03ESTI_doc01
6 pág.

03ESTI_doc01


DisciplinaEntrega e Suporte em Tecnologia da Informação975 materiais1.964 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Centros de custos Administrativos 
São os setores que executam atividades de caráter gerencial ou 
administrativo da empresa. 
Exemplos: Administração Geral, Administração do Material, 
Expedição, Vendas, Filiais etc. 
Encargos sociais 
Um dos custos mais significativos da empresa são os encargos 
sociais. Para melhor analisá-los poderemos dividi-los em grupos: 
Contribuições obrigatórias 
São os recolhimentos feitos pelo empregador para os cofres de 
instituições públicas, de acordo com taxas preestabelecidas. 
- INSS, SESI, SENAI, INCRA, SEBRAE, Seguro de acidente no 
trabalho, salário maternidade, salário educação etc. ----------- 
27,80% 
- Fundo de garantia por tempo de serviço (FGTS) ---------- 8,00% 
Total -----------------------------------------------------35,80% 
Encargos Anuais 
Neste grupo encontramos todos os proventos que são pagos aos 
empregados somente uma vez por ano. O montante anual deve ser 
distribuído pelos 12 meses. 
Temos então: 
Férias -------------------------------------------------------- 
14,09% 
13º Salário --------------------------------------------------- 
11,31% 
Total --------------------------------------------------------- 
25,40% 
Despesas eventuais 
Incluem-se, neste grupo, vários custos adicionais da mão-de-
obra aleatórios, como por exemplo: Indenização, aviso prévio, 
salário enfermidade, ausências remuneradas (alistamento militar, 
eleitoral, gravidez etc). 
O montante dessas despesas eventuais deverá ser calculado 
percentualmente, tomando-se por base as incidências ocorridas 
 
 
anteriormente. Considerando as despesas eventuais como igual a 
3,80%. 
ENCARGOS SOCIAIS % 
- Contribuições obrigatórias 35,80 
- Encargos anuais 25,40 
- Despesa eventuais 3,80 
- Total dos Encargos Sociais 65,00 
 
Obs.: Convém observar que os percentuais de encargo anuais variam de empresa para empresa e 
que, na prática, cada uma deve determinar o seu percentual de custos com encargos sociais 
incidentes sobre a folha mensal de pagamentos. Para as empresas enquadradas no \u201cSimples\u201d os 
encargos representam 30%. 
 Depreciação 
Por depreciação, devemos entender como sendo o custo 
decorrente do desgaste ou da obsolescência dos ativos imobilizados 
da empresa (máquinas, veículos, móveis, imóveis e instalações). 
Em termos contábeis, o cálculo da depreciação deverá obedecer 
aos critérios governamentais, que estipula os seguintes prazos: 10 
anos para as máquinas, 5 anos para veículos, 10 anos para móveis e 
25 anos para os imóveis (terreno não é depreciável). 
Entretanto, no cálculo da depreciação, o administrador poderá 
estabelecer fórmulas mais adequadas à realidade de sua empresa. 
Assim, um veículo, por exemplo, embora tenha uma vida útil de 5 
anos ou mais, deverá ser depreciado em 5 anos no máximo, pois 
decorrido este prazo, estará completamente obsoleto. 
Uma das fórmulas bastante simples para o cálculo da 
depreciação é a seguinte: 
D = Va \u2013 Vr , onde: 
 Te 
D = Depreciação 
Va = Valor Atual do Ativo Imobilizado 
Vr = Valor Residual (valor que se poderá apurar pela venda do 
ativo após o tempo de vida útil) 
te = Tempo de Vida Útil do Ativo 
 
 
Para calcularmos a depreciação do centro de custo, tomemos o 
valor residual como 40% do valor atual. 
Para ativos com 10 anos e vida útil, calcula-se: 
Va = 21.500 
Vr = 8.600 
te = 10 anos ou 120 meses 
D = 21.500 \u2013 8.600 = 12.900 = R$ 
107,5/mês 
 120 meses 120 meses 
Para ativos com 5 anos de vida útil, calcula-se: 
Va = 1.300 
Vr = 520 
te = 5 anos ou 60 meses 
D = 1.300 - 520 = 780 = R$ 13/mês 
 60 meses 60 meses 
Portanto, o custo total da depreciação mensal a ser apropriada ao 
Centro de Custo Impressão é: $ 107,5 + $ 13 = $ 120,50/mês 
Processo Elaboração do orçamento 
Um orçamento representa o plano de gastos do projeto dividido em fases. O orçamento é o conjunto de 
todos os cursos do projeto, diretos e indiretos, e pode concluir o lucro do projeto. É dividido em fases 
para mostrar o perfil do fluxo de caixa, com ritmos de gastos e por categoria. 
Os orçamentos são as somas de todas as despesas em categorias determinadas. As despesas que 
ultrapassam o orçamento em uma categoria precisam receber autorização da alta administração. 
Os custos são calculados baseados nas atividades identificadas na EAP (Estrutura Analítica do Projeto) 
e transferidos para o cronograma. Isso porque o trabalho para executar as atividades exige recursos de 
pessoal e material. 
O desenvolvimento do orçamento pode ser coerente com o custo. Devem ser tratadas as seguintes 
categorias de custo: 
Custo bruto: Os custos reais de bens e serviços. 
Encargos ou custos indiretos (despesas gerais e administrativas): O percentual do custo bruto que é 
distribuído como sua quota no projeto. 
Custo de encargos: Incluem custos indiretos, como um porcentual do custo bruto. 
Custo total: O custo por categoria no projeto. 
Lucro: Geralmente, um porcentual do custo total do projeto. 
Preço total: O preço do projeto para o cliente, incluindo todos os custos e o lucro. 
 
 
Exemplo de categorias de custo em orçamento em um projeto de software: 
 
Categorias 
 
Custo 
bruto 
Custos de 
encargos ou 
indiretos 
Custos de 
encargos 
 
Custo total 
 
Lucro 
 
Preço total 
Mão de obra 54.090,00 0,87 47.058,30 101.149,17 0,24 125.427,97 
Materiais 2.100,00 0,09 189,00 2.289,09 0,24 2.838,47 
Suprimentos 200,00 0,57 114,00 314,57 0,24 390,07 
Faxina 450,00 0,17 76,50 526,67 0,24 653,07 
Locação computadores 56.840,00 N/A 47.437,80 104.279,80 N/A 129.306,58 
 
Observando a tabela, as diferentes categorias de custo terão diferentes custos de encargos. A mão de 
obra, por exemplo, tem encargos elevados devido aos benefícios adicionais, enquanto os materiais terão 
como encargos apenas os custos de manuseios. 
CUSTOS DE MÃO DE OBRA 
Ref. CLELAND, David. Gerenciamento de projetos. Ed. LTC. 2007 
 Em projetos que envolvam uso intensivo de mão de obra, esse custo pode ser a parte mais expressiva. 
Os custos de mão de obra são calculados com base no número de horas exigido por cada categoria de 
trabalho. 
As empresas têm usado custos médios e custos nominais para estimativa de orçamento, em vez dos 
salários pagos de fato. Isso tem dois propósitos: permite a cobrança para um projeto sem revelar o 
salário real das pessoas, geralmente uma informação confidencial; e é conveniente para calcular os 
custos futuros, baseados em aumentos de salário. 
Algumas categorias de custo de mão de obra para estimativas de orçamento são as seguintes: 
\uf0b7 Taxa de mão de obra efetiva: Valor da remuneração por hora para uma pessoa específica ou 
para uma categoria de trabalho. 
\uf0b7 Taxa de mão de obra com encargos: Valor da remuneração por hora do funcionário, incluindo 
benefícios adicionais e despesas gerais. 
\uf0b7 Taxa média de mão de obra: A média aritmética de remuneração por pessoa ou categoria. 
\uf0b7 Taxa nominal de mão de obra: A taxa enunciada de remuneração por hora, para indivíduos ou 
categorias de trabalho. Essa taxa pode ser ou não uma representação acurada do custo efetivo de 
mão de obra. Pode ou não incluir os encargos para mão de obra. 
É necessário manter coerência, usando-se apenas um tipo de taxa ao longo do projeto. Quando for 
informado o montante de horas de trabalho consumidas durante um período, recomenda-se efetuar os 
cálculos dos custos com a fórmula apropriada. É importante que os custos indicados combinem com os 
custos usados para preparar o orçamento. 
Encargos sociais e trabalhistas 
 
 
Na elaboração do orçamento de um projeto, deve-se levar em consideração os encargos sociais e 
trabalhistas, que correspondem aos gastos além do salário. Trata-se de conquistas asseguradas por lei, 
provenientes de acordo sindical ou negociação com a própria empresa. 
Alguns encargos são pagos em determinadas