Apostila UNIJUÍ - Custos e formação do preço de venda
106 pág.

Apostila UNIJUÍ - Custos e formação do preço de venda

Disciplina:Contabilidade de Custos7.696 materiais353.063 seguidores
Pré-visualização21 páginas
de produção conforme o critério de

número de requisições solicitadas pelos departamentos produtivos. Os custos do departa-

mento de administração podem ser rateados aos departamentos de produção conforme o

tempo despendido no gerenciamento de cada departamento produtivo, ou conforme o

número de colaboradores;

• Sexta: portanto, agora quem tem custos são somente os departamentos de produção, e

para distribuir os custos indiretos de cada departamento de produção aos seus produtos

é necessário definir mais um critério de rateio, o qual pode ser pelo numero de unidades

produzidas, pelo tempo total de produção, pela matéria-prima, pela mão-de-obra, ou seja,

cada empresa vai definir o critério mais adequado ao seu tipo de produto e processo de

produção;

• Sétima: juntar ao custo indireto de cada produto, os custos diretos de matéria-prima,

mão-de-obra e embalagem para formar o custo total de produção;

49

C USTOS E FORMA ÇÃO DO PREÇO DE VENDA

• Oitava: baseado no custo total de produção você pode montar

o preço de venda orientativo; mas é preciso verificar também

o preço de mercado, o preço praticado pela concorrência, e

avaliar a composição do custo, do volume e do lucro desejado

e se é factível a sua aplicação.

Quadro 7: Mapa de Localizaçao de Custos – MLC

Portanto, com a utilização do mapa de localização de cus-

tos, podemos apurar o custo indireto de cada departamento e

posteriormente de cada produto, adicionando os demais custos

diretos, tais como: matéria-pr ima, mão-de-obra, embalagens e

outros que possam ter naquele produto. Assim encontraremos o

custo total. Este custo pode ser utilizado tanto para a formação

do preço de venda, como também, para avaliação do custo de

fabricação de seus produtos.

Na seqüência, apresentamos alguns exemplos de base de

rateio para os gastos gerais, também chamados de custos indire-

tos de produção.

Preço de venda or ientativo

É o preço de venda ideal,
aquele que cobriria seus
custos tota is, paga todas as
despesas com vendas e gera a
margem de lucro desejada.

C USTOS E FORMA ÇÃO DO PREÇO DE VENDA

50

Seção 3.5

Bases para Rateio dos Gastos Gerais
e/ou Custos Indiretos de Produção

Os gastos gerais de comercialização são todas as despesas ocorridas decorrentes da

produção, exceto o material e mão-de-obra. São classificados em diretos, indiretos, fixos e

variáveis. Segundo Schier (2006), “a apropriação do custo exige a determinação dos gastos

em períodos mensais, para sua inclusão entre os elementos de custo do mês corresponden-

te”. Os gastos gerais serão rateados pelas seções produtivas com base em critérios diferen-

tes, de acordo com a natureza de cada gasto e sua forma de incidência na produção.

Seguem alguns exemplos dos gastos mais comuns e seus respectivos rateios:

a) Combustíveis e lubrificantes: pode ser rateado de acordo com o consumo de cada seção

produtiva, fator conhecido pela análise das requisições.

b) Energia elétrica: pode ser rateado com base em medidor instalado em cada unidade

produtiva ou por meio do metro quadrado que nem sempre retrata o correto.

c) Aluguel e IPTU: pode ser feita pelo metro quadrado na área de ocupação.

d) Amortização e depreciação: do imobi lizado da área produtiva em relação à

proporcionalidade percentual do ativo imobilizado num todo.

e) Material de limpeza e outros de consumo: pode ser atribuído a cada unidade de acordo

com as requisições ao almoxarifado.

f) Mão-de-obra de terceiros: pode ser rateado de acordo com as ordens de serviço por elas

emitidas.

g) Despesas com conservação e reforma: podem ser rateados de acordo com a metragem

ocupada por cada uma das seções beneficiadas com a despesa.

h) Limpeza e conservação: podem ser rateados pelo número de funcionários ou área ocu-

pada de cada unidade produtiva.

51

C USTOS E FORMA ÇÃO DO PREÇO DE VENDA

Na Figura 9 você pode observar o esquema básico da Contabilidade de Custos.

Figura 9: Esquema básico de Contabilidade de Custos

Fonte: Perez, Jr.; Oliveira; Costa (1999).

Nesta Figura 9, você pode observar todas as etapas para a elaboração do mapa de

localização de custos. Inicialmente você verifica que todos os gastos da empresa são classi-

ficados em custos e despesas. Portanto, tudo o que é destinado à produção, é classificado

como custo, e o que é destinado à comercialização – aqueles gastos que ocorrem após o

produto estar acabado – é classificado como despesa.

 GGAASSTTOO

Consumo de bens e serviços

Custos Despesas

Gastos incorridos na produção de
novos bens ou serviços

Gastos incorridos no processo de
geração de receitas

Fixos Variáveis Fixas Variáveis

Total
constante em

relação ao
volume

produzido

Total varia em
relação ao

volume
produzido

Total
constante em

relação ao
volume de

receitas

Total varia em
relação ao
volume de
receitas

Aluguel,
depreciação

Material direto Despesas
administrativas

Comissões
sobre vendas

Indiretos Diretos Indiretas Diretas

Apropriados
de forma

subjetiva por
critérios

Apropriados
de forma

objetiva por
meio de
controles

Apropriados
de forma

subjetiva por
critérios de

rateio

Apropriados
de forma

objetiva por
meio de
controles

C USTOS E FORMA ÇÃO DO PREÇO DE VENDA

52

Após essa etapa, os custos são subclassificados em fixos ou variáveis, diretos ou indi-

retos. Essa classificação é muito importante para a elaboração do custo total de produção,

porque existem diferentes métodos para apurar o custo total; um deles é chamado custeio

por absorção, e outro custeio direto ou variável. Estes métodos serão trabalhados especifica-

mente no capítulo IV.

Portanto, os custos diretos vão ser transportados para a conta do produto, porque

você o identifica com o que consumiu, e os custos indiretos vão para o mapa de localização

dos custos indiretos, que passam pelas etapas já relacionadas anteriormente. Depois disso,

o custo indireto está separado por produto, que somado com os custos diretos, formarão o

custo total do produto.

53

C USTOS E FORMA ÇÃO DO PREÇO DE VENDA

Unidade 4Unidade 4Unidade 4Unidade 4

SISTEMAS E MÉTODOS DE CUSTEIO

Neste capítulo você vai aprender sobre os sistemas e métodos de custeio. Os sistemas

de custeio, ou sistemas de acumulação de custos, representam os tipos de processo de pro-

dução. São três os sistemas clássicos de custeio que você estudará neste capítulo: por ordem

(quando o cliente determina como será elaborado o produto conforme suas necessidades),

por processo (onde o produto é elaborado com base nas demandas do mercado, colocado à

disposição do cliente de forma padronizada), e de produção conjunta (quando a partir de

uma mesma matéria-prima se elabora diferentes produtos). Quanto aos métodos de custeio,

ou métodos de custeamento, estudaremos duas opções: a) métodos de custeio por absorção

(utilizado para integração custos com contabilidade; b) método de custeio direto e variável

(utilizado para a gestão).

Seção 4.1

Sistemas de Custeio

Os sistemas de custeio podem também ser denominados sistema de acumulação de

custos, ou sistemas de custeamento, ou simplesmente sistema de acumulação. Conforme

Padoveze (2003), “compreendem os instrumentos, critérios e sistemas para registro, guarda

e acumulação das informações dentro de um ordenamento lógico e coerente nos produtos e

sistemas produtivos das empresas”. A escolha do sistema de custeio a ser adotado pela em-

presa baseia-se, portanto, no seu sistema produtivo. E só depois a empresa deverá escolher o

método de custeio.

C USTOS E FORMA ÇÃO DO PREÇO DE VENDA

54

4.1.1 – SISTEMA DE ACUMULAÇÃO POR PROCESSO

O setor produtivo, também chamado de indústria, fábrica,

células
Carregar mais