CCJ0009-WL-AV1-Teoria e Prática da Narrativa Jurídica -Trabalho-02 para AV1 _14-09-2012_
3 pág.

CCJ0009-WL-AV1-Teoria e Prática da Narrativa Jurídica -Trabalho-02 para AV1 _14-09-2012_


DisciplinaTeoria e Prática da Narrativa Jurídica741 materiais3.479 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Curso de Direito 
Turma A \u2013 Manhã - 2012.1 
Teoria e Prática da Narrativa Jurídica 
Prof.: Francysco Pablo Feitosa Gonçalves 
Disciplina: 
CCJ0009 
Trab: 
002 
Alunos: 
Andrea Barros, Tânia Valença e Waldeck Lemos 
Folha: 
1 de 3 
Data: 
14/09/2012 
 
MD/Direito/Estácio/Período-02/CCJ0009/Trab-002-Trabalho/WLAJ/DP 
 
 
TRABALHO PARA AV1 
 
CASO CONCRETO 
ABANDONO AFETIVO 
 
"O caso que será estudado neste tópico é baseado em um processo real, já julgado pelo STJ (STJ. REsp 
757411-MG). O caso é extremamente interessante em diversos aspectos. (.. .) Será que existe um direito 
fundamental ao amor? Será que um valor tão íntimo da dignidade da pessoa humana, que é a busca pelo 
amor paterno, não merece uma proteção jurídica? Por outro lado, corno obrigar alguém a amar? Será que o amor 
não deve ser espontâneo por natureza? 
Os fatos são os seguintes: Alexandre, cujos pais são separados, foi criado durante toda a vida por sua mãe. 
O seu pai fornecia ajuda financeira: pagava a pensão alimentícia em dia, ajudava no custeio da mensalidade 
escolar, no pagamento do plano de saúde etc., porém, nunca participou efetivamente de sua educação ou de sua 
vida pessoal. Ou seja, não lhe deu o carinho e o afeto necessários que todo filho merece receber do pai. É preciso 
ressaltar que, até os seis anos de idade, Alexandre manteve contato com seu pai de maneira razoavelmente 
regular. Após o nascimento de sua irmã, a qual ainda não conhece, fruto de novo relacionamento conjugal de seu 
pai, este afastou-se definitivamente. Em torno de quinze anos de afastamento, todas as tentativas de aproximação 
efetivadas por Alexandre restaram infrutíferas, não podendo desfrutar da companhia e dedicação de seu pai, já 
que este não compareceu até mesmo em datas importantes, como aniversários e formatura. Alexandre 
cresceu, tornou-se adulto, mas nunca conseguiu superar o sentimento de abandono causado pela ausência do 
pai. Em razão disso, Alexandre ingressou com ação judicial, pedindo ao Judiciário que condenasse o pai a lhe 
pagar uma indenização por dano moral por abandono afetivo. Defendeu que a ausência do pai lhe trouxe abalos 
psicológicos e sofrimento que devem ser compensados, ainda que financeiramente ( . . . ) . "1 
Mesmo tendo apresentado provas, sobretudo documentais (laudos e pareceres psicológicos), do 
abandono e dos danos que daí seriam decorrentes. Alexandre foi derrotado em primeira instância. 
Alexandre recorreu ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais, que lhe deu ganho de causa, decidindo 
que "A dor sofrida pelo filho, em virtude do abandono paterno, que o privou do direito à convivência, ao amparo 
afetivo, moral e psíquico, deve ser indenizável com fulcro no princípio da dignidade da pessoa humana."2 
O pai de Alexandre recorreu ao STJ, que decidiu que "A indenização por dano moral pressupõe a 
prática de ato ilícito, não rendendo ensejo à aplicabilidade da norma do artigo 159 do Código Civil de 1916 o 
abandono afetivo, incapaz de reparação pecuniária."3 
Alexandre, por intermédio de seus advogados, recorreu ao STF alegando violação ao princípio da 
dignidade da pessoa humana. 
 
1 - Adaptado de MARMELSTEIN. George. Curso de direitos fundamentais. São Paulo: Atlas, 2008. p. 
451-452. 
2 - Segundo a Constituição Federal de 1988: "Art. 1° - A República Federativa do Brasil formada pela 
união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado 
Democrático de Direito e tem corno fundamentos: (...) IIl \u2013 a dignidade da pessoa humana.\u201d 
3 \u2013 Dizia o Código Civil de 1916: "Art. 159. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou 
imprudência, violar direito, ou causar prejuízo a outrem, fica obrigado a reparar o dano." 
 
O Código Civil de 2002 dispõe que: 
 
Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito 
e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. 
Art. 187. Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo manifestamente os 
limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons 
costumes. 
(...) 
Art. 927. Aquele que, por ato ilícito (Artigos 186 e 187) causar dano a outrem, fica obrigado a 
repará-lo. 
 
01 - Qual o fato gerador desse processo? 
 
Curso de Direito 
Turma A \u2013 Manhã - 2012.1 
Teoria e Prática da Narrativa Jurídica 
Prof.: Francysco Pablo Feitosa Gonçalves 
Disciplina: 
CCJ0008 
Trab: 
002 
Alunos: 
Andrea Barros, Tânia Valença e Waldeck Lemos 
Folha: 
2 de 3 
Data: 
14/09/2012 
 
MD/Direito/Estácio/Período--02/CCJ0009/Trab-002-Trabalho/WLAJ/DP 
Resposta: Abandono Afetivo. 
02 - Você considera possível a defesa da existência de um direito fundamental ao amor? 
Resposta: Não. 
 
Visto que todo direito tem sua garantia. O amor é um sentimento, algo que é subjetivo e, portanto, não nos 
dá recursos para garanti-lo. O que se deve questionar são os elementos decorrentes da ausência do amor e a 
maneira mais adequada de fazer justiça àqueles que tiveram de alguma forma seu bem jurídico lesionado. 
Amor significa afeição, ternura, querer bem. Deste sentimento decorrem outros elementos como: proteção, 
responsabilidade, compromisso, respeito, assistência afetiva e moral, etc. Trata-se de um sentimento inerente ao 
próprio individuo e se concretiza quando estabelecido um vínculo emocional com alguém. É nesse momento que é 
possível enviar os estímulos sensoriais e psicológicos necessários para a manutenção e motivação do amor. 
Percebe-se então, que não é possível obrigar alguém a dar algo que ele não tem, ou melhor, que ele não sente. 
No entanto, a Constituição Federal garante a todos \u201cDireitos e Garantias Fundamentais\u201d, ou seja, a pessoa 
natural de direito tem garantido pelo Estado o direito à vida e à sua integridade fisica e moral. Institutos que 
podem ser lesionados pela ausência daqueles elementos que decorrem do amor e praticado por quem tinha o 
dever legal de fornecer. 
É evidente que a ausência daqueles elementos causam lesão ao principal bem jurídico: a vida, cuja 
abrangência vai desde o direito de não ser morto como também o direito de ter uma vida digna, a qual se perfaz 
pelo pleno direito de ser amparado, tanto materialmente quanto psicologicamente. Um filho que durante sua 
formação social e psicológica foi privado da presença paterna passa inevitavelmente por constrangimentos 
irreparáveis podendo até causar-lhe danos maiores como, por exemplo, desvio de condutas lícitas. 
O ser humano como pessoa livre deve ser responsável por seus atos e responsabilizar-se pelas 
consequências trazidas por eles. Por um lado, é notório que não podemos obrigar ninguém a amar, mas qualquer 
omissão que venha a causar um dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, como enfatiza o artigo 186 do 
Código Civil de 2002, configura ato ilícito. Por outro lado, alguém que teve seu bem jurídico lesionado, seja ele 
qual for, deve ser reparado. 
A indenização por abandono afetivo tem caráter disciplinador e, uma vez admitida, reconhece o dano 
provocado pela falta de afeto e convivência do pai. O papel dos pais não se limita ao sustento, abrange também o 
apoio emocional e assistência em geral, portanto, se esse papel não é cumprido por uma ausência injustificada do 
pai, surge o dano, que há de ser reparado. O direito deve encontrar soluções justas que harmonize cada realidade. 
03 - Suponha que você está em seu escritório e Alexandre lhe procura a fim de processar o pai pedindo a 
indenização por danos morais decorrentes do abandono afetivo, produza a narrativa valorada ("dos 
fatos") da petição inicial, tomando o cuidado de apresentar os fatos em ordem cronológica 
 
Dos Fatos 
 
Filho de pais separados, o DEMANDANTE, cujo pai é o DEMANDADO, alega que desde muito novo sofre 
pelo abandono afetivo de seu genitor. Motivo que o faz pleitear indenização por dano moral. 
O DEMANDANTE enfatiza que o DEMANDADO manteve contato de maneira razoavelmente regular até os 
seus seis anos de idade,