Apostila UNIJUÍ - Custos e formação do preço de venda
106 pág.

Apostila UNIJUÍ - Custos e formação do preço de venda

Disciplina:Contabilidade de Custos7.696 materiais353.063 seguidores
Pré-visualização21 páginas
por finalidade cobrir os

fatores, como tributação sobre vendas (ICMS, IPI, PIS, Cofins ou Simples), percentuais

incidentes sobre o preço de venda (comissões sobre vendas, franquias, comissão da adminis-

tradora do cartão de crédito, etc.), despesas administrativas fixas, despesas de vendas fixas,

custos indiretos de produção fixos e margem de lucro.

No comércio (principalmente) é comum a utilização de margens de lucro mais baixas

em determinados produtos que servem como “atração” aos consumidores. Por exemplo: os

supermercados anunciam determinado produto (carne) por um preço baixo. Têm intenção

de que os clientes venham comprar o produto e levem junto outras mercadorias (cervejas,

condimentos, legumes, arroz, etc) comercializadas com margens de lucro maior. Assim, com-

pensam a pequena margem numa mercadoria com margens maiores em outras.

Quanto à elaboração existem duas formas de utilização do mark-up: divisor ou multiplicador.

Independentemente de qual modo é utilizado, o valor do preço de venda será igual.

C USTOS E FORMA ÇÃO DO PREÇO DE VENDA

96

7.2.3.1 – Obtenção do mark-up divisor

Para obtenção do mark-up divisor, é necessário que sejam observadas as fases a seguir

relacionadas:

a) Listar todas as Despesas Variáveis de Venda (DVVs):

– ICMS s/vendas 17%;

– Comissões s/vendas 3%;

– Lucro desejado 5%.

b) Somar as DVVs: (17% + 3% + 5% = 25%);

c) Dividir a soma das DVVs por 100 (para achar a forma unitária): (25% : 100 = 0,25);

d) O quociente da divisão deve ser subtraído de “1”: (1 – 0,2500 = 0,7500);

e) Dividi r o Custo de Compra pelo mark-up divisor.

Exemplo: se o custo unitário da mercadoria é de R$ 500,00, o preço de venda à vista

seria então de R$ 666,67 (pois R$ 500,00/0,7500 = R$ 666,67). A exatidão do cálculo pode

ser verificada pela demonstração a seguir:

(+) Preço de venda orientativo ($)............................................... = 666,67

(-) Percentuais utilizados (17% + 5% + 3% = 25%).................... = (166,67)

(=) Custo da mercadoria ($)........................................................ .= 500,00

Segundo Wernke, caso o lojista deseje incluir um percentual relativo às despesas men-

sais (todas as despesas, exceto os custos de compra e os fatores já considerados na taxa de

marcação) no mark-up, o caminho que pode ser seguido passa pela obtenção do valor total

dos custos indiretos mensais e o respectivo faturamento mensal. Sugere-se o uso de médias

para eliminar fatores sazonais, muito comuns no segmento varejista.

97

C USTOS E FORMA ÇÃO DO PREÇO DE VENDA

Exemplo: como obter o percentual das despesas a ser incluídas na taxa de marcação,

considerando que o valor das despesas médias mensais seja de R$ 8.000,00 para um

faturamento de R$ 120.000,00.

– Valor total das despesas mensais = 8.000,00

– (/) Valor faturamento médio mensal = 120.000,00

– (=) Quociente = 0,066667

– (x 100) = Percentual de custos indiretos para o MKM = 6,6667

Com esse procedimento, as despesas mensais são distribuídas aos produtos de acordo

com o preço de venda (faturamento), cabível somente nos casos em que as despesas sejam

pouco relevantes para que não haja distorções significativas.

Seção 7.3

Relatórios Gerenciais para Empresas Comerciais

As dificuldades que as empresas estão atravessando para se adaptarem ao novo perfil

competitivo têm levado seus administradores a buscarem novas ferramentas gerenciais, e se-

gundo Santos (2000), Wernke (2001) e Wernke (2005), a contabilidade como linguagem de

negócios tem se sobressaído entre as ferramentas da administração, fornecendo subsídios po-

derosos por meio de gerenciamento das margens de contribuição das mercadorias vendidas.

7.3.1 – RELATÓRIOS DE CONTROLE DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO

Para determinação do valor da margem de contribuição, dois elementos são funda-

mentais: as Despesas variáveis e os Custos variáveis.

C USTOS E FORMA ÇÃO DO PREÇO DE VENDA

98

É sabido que as despesas variáveis são aquelas que incidem diretamente sobre o preço

de venda, portanto, só ocorrem quando a venda é realizada. Por exemplo, Comissões devi-

das a vendedores e os impostos incidentes sobre a venda. O Custo variável é o valor do preço

de custo da mercadoria adquirida para revenda. No comércio, o custo variável refere-se

somente ao custo da mercadoria que será vendida.

Para apurar a margem de contribuição, aplica-se a seguinte fórmula:

Wernke (2005) propõe a adoção de relatórios gerenciais de controle da margem de

contribuição, que podem ser elaborados pelo tipo de mercadoria ou linha de mercadoria, por

setor ou departamento. Veja um exemplo no Quadro12.

Quadro 12: Controle da Margem de Contribuição

Fonte: Wernke (2005).

MCu = PVu – (CVu + DVu)

Empresa:

Mercadorias Feijão Arroz
Preço unitário

Custo Unitário

Comissão s/venda unitária

Tributos s/venda unitária

Margem de Contribuição unitária

Margem de Contribuição percentual

Quantidades vendidas

Margem de Contribuição Total

99

C USTOS E FORMA ÇÃO DO PREÇO DE VENDA

7.3.2 – AS VANTAGENS DO CÁLCULO DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO

Segundo Assef (1997), a margem de contribuição indica de maneira imediata qual é a

contribuição direta de cada mercadoria vendida aos resultados finais da empresa. Permite a

identificação das mercadorias mais ou menos lucrativas, sem a utilização de cri térios de

rateio totalmente discutíveis.

Nesta linha, Santos (2000) descreve as vantagens de conhecer os índices e o valor da

margem de contribuição, adaptadas ao comércio varejista, da seguinte forma:

a) os índices de margem de contribuição ajudam a administração a decidir quais mercado-

rias devem merecer maior esforço de venda, serem colocadas em planos secundários, ou

serem toleradas por trazerem benefícios para vendas de outras mercadorias;

b) as margens de contribuição são essenciais para auxiliar os gestores a decidirem se um

segmento de comercialização deve ou não ser abandonado;

c) podem ser usadas para avaliar alternativas relacionadas às reduções de preços, descontos

especiais, campanhas publicitárias e uso de premiações para o aumento do volume de

venda. Normalmente, quanto maior for o índice de margem de contribuição, melhor será

a oportunidade de promover vendas; quanto mais baixo o índice, maior será o aumento

do volume de vendas necessário para recuperar os compromissos de promover vendas

adicionais;

d) quando se chega à conclusão quanto aos lucros desejados, pode-se avaliar prontamente

o seu realismo pelo cálculo do número de unidades a vender para conseguir os lucros

desejados. O cálculo é facilmente feito, dividindo-se os custos fixos mais o lucro desejado

pela margem de contribuição unitária;

e) muitas vezes é necessário decidir sobre como utilizar determinado grupo de recursos (exem-

plo: equipamentos ou insumos) de maneira mais lucrativa. A abordagem da margem de

contribuição fornece dados necessários a uma decisão apropriada, porque essa decisão é

determinada pelo produto que der a maior contribuição total aos lucros;

f) a margem de contribuição auxilia os gerentes a entenderem a relação entre custos, volu-

me, preços e lucros, levando a decisões mais sábias sobre preços.

C USTOS E FORMA ÇÃO DO PREÇO DE VENDA

100

7.3.3 – OUTRAS INFORMAÇÕES PARA PROJEÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A projeção do preço de venda de um produto compreende a análise e o estudo de uma

estrutura de informações básicas, desenvolvidas de forma organizada, a partir das áreas

responsáveis. Dentre os pontos de análise, com base em Sartori (2004), Bruni e Famá (2004),

Wernke (2001 e 2005) e Coelho (2007), destacamos os seguintes exemplos:

I. Análise de aspectos da alta administração

a) Análise dos aspectos de caráter global para uma perfeita definição das
Carregar mais