CCJ0009-WL-RA-01-TP na Narrativa Jurídica-Estrutura das Peças Processuais (27-07-2012)
8 pág.

CCJ0009-WL-RA-01-TP na Narrativa Jurídica-Estrutura das Peças Processuais (27-07-2012)


DisciplinaTeoria e Prática da Narrativa Jurídica741 materiais3.479 seguidores
Pré-visualização3 páginas
e de direito;
Inciso III
O dispositivo, em que o juiz resolverá as questões, que as partes lhe submeterem.
Esses dois documentos \u2013 bem como outros \u2013 mostram-nos que há uma regularidade na organização das peças processuais: são indispensáveis a narrativa dos fatos importantes da lide, a fundamentação de um ponto de vista e aplicação da norma, em forma de pedido, decisão etc.
Não importa se a narrativa dos fatos será denominada \u201cdos fatos\u201d (petição inicial) ou \u201crelatório\u201d (sentença, parecer, acórdão). Também não cabe, neste momento, nomear a parte argumentativa como \u201cdo direito\u201d (petição inicial) ou fundamentação (parecer). Pretendemos apenas, nesta primeira aula, como já dissemos, que o estudante de Direito perceba que as peças processuais seguem, independente de suas peculiaridades, uma estrutura regular: narrar, fundamentar e pedir.
Essa estrutura não existe sem motivação. Uma proposta teórica, internacionalmente conhecida, chamada Teoria Tridimensional do Direito, do jusfilósofo brasileiro Miguel Reale, defende que o Direito compõe-se de três dimensões: FATO, VALOR e NORMA. Assim:
Teoria Tridimensional
Macroestrutura de algumas peças processuais
petição inicial
parecer
sentença
FATO
Dos fatos
Relatório
Relatório
Narrar os fatos importantes
VALOR
Do direito
Fundamentação
Motivação
Fundamentar um ponto de vista
NORMA
Do pedido
Conclusão
Dispositivo
Conclusão, na forma de pedido, decisão etc.
E como a universidade pensou as disciplinas de Português Jurídico diante dessa perspectiva? Adiante, uma síntese do que se pretende em cada matéria.
Em Teoria e Prática da Narrativa Jurídica (segundo período), serão estudadas com profundidade todas as questões relativas à produção do texto narrativo, primeira dimensão do direito, que consiste na exposição de todos os fatos importantes para a adequada solução da lide.
Teoria e Prática da Argumentação Jurídica (terceiro período) terá como objeto principal de estudo a Teoria da Argumentação, segundo a proposta de Chaïm Perelman, oportunidade em que as técnicas e estratégias para a produção do texto jurídico-argumentativo e a respectiva aplicação da norma serão minuciosamente analisadas. Por meio dos tipos de argumento, e todos os demais recursos linguísticos e discursivos disponíveis ao profissional do direito, o aluno será estimulado a defender as teses que julgar adequadas.
Por fim, em Teoria e Prática da Redação Jurídica (quarto período), não mais produziremos isoladamente as partes narrativa ou argumentativa, mas uma peça inteira. Elegemos o parecer técnico-formal especialmente porque não será necessária capacidade postulatória para redigi-lo, ou seja, mesmo não sendo ainda advogado, em princípio, já se pode produzir esse documento com validade processual.
==XXX==
	Capítulo: Coesão e Coerência
Livro: Coesão e Coerência Textuais
(Valquíria da Cunha Paladino & outros)
	
==XXX==
	Capítulo: Entendendo Nosso Objeto de Estudo
Livro: Interpretação e Produção de Textos Aplicadas ao Direito
(Néli Luiz Cavalieri Fetzner)
	
==XXX==
MD/Direito/Estácio/Período-02/CCJ0009/Aula-001/WLAJ/DP
MD/Direito/Estácio/Período-02/CCJ0009/Aula-001/WLAJ/DP