HDB - Anotação (8)
9 pág.

HDB - Anotação (8)

Disciplina:História do Direito Brasileiro5.783 materiais195.469 seguidores
Pré-visualização5 páginas
contractus).

Orlando Gomes diz que a diferença entre a

exceptio non adimpleti contractus (descumprimento
total) e a exceptio non rite adimpleti contractus diz
respeito ao ônus da prova, pois “havendo
inadimplemento total, incumbe a prova ao contraente
que não cumpriu a obrigação. Havendo exceção
incompleta, deve prová-la que invoca a exceção, pois
se presume regular o pagamento aceito” (Orlando
Gomes. Contratos, p. 92).

OBS.: Quando houver sido pactuada a cláusula
solve et repete, opera-se a renúncia ao emprego da
exceptio non adimpleti contractus.

 d) onerosidade excessiva
Teoria da imprevisão: diz-se onerosidade

excessiva o evento que embaraça e torna dificultoso o
adimplemento da obrigação de uma das partes,
proveniente ou não de imprevisibilidade da alteração
circunstancial (evento extraordinário e imprevisível),
impondo manifesta desproporcionalidade entre a
prestação e a contraprestação, com dano significativo
para uma parte e conseqüente vantagem excessiva
(enriquecimento sem causa) para a outra, em
detrimento daquela, a comprometer, destarte, a
execução equitativa do contrato.

Trata-se de manifestação clara do princípio do
equilíbrio econômico. Atenção, pois é comum em
provas objetivas o examinador utilizar onerosidade
excessiva como sinônima da teoria da imprevisão.

A teoria da imprevisão difere da teoria
adotada pelo CDC (teoria da base objetiva do negócio
jurídico), pois nesta última teoria é desnecessário
investigar sobre a previsibilidade do fato econômico
superveniente. Assim, o fato pode até ser previsível,
porém não é esperado.

Leonardo Medeiros Garcia citando Karl Larenz
diz que “não interessa se o fato posterior era
imprevisível, o que realmente interessa é se o fato
superveniente alterou objetivamente as bases pelas
quais as partes contrataram, alterando o ambiente
econômico inicialmente presente. Isto é, para essa
teoria, não interessa se o evento era previsível ou
imprevisível, não se prendendo, então, a aspectos
subjetivos” (Leonardo Medeiros Garcia. Direito do
Consumidor, Código Comentado e Jurisprudência, cit.,
p. 62).