Topografia  UTM
55 pág.

Topografia UTM


DisciplinaTopografia I8.633 materiais180.382 seguidores
Pré-visualização3 páginas
no fuso 180° W Gr., recebe o número 1 e 
assim consecutivamente no sentido leste 
até o fuso 60.
7 7 \u2013\u2013 ProjeProjeçção UTMão UTM
O Fuso UTM
7 7 \u2013\u2013 ProjeProjeçção UTMão UTM
\u2022 Propostos pela Conferência das Nações Unidas sobre este 
assunto, realizada em Bonn, 1962
\u2022 Cartas em escala 1:1.000.000, que representam porções da 
superfície da Terra
\u2022 Dimensões de 4o de latitude por 6o de longitude. 
\u2022 60 fusos de 6o, numerados de 1 a 30 à oeste de Greenwich 
e de 31 a 60 à leste deste. 
Para Leste:Para Oeste:
[ ]ppf \u3bb61int30+=[ ]ppf \u3bb61int30\u2212=
7 7 \u2013\u2013 ProjeProjeçção UTMão UTM
Numeração de Zonas UTM no Brasil
Diversos países, entre eles 
o Brasil, utilizam 
amplamente o sistema 
UTM na construção de 
cartas básicas. O uso da 
UTM é normalizado para 
mapas nas escalas entre 
1:1.000.000 e 1:10.000.
7 7 \u2013\u2013 ProjeProjeçção UTMão UTM
O Meridiano Central
O meridiano central ou de tangência do cilindro 
divide o fuso em duas partes iguais de 3° de 
amplitude; é o meridiano intermediário aos dois 
meridianos secantes ao cilindro. 
No meridiano central, o fator de redução de 
escala (ko) é de 0,9996 originado pela 
particularidade da secância do cilindro e 
elipsóide.
A partir do meridiano central, o fator cresce 
para leste e oeste até atingir o valor 1 nas linhas 
de secância (aproximadamente 1°37' a partir do 
meridiano central) e continua a crescer até
atingir 1,0010 nas bordas do fuso (3° do 
meridiano central). Nos meridianos secantes, a 
distorção é nula e esta linha meridiana é
chamada de Linha de Distorção Zero (LDZ).
7 7 \u2013\u2013 ProjeProjeçção UTMão UTM
Coordenadas UTM
As coordenadas UTM são expressas em metros. 
ƒ O eixo E (Easting) representa a coordenada no 
sentido leste-oeste.
ƒ O eixo N (Northing) representa a coordenada no 
sentido norte-sul.
Para evitar valores de coordenadas negativas, é
atribuído o valor 500.000 m ao meridiano central. 
Assim, para os 6° de amplitude do fuso, o eixo E 
varia de aproxidamente 160.000 m até 840.000 m
para cada fuso.
Para o eixo N, a referência é o equador e o valor 
atribuído depende de hemisfério. Quando tratamos 
de regiões no hemisfério norte, o equador tem um 
valor de N igual a 0 m. No hemisfério sul, o equador 
tem um valor N igual a 10.000.000 m.
7 7 \u2013\u2013 ProjeProjeçção UTMão UTM
Grandes problemas de ajustes podem vir a ocorrer em 
trabalhos que utilizem cartas adjacentes ou fronteiriças, ou 
seja, cartas consecutivas com MC diferentes. Assim, uma 
estrada situada em um determinado local numa carta, pode 
aparecer bastante deslocada na folha adjacente. 
Deve-se tomar bastante cuidado quando os dados 
ultrapassarem a amplitude do fuso ou quando parte da área
em estudo está contida em dois fusos. Nestes casos, são 
necessárias correções para que as distâncias e as relações 
angulares correspondam à realidade.
Problemas com a UTM
7 7 \u2013\u2013 ProjeProjeçção UTMão UTM
A distribuição geográfica das folhas ao Milionésimo foi obtida com a divisão do 
planeta em 60 fusos de amplitude 6°, numerados a partir do fuso 180° W no 
sentido Oeste-Leste. 
Cada um dos fusos por sua vez estão divididos a partir da linha do Equador em 
21 zonas de 4° de amplitude para o Norte e com o mesmo número para o Sul. 
A divisão em fusos é a mesma adotada nas especificações do sistema UTM. Na 
verdade o estabelecimento daquelas especificações é pautado nas características 
da CIM. 
Carta Internacional do Mundo ao Milionésimo \u2013 CIM 
(1/1.000.000)
O Território Brasileiro é
coberto por 08 (oito) fusos.
Os fusos da CIM são 
numerados de 1 a 60, a partir 
do antimeridiano de 
Greenwich e o valor da 
longitude do Meridiano 
Central (MC) de cada fuso (f) 
é dado por:
ofMf 183.6 \u2212=
8 8 \u2013\u2013 ArticulaArticulaçção das Folhas CIMão das Folhas CIM
Codificação das Folhas CIM
Hemisfério
Norte (N)
Zona
Sul (S)
Latitude 
de 4o a 80o 
(A a T)
Latitude 
de 4o a 80o 
(A a T)
Fuso
1 a 30 para 
Oeste
31 a 60 
para Leste
Escala Arco abrangido Exemplo denomenclatura
1:1.000.000 6° \u3bb x 4° \u3d5 SH.22
1:500.000 3° \u3bb x 2° \u3d5 SH.22-Z
1:250.000 1° 30\u2019 \u3bb x 1° \u3d5 SH.22-Z-A
1:100.000 30\u2019 \u3bb x 30\u2019 \u3d5 SH.22-Z-A-I
1:50.000 15\u2019 \u3bb x 15\u2019 \u3d5 SH.22-Z-A-I-3
1:25.000 37\u2019 30\u201d \u3bb x 7\u2019 30\u201d \u3d5 SH.22-Z-A-I-3-NO
8 8 \u2013\u2013 ArticulaArticulaçção das Folhas CIMão das Folhas CIM
8 8 \u2013\u2013 ArticulaArticulaçção das Folhas CIMão das Folhas CIM
Figura 9: Exemplo de Articulação pela CIM
SF-24
20o
36o42o
V X
Y Z
300
2o
3o
A B
C D
I III
IV VI
II
V
1o
1o30\u2019
1:500.000
1:250.000
1:100.000
1:1.000.000
8 8 \u2013\u2013 ArticulaArticulaçção das Folhas CIMão das Folhas CIM
SF-24
20o
36o42o
V X
Y Z
300
1:1.000.000
V
2o
3o
A B
C D
1: 500.000
I
30\u201942o
1 2
3 4
3
42o
NE
SO SE
1: 50.000 1:100.000
1: 250.000
I III
IV VI
II
V
1o
1o30
\u2019
B
NO
1: 25.000
B
F
A
E
DC NE
30\u2019
15\u20197,30\u2019
7,30\u2019
8 8 \u2013\u2013 ArticulaArticulaçção das Folhas CIMão das Folhas CIM
C
I II
III IV
1:10.000 1: 5.000
1: 25.000
B
F
A
E
DC NE
1 3
4 6
2
5
1o
1o30\u2019
II
2 37,5\u201d
1: 2.000
37,5\u201d
2´30\u201d
3´45\u201d
2\u201930\u201d
2\u201930\u201d
1\u201915\u201d
1\u201952.5\u201d
8 8 \u2013\u2013 ArticulaArticulaçção das Folhas CIMão das Folhas CIM