deionizador -  trabalho para o dia 07 maio
6 pág.

deionizador - trabalho para o dia 07 maio

Disciplina:Operações Unitárias Farmacêuticas116 materiais440 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS

Faculdade de Farmácia

Operações Unitárias

Visita técnica 2:

Purificação da água – Intercâmbio Iônico

Pâmela Gabriele Silva Santos

Porto Alegre, maio de 2012.

Ficha técnica do Purificar de água – Intercâmbio Iônico

Equipamento:Deionizador

Faça uma ficha técnica para o equipamento visualizado com os seguintes itens:

1-Partes que compõem o equipamento:

Carcaça

Coluna deionizadora

Condutivímetro, células condutimetricas

Torneira.

Leito de resina mista (catiônica + aniônica);

Seleção voltagem: 127V / 220V.

2- Alimentação

Ela é feita pela parte superior do equipamento, pela mangueira acoplada em

uma torneira.

3-.Descarga

Ela é feita pela parte inferior do equipamento, torneira.

4-Funcionamento

Descontínuo, pois de tempo em tempo tem que trocar as resinas que saturam e

não é retirado a torta.

5-Rendimento

Tem rendimento aproximadamente 100%, em função de que o que entra sai.

6-Desenvolver POP de Sanitização

Procedimento Operacional Padrão – POP

Objetivo: Sanitização do deionizador

1- O deionizador é um equipamento muito importante nos laboratórios e

nas farmácias de manipulação, porque ele serve para retirar os íons da

água utilizada nestes locais. E é por isso que a sua limpeza e

sanitização tem que ser feita periodicamente.

2- Para realizar a limpeza e sanitização é preciso abrir o equipamento

retirando a coluna – local onde fica a sujicidade. Nesta coluna tem as

resinas, as quais tem que ser renovadas quando ela apresentar muita

sujicidade. Estas resinas tem uma utilização de tempo indeterminado.

3- Em seguida, usando luvas, lavar a coluna com água e depois limpar com

tensoativos, substancias de ação antimicrobianas apropriadas e

sanitizantes.Estes sanitizantes podem ser: álcool, água sanitária, cloro,

iodo e outros. E para finalizar, enxaguar com água isenta de

microorganismos e secar com toalhas secas e limpas ou folhas de papel

toalha.

4- Depois pegar a carcaça do deionizador e retirar toda água que fica no

fundo. Lavar com água potável toda a peça e limpar com os sanitizantes.

E para terminar lavar com água isenta de micro-organismos e secar com

toalha seca e limpa ou papel toalha. O mesmo processo de limpeza e

sanitização (lavar com água potável e logo em seguida lavar com álcool)

é aplicado na mangueira que é conectada ao equipamento.

5- Depois de tudo higienizado e sanitizado, montar novamente o

equipamento. Colocando a coluna na carcaça.

Manutenção

A manutenção que ser feita toda fez que o equipamento é usado, pois se não

for feita ele gera um acumulo de água no fundo do seu “copo” onde se formam

micro-organismo e sujicidade.

7-Qual a característica dos produtos obtidos pelo equipamento?

O produto obtido é isento de íons. Ou seja, é obtida uma Água desmineralizada

com alto grau de pureza química, ou seja, livre de íons, metais pesados, etc.

 O que é Sanitização

Sanitização é uma operação unitária (procedimento) que envolve varias etapas

e diferentes processos. É mais profundo que a limpeza, pois além de limpar ela

irá sanitizar o equipamento. Ela não deixa de ser uma limpeza mais profunda.

Citar itens solicitados pela RDC 67/2007 relacionados com a prática

desenvolvida

2.2. A farmácia deve assegurar a qualidade físico-química e microbiológica
(quando aplicável) de todos os produtos reembalados, reconstituídos, diluídos,
adicionados, misturados ou de alguma maneira manuseados antes da sua
dispensação.
2.3. É indispensável o acompanhamento e o controle de todo o processo de
manipulação, de modo a garantir ao paciente um produto com qualidade,
seguro e eficaz.
m) garantir que a validação dos processos e a qualificação dos equipamentos,
quando aplicáveis, sejam executadas e registradas e que os relatórios sejam
colocados à disposição das autoridades sanitária
3.2.1. Todo o pessoal, inclusive de limpeza e manutenção, deve ser motivado e
receber treinamento inicial e continuado, incluindo instruções de higiene,
saúde, conduta e elementos básicos em microbiologia, relevantes para a
manutenção dos padrões de limpeza ambiental e qualidade dos produtos.
3.3.7. Os funcionários envolvidos na manipulação devem estar adequadamente
paramentados, utilizando equipamentos de proteção individual (EPIs), para
assegurar a sua proteção e a do produto contra contaminação, devendo ser
feita a colocação e troca dos EPIs sempre que necessária, sendo a lavagem de
responsabilidade da farmácia.
3.3.8. A paramentação, bem como a higiene das mãos e antebraços, devem
ser realizadas antes do início da manipulação.
3.3.9. Nas salas de manipulação os procedimentos de higiene pessoal e
paramentação devem ser exigidos a todas as pessoas, sejam elas funcionários,
visitantes, administradores ou autoridades.
4.7. Sala de Paramentação: A farmácia deve dispor de sala destinada à
paramentação, ventilada, preferencialmente com dois ambientes (barreira
sujo/limpo) e servindo como acesso às áreas de pesagem e manipulação. Na
sala de paramentação ou junto a ela deve haver lavatório com provisão de
sabonete líquido e anti-séptico, além de recurso para secagem das mãos. Este
lavatório deve ser de uso exclusivo para o processo de paramentação
5. MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E UTENSÍLIOS

d) sistema de purificação de água;

g) bancadas revestidas de material liso, resistente e de fácil limpeza;
h) lixeiras com tampa, pedal e saco plástico, devidamente identificadas;
i) armário fechado, de material liso, resistente e de fácil limpeza, ou outro
dispositivo equivalente para guarda de matérias-primas e produtos fotolábeis
e/ou sensíveis à umidade.
7.5.1. Água Potável: A farmácia deve ser abastecida com água potável e,
quando possuir caixa d'água própria, ela deve estar devidamente protegida

para evitar a entrada de animais de qualquer porte ou quaisquer outros
contaminantes, devendo definir procedimentos escritos para a limpeza e
manter os registros que comprovem sua realização.
7.5.1.1. Caso se trate de caixa d’água de uso coletivo, a farmácia deve ter
acesso aos documentos referentes à limpeza dos reservatórios, mantendo
cópia dos mesmos.
7.5.1.2. A farmácia deve possuir procedimentos escritos para realizar
amostragem da água e periodicidade das análises.
7.5.1.3. Devem ser feitos testes físico-químicos e microbiológicos, no mínimo a
cada seis meses, para monitorar a qualidade da água de abastecimento,
mantendo-se os respectivos registros. As especificações para água potável
devem ser estabelecidas com base na legislação vigente
7.5.1.4. Devem ser realizadas, no mínimo, as seguintes análises:
a) pH
b) cor aparente
c) turbidez
d) cloro residual livre
e) sólidos totais dissolvidos
f) contagem total de bactérias
g) coliformes totais
h) presença de E. coli.
i) coliformes termorresistentes

7.5.1.6. A farmácia deve estabelecer e registrar as medidas adotadas em caso
de laudo insatisfatório da água de abastecimento.
7.5.2. Água Purificada: A água utilizada na manipulação deve ser obtida a partir
da água potável, tratada em um sistema que assegure a obtenção da água
com especificações farmacopéicas para água purificada, ou de outros
compêndios internacionais reconhecidos pela ANVISA, conforme legislação
vigente.
7.5.2.1. Deve haver procedimentos escritos para a limpeza e manutenção do
sistema de purificação da água com os devidos registros.
7.5.2.2. Devem ser feitos testes físico-químicos e microbiológicos da água
purificada, no mínimo mensalmente, com o objetivo de monitorar o processo de
obtenção de água, podendo a farmácia terceirizá-los.
7.5.2.3. A farmácia deve possuir procedimento escrito para a coleta e
amostragem da água. Um dos pontos de amostragem deve ser o local usado
para armazenamento.
7.5.2.4. A farmácia deve estabelecer, registrar e avaliar a efetividade das
medidas adotadas,