Aula_13_Moeda_new

Disciplina:Contabilidade Social e Balanço de Pagamentos119 materiais1.350 seguidores
Pré-visualização7 páginas
Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Equação quantitativa da moeda
Essa equação é mais conhecida na forma
MV = PY
M = quantidade de moeda
V = velocidade de circulação da moeda
P = nível geral de preços
Y = PIB real
V representa a velocidade-renda da moeda (número de giros da moeda criando renda num dado período)

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Equação quantitativa da moeda
Reajeitando essa equação
M / P = Y / V
Definindo
k = 1 / V
Coeficiente marshalliano ou coeficiente de Cambridge
Então
M / P = kY

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Teoria quantitativa da moeda
A teoria quantitativa da moeda assume que k é relativamente constante
A constância em k depende de:
Intervalos de recebimentos dos agentes (anual, mensal, quinzenal, semana etc.)
Grau de desenvolvimento do sistema financeiro
Grau de verticalização da economia

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Intervalos de recebimento
Suponha que a economia seja composta por um conjunto de empresas homogêneas, que empregam apenas o trabalho para produzir um produto
Suponha também que os salários sejam pagos mensalmente, em uma mesma data, acumulando o saldo da venda de seus produtos ao longo do mês
Na outra ponta, os agentes recebem seus salários em uma data fixa no mês, gastando-o ao longo do mês.
O fluxo de caixa das empresas será o inverso do fluxo de caixa dos trabalhadores

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Intervalos de recebimento
Por exemplo:
Considere o caso de um conjunto de indivíduos que receba $300 por mês e gaste o salário de forma linear ao longo do mês
Nesse caso, no dia do recebimento, os indivíduos estarão com $300 e o caixa da empresa estará com $0
Os saldos dos indivíduos diminuem 1/30 por dia, enquanto o das empresas aumenta na mesma proporção
Na véspera do recebimento, os indivíduos gastam a última parcela de seus salários e a empresas acumulam o suficiente para remunerá-los no dia seguinte.

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Esquema de recebimento mensal
300
150
Nessas condições, o saldo médio dos indivíduos e das empresas será de $150, e, portanto, a velocidade-renda da moeda é igual a 2..

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Intervalos de recebimento
Suponha que as empresas decidam pagar os trabalhadores quinzenalmente.
Os mesmos mantém o mesmo padrão de gastos diários, o que significa agora 1/15 da sua renda quinzenal por dia

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Esquema de recebimento mensal
150
75
Nessas condições, o saldo médio dos indivíduos e das empresas será de $75, e, portanto, a velocidade-renda da moeda é igual a 4..

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Intervalo de recebimento
Portanto, a velocidade-renda da moeda é inversamente relacionada ao intervalo de recebimentos e o saldo monetário está diretamente relacionado a ele.
Quanto menor o intervalor, menor o saldo monetário.

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Desenvolvimento do sistema bancário
O desenvolvimento do sistema bancário amplia a velocidade de circulação da moeda
Possibilita que os agentes mantenham seus recursos na forma de ativos não monetários (aplicações financeiras) e rapidamente os transformem em ativos monetários, em caso de necessidade

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Grau de verticalização da economia
Quanto mais verticalizadas as empresas, maior o número de transações liquidadas por transferências contábeis, que não envolvem numerário
Nesse caso, quanto mais verticalizadas as empresas, menor o coeficiente marshaliano (menor a demanda por moeda).

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Taxa de juros e demanda por moeda
A taxa de juros representa o custo de oportunidade de reter moeda
Quanto maior a taxa de juro, mais vantajoso é reter menos moeda.
Para taxas de juros muito baixas, o custo de reter moeda é menor

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Modelo Tobin-Baumol de demanda por moeda
Qual o encaixe ótimo de moeda pelos agentes não bancários?
Suponha o seguinte problema do agente:
Ele pode ficar com toda a moeda que recebe para realizar compras, mas perde juros por não aplicá-lo
Mas pode decidir aplicar seus recursos, mas terá menos para realizar compras

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Modelo Tobin-Baumol de demanda por moeda
Suponha que uma família tenha uma renda nominal, PY, por período (um mês)
Essa renda é automaticamente depositada em uma conta que rende juros
Para realizar compras, as famílias precisam sacar os recursos dessa conta remunerada
Há um custo fixo, Pb, em cada saque (b é o custo real)
Esse custos pode representar o tempo perdido em ir ao banco para realizar o saque (custo de sola de sapato)
Problema da família: decidir quantas vezes ir ao banco e quanto vai retirar a cada vez.
Como os gastos são constantes, vamos assumir que elas decidam retirar sempre a mesma quantia (M*) a cada mês

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Modelo Tobin-Baumol de demanda por moeda
Esse problema é similar ao dos empregados e das empresas visto anteriormente
Naquela situação, os encaixes médio de moeda (demanda por moeda) eram sempre metade das transações totais, ou seja, M*/2
O custo da moeda, nessa situação, vai depender
Do custo de ida ao banco, Pb
Do número de vezes que as famílias vão ao banco, PY/M*
Do custo de oportunidade de reter moeda, i(M*/2)

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Modelo Tobin-Baumol de demanda por moeda
O custo total de ida ao banco é, portanto
CT = Pb(PY/M*) + i(M*/2)
A família precisa escolher o tamanho de M*
Quanto maior, menos vezes irá ao banco
Mas perderá mais rendimento
Este problema minimizando a função custo total em relação a M*
 d CT / d M* = 0
 - Pb(PY/M*2) + i/2 = 0
 M* = P (2bY/i)1/2
 M*/P = (2bY/i)1/2

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Modelo Tobin-Baumol de demanda por moeda
Ou seja, a demanda real por moeda depende
Do custo real de ida ao banco
Quanto maior o custo, maior a demanda por moeda
Da renda
Quanto maior a renda, maior a demanda por moeda
Da taxa de juros
Quanto maior a taxa de juros, menor a demanda por moeda

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*
 Macroeconomia I
 André Luis Squarize Chagas.

Mercado monetário
Taxa de juros
i
Saldos reais de moeda
(M/P)D = L(i,Y)
(M/P)O
M/P
i
A Demanda por moeda é negativamente inclinada como reflexo do custo de oportunidade de reter moeda.
Já a oferta de moeda é determinada pelo BC.
O equilíbrio no mercado monetário ocorre no ponto em que a oferta por moeda é igual à demanda por moeda.

Fundamentos Econômicos
Professor André Luis Squarize Chagas
*