13 - itens 7.1 a 7.5

13 - itens 7.1 a 7.5


DisciplinaContabilidade Social e Balanço de Pagamentos145 materiais1.375 seguidores
Pré-visualização2 páginas
no cálculo do IDH
Em 1997, o cálculo do IDH passou por uma mudança metodológica que fez com que o Brasil, que até então estava no grupo de países de alto desenvolvimento humano (IDH de 0,826) , passasse a integrar o grupo dos países de médio desenvolvimento humano. A partir de 2007, o crescimento do IDH brasileiro fez com que o país retornasse ao grupo anterior.
Essa mudança relacionou-se à forma como o indicador de renda entra no cálculo. Permaneceu o princípio de que a renda vai perdendo importância à medida que cresce, mas essa redução passa a acontecer de modo contínuo e não discreto como na forma anterior. 
Índice do PIBpc = log do PIBpc \u2013 log 100 . 
 log 40.000 \u2013 log 100 
*
*
Países com melhores e piores níveis de IDH PNUD 2007/2008
*
*
Evolução do IDH no Brasil
*
*
Índices de Pobreza Humana
Além do IDH, o PNUD calcula também o índice de pobreza humana (IPH), que é uma espécie de reverso da medalha do primeiro índice. 
Se o IDH mensura os progressos em termos de desenvolvimento humano, o IPH mensura o que ainda permanece de degradação e pobreza humana em cada país.
Um país pode ter um IDH relativamente alto, significando que na média sua população desfruta de boas condições de vida em comparação a outros países, mas abrigar bolsões de pobreza, com parcelas da população não tendo acesso a essas condições 
Por isso, a verificação do IPH permite qualificar os resultados apresentados pelo IDH. 
 O IPH é calculado de duas formas distintas, uma para o grupo dos países e áreas considerados \u201cem vias de desenvolvimento\u201d (IPH-1) e outra para os países da OCDE, Europa ocidental e oriental e CEI (Comunidade de Estados Independentes), (IPH-2) 
*
*
Cálculo dos Índices de Pobreza Humana
IPH-1 = [1/3(P1\uf061 + P2\uf061 + P3\uf061)]1/\uf061 onde,
P1 = probabilidade no nascimento de não viver até os 40 anos;
P2 = taxa de analfabetismo de adultos; e
P3 = média não ponderada da população sem acesso sustentável a uma fonte de água melhorada e das crianças com baixo peso para a idade
\uf061 = fator de potenciação utilizado para que o fator mais negativo tenha maior peso na composição do índice
IPH-2 = [1/4(P1\uf061 + P2\uf061 + P3\uf061 + P4\uf061)]1/\uf061 onde,
P1 = probabilidade no nascimento de não viver até os 60 anos;
P2 = adultos funcionalmente analfabetos; 
P3 = % da população abaixo do limiar de pobreza por falta de rendimento; e
P4 = Taxa de desemprego de longa duração (12 meses ou mais)
Observação: todos os Ps componentes dos IPHs já estão sob a forma de índices, pois são proporções ou probabilidades
*
*
IPH-1 \u2013 países selecionados (%) PNUD 2007/2008
*
*
IPH-2 \u2013 países selecionados (%) PNUD 2007/2008