O Sagrado e o Profano - Mircea Eliade
109 pág.

O Sagrado e o Profano - Mircea Eliade

Disciplina:Historia da Filosofia III55 materiais198 seguidores
Pré-visualização40 páginas
retomada várias vezes posteriormente. Teofrasto (372 287). que
sucedeu a Aristóteles na direção do Liceu. pode ser considerado o primeiro
historiador grego das religiões: segundo Diógenes Laércio (V. 48), Teofrasto
compôs uma história das religiões em seis livros.

Mas foi a partir das conquistas de Alexandre, o Grande (356-323), que os escritores
gregos tiveram oportunidade de conhecer diretamente e descrever as tradições
religiosas dos povos orientais. Sob Alexandre, Bérose, sacerdote de Bel, publica
suas Babyloniká. Megasténe, várias vezes enviado por Seleukos Nikator, entre os
anos de 302 e 297, em embaixada ao rei indiano Chandragupta, publica Indiká.
Hecateu de Abdera ou de Mos (365-270/275) escreve sobre os hiperbóreos e
consagra à teologia dos egípcios os seus Aigyptiaká. O sacerdote egípcio Manéton
(século 111) aborda o mesmo assunto em obra publicada sob o mesmo título. Foi
assim que o mundo alexandrino passou a conhecer um grande número de mitos, ritos
e costumes religiosos exóticos.

No início do século III, em Atenas, Epicuro (341-270) empreendeu uma crítica
radical da religião: segundo ele, o “consenso universal” prova que os deuses
existem, mas Epicuro considera-os seres superiores e longínquos, sem nenhuma
relação com os .homens. Suas teses ganharam popularidade no mundo latino no
século I a.C, graças, sobretudo, a Lucrécio (c. 98 c. 53).

Mas foram os estóicos que, no final do período antigo, exerceram uma influência
profunda, ao elaborarem a exegese alegórica, método que lhes permitiu resgatar e,
ao mesmo tempo, revalorizar a herança mitológica. Segundo os estóicos, os mitos

Mircea Eliade
_________________________________________________

 – 7 –

revelavam visões filosóficas sobre a natureza profunda das coisas, ou encerravam
preceitos morais. Os múltiplos nomes dos deuses designavam uma só divindade, e
todas as religiões exprimiam a mesma verdade fundamental; só variava a
terminologia. O alegorismo estóico permitiu a tradução, numa linguagem universal e
facilmente compreensível, de qualquer tradição antiga ou exótica. O método
alegórico alcançou sucesso considerável;; desde então passou a ser freqüentemente
utilizado.

A idéia de que certos deuses eram reis ou heróis divinizados pelos serviços que
haviam prestado à humanidade abria caminho desde Heródoto. Mas foi Evêmero (c.
330 c. 260) que popularizou essa interpretação pseudo-histórica da mitologia em seu
livro A Inscrição Sagrada. A grande difusão do evemerismo deveu se, sobretudo, ao
poeta Ennius (239-169), que verteu para o latim A Inscrição Sagrada, aos
polemistas cristãos, que mais tarde se apoderaram dos argumentos de Evêmero.
Com um método muito mais rigoroso, o erudito Políbio (c. 210-205 c. 125) e o
geógrafo Estrabão (c. 60 c. 25 d.C.) esforçaram-se por esclarecer o fundo histórico
que certos mitos gregos podiam encerrar.

Entre os ecléticos romanos, Cícero (106-43) e Varrão (116-27) merecem menção
especial pelo valor histórico-religioso de suas obras. Os quarenta livros das
Antiguidades Romanas, de Varrão, acumulavam uma erudição imensa. No De
Natura Deorum, Cícero dava uma descrição bastante fiel da situação dos ritos e
crenças no último século da era pagã.

A difusão dos cultos orientais e das religiões dos mistérios no Império Romano, e o
sincretismo religioso que daí resultou, sobretudo na Alexandria, favoreceu o
conhecimento das religiões exóticas e as investigações sobre as antiguidades
religiosas dos diversos países. Nos dois primeiros séculos da era cristã, o evemerista
Herennius Philon publicou sua História Fenícia, Pausânias a Descrição da Grécia
inesgotável mina para o historiador das religiões – e (o pseudo-) Apolodoro sua
Biblioteca consagrada à mitologia. O neopitagorismo e o neoplatonismo efetuaram,
com base nessas obras, a revalorização da exegese espiritualista dos mitos e dos
ritos. Um representante típico dessa exegese é Plutarco (45-50 c. 125),
particularmente no seu tratado De Iside et Osiride. Segundo

Plutarco, a diversidade das formas religiosas é apenas aparente; os simbolismos
revelam a unidade fundamental das religiões. A tese estóica é expressa com um
novo brilho por Séneca (2 66): as múltiplas divindades são os aspectos de um Deus
único. Por outro lado, as descrições das religiões estrangeiras e dos cultos esotéricos
multiplicam-se. César (101-44 a.C.) e Tácito (c. 55-120) forneceram informações
preciosas sobre as religiões dos gauleses e dos germanos; Apuleio (século II d.C.)
descreveu a iniciação dos mistérios de ísis; Luciano apresentou o culto sírio no seu
De Dea Syria (c. 120 d. C.)

Para os apologistas e os heresiarcas cristãos, a questão se colocava num outro plano,
pois aos múltiplos deuses do paganismo eles opunham o deus único da religião

O Sagrado e o Profano
_________________________________________________

– 8 –

revelada. Era-lhes necessário, portanto, demonstrar, por um lado, a origem
sobrenatural do cristianismo – e, por conseqüência, sua superioridade – e, por outro
lado, tinham de explicar a origem dos deuses pagãos, sobretudo a idolatria do
mundo pré-cristão. Também precisavam explicar as semelhanças entre as religiões
dos mistérios e o cristianismo. Foram sustentadas várias teses: 1) os demônios,
nascidos do comércio dos anjos caídos com as filhas dos homens’; tinham arrastado
os povos para a idolatria; 2) o plágio (os anjos maus, conhecendo as profecias,
estabeleceram semelhanças entre as religiões pagãs e o judaísmo e o cristianismo,
afim de perturbarem os crentes; os filósofos do paganismo haviam inspirado suas
doutrinas em Moisés e nos profetas); 3) a razão humana pode elevar-se por si mesma
ao conhecimento da verdade, portanto o mundo pagão podia ter um conhecimento
natural de Deus.

A reação pagã tomou múltiplas vias. Manifestou se pelo ataque violento, por volta
de 178, do neopitagórico Celso contra a originalidade e o valor espiritual do
cristianismo; pela Vida de Apolônio de Tiana, escrita pelo sofista Filostrato (c. 175-
149), na qual são comparadas as concepções religiosas dos indianos, dos gregos e
dos egípcios e que propõe um ideal de religiosidade pagã e de tolerância; pelo
neoplatônico Porfírio (c. 233 c. 305), discípulo e editor de Plotino, que ataca
habilmente o cristianismo utilizando o método alegórico; por Jâmblico (c. 280 c.
230), que milita por um ideal de sincretismo e tolerância.

No contra-ataque cristão distinguem se, no grupo africano, Minucius Félix,
Tertuliano, Lactâncio, Firminus Maternus e, no grupo alexandrino, os grandes
eruditos Clemente de Alexandria e Orígenes. Eusébio de Cesaréia na sua Crônica,
Santo Agostinho na Cidade de Deus e Paulo Orósio nas suas Histórias trouxeram as
últimas refutações do paganismo. Concordavam com os autores pagãos ao
sustentarem a tese da degenerescência crescente das religiões. Nos seus escritos,
como aliás nos escritos de seus adversários e dos outros autores cristãos, conservou
se um número considerável de informações histórico religiosas sobre os mitos, ritos
e costumes de quase todos os povos do Império Romano, bem como sobre os
gnósticos e as seitas heréticas cristãs.

No Ocidente, o interesse pelas religiões estrangeiras foi suscitado durante a Idade
Média pelo confronto com o Islã. Em 1411, Pedro, o Venerável, mandou que
Roberto de Rétines traduzisse o Corão, e em 1250 fundaram-se escolas de ensino do
árabe. Nessa data, o Islã já produzira obras importantes acerca das religiões pagãs.
Az Biruní (973-1048) fizera uma descrição notável das religiões e das filosofias
indianas; Chaharastani (m. 1153) escrevera um tratado sobre as escolas islâmicas;
Ibn Hazn (994-1064) compilara um volumoso e erudito Livro das soluções decisivas
relativas às religiões, seitas e escolas, no qual falava do dualismo masdeísta e
maniqueu dos brâmanes, judeus, cristãos, ateístas