 10% CV 20% 
Grande dispersão: CV 20% 
Baixa dispersão: CV 15% 
Média dispersão: 15% CV 30% 
Grande dispersão: CV 30% 
 
 
 
Universidade Estácio de Sá 
Disciplina: Probabilidade e Estatística 
Marcelo Abrahão de Mattos 
 
 
 47 
PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA 
CONTAGEM 
 
Uma pessoa mora em Nova Iguaçu e trabalha em Copacabana. Ela vai trabalhar 
todos os dias usando apenas transporte coletivo. Esta pessoa vai Nova Iguaçu ao Centro do 
Rio tomando ônibus, van ou trem. Do Centro do Rio, pode ir a Copacabana de ônibus, van 
ou metrô. Levando em conta apenas estas possibilidades, de quantas maneiras ela poderá ir 
de casa ao trabalho? 
 
 
 
 
Neste caso podemos contar facilmente todas as 9 possibilidades: 
 
{(V,V), (V,O), (V,M), (O,V), (O,O), (O,M), (T,V), (T,O), (T,M)}, 
 
onde usamos uma notação em que, por exemplo, (T, M) indica que ela toma o 
primeiro percurso e, em seguida, o metrô. 
 
Em geral a solução de problemas deste tipo se baseia no princípio multiplicativo, 
também chamado de princípio fundamental da contagem. 
 
Suponha que existam N1 maneiras de se realizar uma tarefa T1 e N2 maneiras de se 
realizar uma tarefa T2. Então há N1 x N2 maneiras de se realizar a tarefa T1 seguida da 
tarefa T2. 
 
Exemplo 1 
 
Na discussão acima, T1 é a tarefa de ir de Nova Iguaçu ao Centro do Rio e N1 = 3 
(há 3 possibilidades de se fazer isto). Da mesma forma, T2 é a tarefa de ir do Centro do 
Rio a Copacabana, e há N2 = 3 possibilidades de se realizar esta tarefa. No total, há: 
 
N1 x N2 = 3 x 3 = 9 possibilidades 
 
Exemplo 2 
 
Universidade Estácio de Sá 
Disciplina: Probabilidade e Estatística 
Marcelo Abrahão de Mattos 
 
 
 48 
Um aluno se prepara para ingressar no ensino superior. Ele pode escolher entre 10 
universidades. Se cada uma delas tiver 15 cursos, quantas possibilidades de cursos há para 
este aluno? 
 
10 x 15 = 150 cursos diferentes 
 
O princípio acima pode ser estendido para a situação em que temos várias tarefas, o 
que é chamado Princípio da Multiplicação Generalizado. 
 
 
 
Se uma tarefa T1 pode ser feita de N1 maneiras, uma tarefa T2 de N2 maneiras, ... , 
uma tarefa Tk de Nk maneiras, então o número de maneiras de realizar T1, T2, ... , Tk, em 
seqüência, é N1 x N2 X ... X Nk. 6 
 
Exemplo 3 
 
Em um jogo de "cara ou coroa", uma moeda é lançada 3 vezes. Qual o número de 
resultados possíveis? 
 
Cada lançamento tem dois resultados possíveis: cara ou coroa, que representaremos 
por C e Cr, respectivamente. 
 
Como foi lançada 3 vezes, há 2 x 2 x 2 = 8 resultados possíveis. Podemos ver os 
resultados possíveis no diagrama: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
No diagrama anterior foi utilizada uma notação por termos ordenados em que, por 
exemplo, (C, Cr, C) indica que os resultados dos 3 lançamentos foram, nesta ordem, cara, 
coroa e cara. 
 
Quantos resultados têm exatamente 2 caras? 
Universidade Estácio de Sá 
Disciplina: Probabilidade e Estatística 
Marcelo Abrahão de Mattos 
 
 
 49 
 
Inspecionando os 8 resultados possíveis, vemos que há 3 resultados com exatamente 
2 caras. 
 
Mas, e no caso de um número maior de lançamentos? Não poderemos, em 
geral, responder a pergunta inspecionando todas os resultados possíveis. 
 
Em qualquer caso, o Princípio Multiplicativo permite dizer quantos resultados 
possíveis há no total. Se uma moeda for lançada N vezes, temos: 
 
2 x 2 x 2 x ... 2 = 2
N
 resultados possíveis. 
 
 
13. Permutações 
 
Para entender o que é permutação, vamos começar com um exemplo. Um pai quer 
tirar uma fotografia de seus 3 filhos, mas não consegue colocar os 3 garotos em ordem: 
todos querem ficar no meio e ninguém quer car nos lados. 
 
O pai poderia obrigá-los à força, mas como é paciente e educador moderno ele 
decide tirar uma foto de cada ordenação possível dos 3 meninos. Quantas fotos o paciente 
pai deverá tirar? 
 
Os garotos se chamam André (A), João (J) e Pedro (P). É fácil lista". todas as 
ordenações possíveis. Elas são as seguintes: 
 
São, portanto, 6 ordenações possíveis. 
 
AJP, APJ, JAP, JPA, PAJ e PJA 
 
Dado um conjunto de objetos distintos, uma permutação do conjunto é uma 
ordenação dos elementos deste conjunto. 
 
No exemplo acima, o conjunto 
 
{A, J, P} 
 
possui 6 permutações, que são as listadas acima. 
 
Uma maneira de calcular quantas são as permutações de um conjunto sem ter que 
listá-las é usar o princípio multiplicativo. 
 
Voltando ao nosso exemplo do pai com paciência de Jó, são 3 posições na foto, as 
quais representamos com 3 traços: 
 
____ ____ ____ 
 
De quantas maneiras podemos preencher a primeira posição? De 3 maneiras, pois 
são 3 crianças. Uma vez escolhido quem fica na primeira posição, temos 2 escolhas 
Universidade Estácio de Sá 
Disciplina: Probabilidade e Estatística 
Marcelo Abrahão de Mattos 
 
 
 50 
possíveis para a segunda posição, pois restaram 2. crianças. Depois disto, resta somente 
uma criança, o que dá apenas 1 escolha para a terceira posição. 
 
Usando o princípio multiplicativo (e a paciência do pai), o número de ordenações 
possíveis é: 
 
3 x 2 x 1 = 6 
 
E se fossem 6 crianças, quantas fotos teriam que
JUNIOR
JUNIOR fez um comentário
Ariosvaldo, eu não consigo baixar o arquivo, você poderia me enviar por email?
0 aprovações
Julio
Julio fez um comentário
bom livro
0 aprovações
Carregar mais