Revisão Dermatologia
8 pág.

Revisão Dermatologia

Disciplina:Clínica Médico-cirúrgica I58 materiais1.079 seguidores
Pré-visualização5 páginas
Mucosa
	<10%

	Síndrome de Stevens-Johnson
	Máculas eritêmato purpúricas generalizada, com lesão em alvo atípico plano e pode ter Bolhas. Acomete Mucosa
	<10%

	SSJ/ NET
	São as mesmas lesões anteriores, porém>
	10 a 30%

	Necrólise Epidérmica Tóxica
	Tudo igual, porém não pega mucosa e >
	>30%

	NET sem manchas
	Tem eritema confluente com bolha e acomete mucosa
	>10%

DRESS (Síndrome de hipersensibilidade dos anticonvulsivantes): Ocorre 2 a 6 semanas após o uso, apresenta: febre+reação cutânea+edema facial+Rash morbiliforme +linfadenopatia+linfocitose com evolução para eosinofilia+alteração de enzimas hepáticas. Pode evoluir para hepatite, encefalite, cardite, pneumonite, tireoidite; Ocorre por reação cruzada de fenobarbital, cabamazepina e fenitoína, ou tbm por alopurinol, ouro, dapsona, sulfonamidas, valproato.
TTO: afastar a droga, na DRESS usa corticóide em alta dose e na SSJ no início usa tópico.

EXPOSIÇÃO SOLAR E CA DE PELE
Efeitos do Sol: queimaduras, redução da imunidade local e sistêmica, ca de pele, catarata, reação fototóxica e fotoenvelhecimento (perda de colágeno pela derme com alterações degenerativas no queratinócitos). TODA RUV lesa o DNA celular. No Xeroderma pigmentoso a pessoa perdeu a capacidade de reparar o dano ao DNA.
A queimadura solar, para o MM, é mais perigosa do que a exposição continuada.
Neoplasias cutâneas:
	Queratinócitos
	Carcinoma espinocelular / de células escamosas: CEC

	Células Indiferenciadas
	Carcinoma Basocelular: CBC

	Células do epitélio de ductos mamários
	Doença de Paget, mamária

	Células do epitélio de glândulas apócrinas
	Doença de Paget extra mamária

	Melanócitos
	Melanoma: MM

CEC: pele normal>ceratose actínica>ca in situ> ca invasivo.
Não melanomas: CBC (metástase é rara, mas pode afetar tecidos moles por contigüidade, é mais infiltrativo e destrutivo) e CEC (maior índice de metástases)
Melanoma: acral (mais em membros inferiores, pés, grande incidência em negros,), Lentigo maligno (evolução muito arrastada), de espalhamento Superficial (espalha mais horizonta, tem índice de cura de 95%) e nodular (cresce mais vertical, expansivo). Acral e nodular tem maior índice de metastatização.
Fatores de risco: síndrome do nevo displásico, sardas, queimaduras solares e pele clara.

PIODERMITES
Impetigo:
Infecção superficial da pele, bastante contagiosa, relacionada a má higiene e predomina na infância. Pode ocorrer sobre outras dermatoses sob forma de impetiginação. Pode ser bolhoso ou não-bolhoso.
Não Bolhoso: é menos comum, evolui de máculas eritematosas para vésico-pápulas para bolhas que rompem têm dessecamento e formam crostas melisséricas. São lesões “em queimadura de cigarro” com lesões satélite e adenopatia. Tem risco de disseminação para sistema respiratório e de formação de glomerulonefrite. Ocorre geralmente na face, perinasal e perioral.
Bolhoso: tem colonização nasal por S.aureus, as lesões são vésico-bolhas flácidas que podem erodir e ulcerar. É mais duradouro que o não bolhoso.
A disseminação é cutânea não é hematogênica. NÃO deixa cicatriz. O diagnóstico diferencial deve ser feito com herpes simples e tinhas. Ao fazer o diagnóstico deve-se pensar em dermatoses associadas que estão impetiginizadas, ou seja, tratar e ver se há algo além do impetigo. O diagnóstico é clínico e por exame bacterioscópico e cultura. O TTO pode ser com AB tópico: Mupirocina (Bactroban®) ou Retapamulina (Altargo®), aplicado 2X/dia até cura, ou pode ser com AB sistêmico: Amoxicilina 500mg 8/8hrs ou 874mg 12/12hrs por 7 a 10 dias, ou Cefalexina 500 mg 6/6 hrs, ou Cefadroxil 500mg 12/12 hrs pelo mesmo período de tempo.
Ectima:
“Impetigão”. Vesícula ou vésico-pústula profunda que pode ulcerar ao romper e formar crosta seca e aderente. Deixa cicatriz após cura. Há piora se houver má higiene e com a coceira. Ocorre mais em crianças em membros inferiores, pode coexistir com o impetigo. Há risco de desenvolver glomerulonefrite. TTO é semelhante ao do impetigo.
Erisipela:
É por Streptococo, afeta a DERME. Tem edema, eritema e calor. É uma placa bem delimitada, infiltrativa com bordos elevados, é dolorosa e cursa com FEBRE e adenopatia. A entrada se dá por solução de contigüidade, geralmente por intertrigo micótico. Ocorre mais em membros inferiores e face. Tem evolução rápida e pode ter púrpura central.
Celulite:
Afeta TSC, tem evolução mais lenta que a erisipela e é mais dolorosa. A lesão não é elevada, não tem bordas delimitadas, pode ter abscesso e necrose. Está relacionada à tromboflebite em idosos, o diagnóstico diferencial deve ser feito com TVP. TTO é repouso, AB (mesmos do impetigo), cuidados gerais e hospitalização (para erisipela é o mesmo).
Periporite:
Causada por Staphylo em RN. As lesões são abscessos múltiplos que afetam glândulas sudoríparas formando nódulos eritematosos múltiplos em couro cabeludo e glúteos, e podem drenar pus.
Foliculite:
Pode ser superficial (mais comum, pústula que forma crosta ao romper) ou profunda (Sicose da barba- placa vegetante que pega todo o folículo piloso e cronifica; Hordéolo - folículo dos cílios). Reconhecer uma pseudofoliculite, geralmente acomete barba e virilha com reação de corpo estranho ao próprio pêlo cursando com infecção secundária. A depilação deve ser evitada ou o pêlo amolecido antes da mesma. TTO pode ser com AB tópico (Mupirocina ou Retapamulina) ou sistêmico em casos mais graves.
Furúnculo e Antraz:
Inicia com foliculite superficial, pega folículo e glândula sebácea evoluindo para nódulo eritematoso e doloroso flutuante que pode ter eliminação do material necrótico central. Destrói anexos e forma cicatriz, ocorre em áreas de atrito e suor. TTO é feito com drenagem e AB.
Hidrosadenite:
Infecção das glândula apócrinas, que forma a chamada “acne invertida”. Tem pápula e nódulo doloroso. TTO: evitar traumas, AB oral, isotretinoína, corticóide tópico ou sistêmico.
Eritrasma:
Macha marrom ou acastanhada bem delimitada em região intertriginosa, acomete geralmente região inguinal e axilas concomitantes, não havendo sinais sistêmicos. O diagnóstico é feito com Luz de Wood e gram, o agente causal é o Corynebacterium. TTO: eritromicina ou clindamicina em gel 1x/dia por 30 dias, e usar talcos.
Queratólise Plantar Sulcada:
Causada pelo Streptomyces e Corynebacterium. Há hiperidrose e é muito contagiosa. O TTO é o mesmo do eritrasma.
SSSS:
Causada pela exotoxina do S.aureus. Cursa com exantema morbiliforme, pode ter otite, conjuntivite, faringite e bacteremia. Na pele há o sinal de Nicolski.

MICOSES PROFUNDAS
	Cromomicose:
Causada por fungos demáceos presentes no solo e em restos vegetais. Acomete mais homens, agricultores entre 20 e 60 anos, e em membros inferiores. A transmissão não é de pessoa-pessoa, pode haver auto inoculação e disseminação linfática. É comum a presença de infecção secundária e linfedema. A lesão inicial é um nódulo no local de inoculação que evolui com aparecimento de outros nódulos durante meses ou anos. Posteriormente há expansão para placas verrucosas entremeadas de pele normal. A superfície verrucosa pode ter pústulas, pontos negros, ulceração, material hemopurulento e tecido de granulação friável, sangrando com facilidade.
Diagnóstico é feito por AP, Micológico direto e cultura.
TTO: itraconazol 400mg/dia por pelo menos 1 ano, só pára após cura clínica. Se a lesão for pequena, inicial, pode ser feito eletrocauterização, crioterapia, exérese e termoterapia.
	Esporotricose:
Causada pelo Sporothrix schenkii por inoculação direta na pele ou mucosa através de espinhos, madeira arranhadura de gato ou tatu contaminados. As formas clínicas são Cutânea (linfática, local e disseminada) ou Extra-Cutânea. O período de incubação é de +-3 semanas após a inoculação. As lesões são relativamente assintomáticas, com dor leve e ausência de febre.
Cutânea local: pápula subcutânea que pode evoluir para pústula ou nódulo depois de semanas, a pele perilesional pode ficar vermelha ou roxa. Úlcera indolor e endurecida pode ocorrer, resultando no cancro esporotrítico. A lesão pode ficar com verrugas ou ulcerar.
Cutânea