LINGUAGEM NA ENTREVISTA DE EMPREGO (1)
6 pág.

LINGUAGEM NA ENTREVISTA DE EMPREGO (1)


DisciplinaLinguagem e Cognição24 materiais342 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Pontifícia Universidade Católica \u2013 RJ 
Disciplina: Linguagem e Cognição 
Professora: Ana Stingel 
Alunos: Caroline Lafraia, Dáfne Mendes, Mariana Preza, 
 Palomar Ghiu e Sandro Araújo 
 
A LINGUAGEM NA ENTREVISTA DE EMPREGO 
 
\uf0b7 A entrevista de emprego 
 
 A entrevista de emprego é um dos primeiros passos para se galgar uma vaga em 
determinada empresa. Para obter sucesso nesse estágio é necessário que o candidato saiba 
se portar, isto é, que demonstre confiança e habilidades para a vaga almejada. Além disso, 
o entrevistado deve se encaixar no perfil da empresa. 
 
\uf0b7 Como ter sucesso numa entrevista de emprego 
 
 O candidato deve se preparar tanto tecnicamente quanto emocionalmente para a 
vaga na qual ele busca se empregar. Algumas dicas para a preparação são: ter o currículo 
atualizado; fazer um planejamento (teste prévio: a imaginação de como pode ser a 
entrevista); confirmar os detalhes da entrevista; conhecer a empresa; usar vestimenta 
adequada; usar corretamente a linguagem verbal (forma coloquial da linguagem, sem usos 
de gírias e se expressando de forma objetiva); assumir os seus pontos negativos de modo 
que sabe que os possui, mas faz por onde melhorá-los; utilizar-se de forma adequada da 
linguagem não verbal (cumprimentar o entrevistador, manter-se calmo na cadeira, olhar 
nos olhos do entrevistador... Mas como se portar não verbalmente irá depender da vaga 
que está buscando). 
 Um tipo de entrevista de emprego é a dinâmica de grupo. Diferente da entrevista 
individual, o candidato, além de seguir todos os passos já citados, tem que saber se portar 
diante de outros com quem está disputando a vaga e deve se mostrar capaz de conviver 
em grupo exaltando suas qualidades. 
 Muitas pessoas relatam ter dificuldades na hora de se portar numa entrevista de 
emprego. Para tentarmos entender melhor o que acontece nesse momento, precisamos 
saber: o que antecede qualquer ação? O pensamento. 
 Na Programação Neurolinguística, estuda-se a estrutura do pensamento. Quando o 
assunto é a procura por um novo trabalho, verifica-se como as pessoas que obtêm ótimos 
resultados em entrevistas fazem para agir de maneira tranquila e, consequentemente, 
como estas acessam todo seu capital intelectual (informação transformada em 
conhecimento que agrega ao já existente) e lidam com imprevistos que possam ocorrer. 
 Por outro lado, observa-se que a principal causa da falta de sucesso nos processos 
seletivos é o ensaio mental com foco num cenário problemático. O entrevistado pensa: 
\u201cserá difícil\u201d. E, assim, o sentimento que se manifesta no corpo é o medo. O ser humano 
tem medo do que é desconhecido e, por não ter referências em sua mente sobre como agir 
em uma determinada situação, esse sentimento se manifesta. A mente não sabe a 
diferença entre realidade e imaginação. O que pensamos se manifesta em nosso corpo. 
 
Algumas dicas de PNL para as pessoas obterem sucesso numa entrevista de emprego 
 Antes da entrevista: 
1- Imagine-se saindo da entrevista de trabalho com sucesso; 
2- Lembre-se de momentos na sua vida nos quais obteve sucesso; 
3- Faça uma pesquisa sobre a empresa e a vaga; 
4- Chegue antes e estude o local. 
Durante: 
1- Utilize posturas semelhantes às do entrevistador, de maneira bem sutil; 
2- Use em suas respostas palavras que o entrevistador utilizou na pergunta; 
3- Fale sempre com foco em soluções; 
4- Relate experiências de sucesso que você já teve. 
No final: 
1- Solicite feedback em relação à entrevista. 
2- Não existe fracasso. Caso não tenha sido aprovado, encare como um feedback que 
pode ser utilizado como processo de aprendizagem. 
 
 \u201cÉ importante sabermos que o entrevistador busca alguém parecido com ele. É um mito 
dizer que os opostos se atraem. Os semelhantes é que se atraem!\u201d (SENNA, Sergio) 
 
\uf0b7 Linguagens Verbal e Não Verbal 
 
 A linguagem verbal deve ser utilizada com a forma culta, isto é, de maneira formal, 
que se pense antes de falar, sem usos de gírias e informalidades usadas no dia a dia. Além 
disso, é importante que o entrevistado se expresse de forma objetiva. 
 Aproximadamente 70% da comunicação humana ocorre em nível inconsciente. 
Pequenos gestos e atitudes corporais podem dar boas dicas sobre você para a pessoa com 
a qual você está conversando. 
A linguagem corporal é um dos principais recursos que os entrevistadores são 
treinados para \u201cler\u201d. Esses aspectos são tão importantes quanto o que você está dizendo. 
Os principais são: braços cruzados, gestos repetitivos (bater as mãos sobre as pernas, 
bater o pé no chão ou então ficar batendo a caneta na mesa), olhar muito para o relógio ou 
para a porta, corpo inclinado em direção a outra pessoa, gestos com as mãos e braços e a 
expressão facial. 
 A linguagem verbal e a não verbal são complementares e os indivíduos devem 
utilizar delas de forma congruente. Se, por exemplo, alguém conta algo alegre, sua 
expressão corporal deve comprovar sua fala. Caso contrário, a pessoa pode estar 
mentindo. 
 As várias dimensões da comunicação não verbal vêm sendo objeto de estudos 
científicos há mais de 100 anos, posicionando o tema como interesses da ciência. A partir 
daí, grande quantidade de trabalhos foi publicada, principalmente nas décadas de 70 a 90. 
 
\uf0b7 Expressões Faciais 
 
 Desde pequenos expressamos emoções e aprendemos a observar a face das 
pessoas e a interpretá-las. Dessa forma, podemos \u201cprever\u201d, com mais precisão, os 
possíveis comportamentos de nossos interlocutores. Qualquer criança com mais de dois 
anos já faz isso e algumas até mesmo antes. 
 Devido à decorrente importância de identificarmos as expressões faciais que podem 
nos ajudar a prever o comportamento das pessoas, ao longo do tempo foram criados 
métodos para descrever a ação facial que identificam a musculatura facial e a possível 
intensidade desses movimentos. Alguns métodos também relacionam os movimentos 
faciais a certas emoções específicas. Entretanto, é um tanto inseguro confiarmos nesses 
métodos, já que cada pessoa pode agir de forma distinta de outra ao realizar a mesma 
expressão facial. 
 
\uf0b7 A \u201clinha de base/baseline\u201d na análise do comportamento não verbal 
 
 Segundo Dr. Ekman, linha de base... 
 
\u201crefere-se ao comportamento habitual de uma pessoa durante circunstâncias 
normais. Mudanças na linha de base sugerem que algo importante está 
ocorrendo: pode ser o estresse de estar sob suspeita ou reações emocionais por 
estar contanto uma mentira. Sem uma linha de base, corremos o risco de 
interpretar erroneamente determinados comportamentos, pois não sabemos se o 
interlocutor age sempre desta forma.\u201d (data , p.?) 
 
 Mônica Portella e Maurício Bastos, em seu artigo \u201cSinais não verbais da Mentira\u201d, 
nos falam que ... 
 
\u201cAntes de suspeitar de dissimulação é importante conhecer o comportamento 
natural da pessoa. Por exemplo, se uma pessoa costuma contar usando todos os 
dedos e, em uma determinada situação, conta apenas com o dedo médio em 
riste, podemos suspeitar que está tentando dissimular a emoção de raiva. Porém, 
se costuma contar utilizando apenas o dedo médio em riste, esse sinal faz parte 
de seu comportamento natural.\u201d (data e p. ?) 
 
 Poderíamos criar dois termos para diferenciar possíveis situações de análises: 
- a Análise do tipo Show de Truman: em geral são análises de figuras públicas, e que 
provavelmente terão diversos vídeos, em várias situações, disponíveis na Internet, por 
exemplo; 
- e a Análise de campo, que geralmente não se terá acesso a vídeos que contenham 
situações diversas do interlocutor. São situações como as entrevistas de empregos ou 
abordagens policiais ainda em campo, por exemplo, onde o responsável pela abordagem 
deve criar inicialmente situações que levem o interrogado a lhe fornecer um padrão de 
comportamento um pouco mais consistente. Neste tipo de abordagem, geralmente são 
feitas perguntas em que já sabemos a resposta, perguntas sobre assuntos confortáveis