Revisão Dermatologia
8 pág.

Revisão Dermatologia


DisciplinaClínica Médico-cirúrgica I68 materiais1.083 seguidores
Pré-visualização5 páginas
ERUPÇÕES ERITÊMATO ESCAMOSAS
Psoríase:
Doença inflamatória e proliferativa, o ciclo de renovação celular ocorre em 3 dias, formando uma crosta de queratina e uma base eritematosa. Não tem causa conhecida, não sendo estritamente familiar e é auto-imune mediada por células T. Tem vários fatores desencadeantes (trauma, hormônios, álcool, psicológicos, infecção, drogas). Tem diferentes formas clínicas, a mais comum é a em placas ou Vulgar, que é em 90% dos casos, acometendo superfícies extensoras e couro cabeludo e tem prurido eventual. Pode aparecer invertida (superfícies flexoras) tendo mais eritema que descamação pela própria maceração do local acometido, pode aparecer tbm na unha. Quando aparece na infância geralmente acomete face, principalmente pálpebras, e aparece em lesão única.
Outras formas são: Gutata: são lesões difusas e pequenas, geralmente precedidas de IVAS por streptococo, a maioria involui em 2 meses, mas ocasionalmente pode evoluir para psoríase em placas; Eritrodérmica: acomete o corpo todo, tem relação com AIDS ou com terapias intempestivas, tem eritema intenso e descamação discreta; Pustulosa: as lesões são pústulas estéreis em vez de descamação, tem febre e leucocitose, se acometer a unha leva a perda da mesma, e se ocorrer nas mãos leva o nome de Acrodermatite contínua de Hallopeau; Artropática, tem cometimento articular, geralmente das articulações interfalangeanas, é mutilante, soronegativa, pode ocorrer em forma de sacroilite e espondilite, e geralmente é precedida de lesão de pele; Palmoplantar
TTO: é importante o apoio emocional e a informação de que é uma doença benigna que tem possibilidade de remissão, que é crônica, mas não é evolutiva, não é contagiosa e que há uma ampla gama de tratamentos. Emolientes e fototerapia é indicado para todos os pacientes. O tratamento tópico pode ser feito com corticóides e queratolíticos, também com imunomoduladores e análogos da vitamina D (calcitriol); O tratamento sistêmico pode ser feito com Metotrexato, principalmente na artropática, Ciclosporina, principalmente na eritrodérmica, retinóides como o Neotigason, que é organizador da replicação celular, e com Biológicos, também pode ser feito a PUVA: psoraleno+fototerapia.
Dermatite Seborreica:
Doença crônica, freqüente e recorrente. Ocorre geralmente na primeira infância por influência dos hormônios maternos sob forma de Crosta Lactea ou de Doença de Leiner (eritrodermia esfoliativa do infante, sintomas associados como febre, vômito, diarréia e anemia), e nos adultos, sendo mais prevalente em homens. Os fatores predisponentes são a presença de Malassezia furfur, drogas, álcool, AIDS, doenças neurológicas, DM, obesidade e deficiência de zinco. É uma doença que ocorre também com hiperproliferação, o ciclo de renovação celular ocorre em 15 a 20 dias, a crosta formada é grachosa, tem base eritematosa, é pruriginosa. Nos adultos ocorre sob forma de caspa no couro cabeludo, pode acometer face, púbis, axilas, região Periauricular e médio torácica. O TTO: no lactente \u2013 lavar o cabelo com xampu de cetoconazol, passar óleo mineral com ácido salicílico, pode ser usado um corticóide fraco em creme; no adulto: xampu de cetoconazol, loções capilares com ou sem ácido salicílico, sabonete com enxofre e ácido salicílico, cetoconazol e hidrocortisona em creme, se houver blefarite, usar pomada oftálmica de hidrocortisona, pode ser usado análogo da vitamina D3 e pimecrolimos e tacrolimus (imunossupressores tópicos). O TTO sistêmico em adultos pode ser feito com antifúngicos, tetraciclina, PUVA, prednisona e isotretinoína.
Ptiríase Rósea de Gibert:
É inflamatória, subaguda, disseminada e progressiva. Ela tem regressão total em 1 a 2 meses espontaneamente, raramente há recidiva. Tem relação com o herpes vírus 7, ocorre mais em outono e verão, entre 20 e 30 anos. Lesões ovaladas em forma de medalhão, em áreas cobertas, tem bordas elevadas com descamação central (descamação em colarete), distribuição em pinheiro de natal, ocorre mais no tronco, raramente em face e mãos, não ocorre no couro cabeludo. O prurido é eventual e discreto. TTO geralmente não é necessário, se houver muita inflamação pode usar um corticóide tópico de acordo com a área e anti-histamínico se houver muito prurido. Fototerapia e uso de emolientes é muito bem indicado.
Parapsoríase:
Não tem prurido ou ele é muito discreto, tem evolução crônica podendo evoluir para micose fungóide ou linfoma maligno cutâneo. O TTO é feito com emolientes e PUVA.
Ptiríase rubra pilar:
Tem história familiar. São placas eritêmato-escamosas com pápulas ceratóticas foliculares. Ocorre no adulto após doença grave. Acomete palmas das mãos.
 ERUPÇÕES ECZEMATOSAS
Prurido é essencial; Pode ser AGUDA (eritema, vesícula e secreção > úmida, exudativa), SUBAGUDA (edema e crostas > seco) ou CRÔNICA (Liquenificação)
Dermatite de Contato
Pode ser por irritante primário (substância que tem potencial de lesar, é um irritante independente da resposta imunológica de qqr um), que é absoluto ou relativo, ou por sensibilização (substância inofensiva, não agride a pele, porém o sistema imune reage contra).
DC por irritante primário NÃO tem mecanismo imunológico envolvido, a reação inflamatória se limita ao local do contato. Pode ser aguda (irritante absoluto), aguda tardia (podofilina) e crônica (sabões)
DC alérgica tem reação imune mediada por células T envolvida na resposta inflamatória, pode ter sensibilização cruzada depois de um tempo.
TTO: afastar-se do agente causal; na dermatite ativa aguda: compressas úmidas, chá de camomila frio, na subaguda: corticóide tópico em creme, e na crônica: corticóide tópico em pomada; após a regressão da lesão pode-se usar um creme de barreira (uréia-10% + silicone2% + creme base q.s.p-Xg)
O corticóide tópico usado depende da potência e do local da dermatite:
	Potência e exemplo:
	Área do corpo a ser aplicada
	I. Hidrocortisona /Berlison®
	Face, áreas de oclusão e região anogenital
	II. Desonida/ Desonol®
	Corpo de pré-escolares e flexuras de adultos
	III.Valerato Betametasona/Betaderm®
Furoato de mometasona/ Topisol®
	Área de pele espessa em crianças e corpo de adultos e couro cabeludo
	IV. Dipropionato de Betametasona/ Diprosone®
	Adultos em lesões espessadas em áreas de pele normal e couro cabeludo
	V. Clobetasol/ Psorex® Clob-X®
	Palmas, Plantas, Cotovelos e Joelhos de adultos
Se for preciso aumentar a potência do corticóide, pode-se usar uma oclusão com plástico ou Drenison oclusivo, ou fazer aplicação intralesional. No TTO sistêmico pode ser usado corticóide, AB e anti histamínico.
Dermatite Atópica
É pruriginosa, crônica ou cronicamente recidivante, tem distribuição flexural, geralmente associada a outras condições de atopia (asma e rinite). É bastante prevalente na infância, começando geralmente antes dos 2 anos de idade, e tem história familiar. Pode reagir anormalmente a inúmeros estímulos (anormalidade imunológica) e há fatores não imunológicos como xerose cutânea, sudorese e alteração vascular. Na DA quase não há sebo nos folículos pilosos, sendo que a pele fica seca e muito permeável deixando o sistema imune hiperativo aos estímulos. Piora no inverno, piora com banhos quentes, piora com excesso de sabão e com roupas que não permitem a transpiração. Pode haver contaminação secundária por S.aureus e molusco contagioso.
Critérios diagnósticos:
	HANIFIN,2001
1. Achados essenciais: prurido e eczemas
2. Achados Importantes: atopia, surgimento precoce e xerose cutânea
3. Achados associados: ceratose pilar, alterações periorbitárias, periorais e perifoliculares, hiperlinearidade palmar e resposta vascular atípica
4. Exclusão de outros diagnósticos: Ictiose/ Escabiose/ Dermatite de contato/ Dermatite Seborreica/ Psoríase
	Critérios do Reino Unido
Dermatite atópica tem 3 ou mais dos seguintes:
1. Início antes de 2 anos de idade
2. Acometimento flexural
3. Pele seca
4. Outras doenças atópicas
5. Dermatite flexural visível ou fotografada
Manifestações clínicas dependem da idade, no lactente há descamação seca e difusa, na fase de 2