CCJ0009-WL-RA-02-TP na Narrativa Jurídica-Gênero e Tipologia Textuais _03-08-2012_
9 pág.

CCJ0009-WL-RA-02-TP na Narrativa Jurídica-Gênero e Tipologia Textuais _03-08-2012_


DisciplinaTeoria e Prática da Narrativa Jurídica738 materiais3.484 seguidores
Pré-visualização4 páginas
Margarida Barreto, médica do trabalho e ginecologista, assédio moral no trabalho é "a 
exposição dos trabalhadores e trabalhadoras a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas 
durante a jornada de trabalho e no exercício de suas funções, sendo mais comuns em relações hierárquicas 
autoritárias e assimétricas, em que predominam condutas negativas, relações desumanas e aéticas de longa 
duração, de um ou mais chefes dirigida a um ou mais subordinado(s), desestabilizando a relação da vítima com o 
ambiente de trabalho e a organização, forçando-o a desistir do emprego". 
(Disponível em: http://jus.uol.com.br/revista/texto/7767/identificando-o-assedio- 
moral-no-trabalho. Acesso em: 10 de dezembro de 2010). 
 
Questão 2 
Acesse o site do STJ e transcreva trecho de um voto em que a narração está a serviço da argumentação e 
outro em que a descrição está a serviço da narração. 
 
 
==XXX== 
 
 
RESUMO DE AULA (WALDECK LEMOS) 
 
2ª AULA \u2013 Gênero e Tipologia Textuais nas Peças Processuais 
 
Tipologia Textual, Gênero Textual e Macroestrutura das Peças Processuais 
 
Tipologia Textual: Predominantes em textos Jurídicos. 
 
-Descritivo => Detalhes Característicos. 
-Narrativo => Tempo (cronológico e Acronológico). 
-Argumentativo => Defende uma Tese = Dissertativo (Faculdade Estácio de Sá). 
-Injuntivo => Prescreve algo. 
 
Gêneros Textuais X Tipos Textuais. 
 
Petição: 
 
Art. 282 do CPC \u2013 A petição inicial indicará: 
 
Art. 282 do CPC \u2013 A petição inicial indicará: 
Inciso I o juiz ou tribunal, a que é dirigida; 
Inciso II os nomes, prenomes, estado civil, profissão, 
domicílio e residência do autor e do réu; 
Inciso III o fato e os fundamentos jurídicos do pedido; 
Inciso IV o pedido, com as suas especificações; 
Inciso V o valor da causa; 
Inciso VI as provas com que o autor pretende 
demonstrar a verdade dos fatos alegados; 
 
Curso de Direito 
Turma A \u2013 Manhã - 2012.1 
Teoria e Prática da Narrativa Jurídica 
Prof.: Francysco Pablo Feitosa Gonçalves 
Disciplina: 
CCJ0009 
Aula: 
002 
Assunto: Tipologia Textual, Gênero Textual e Macroestrutura das 
Peças Processuais 
Folha: 
4 de 9 
Data: 
03/08/2012 
 
MD/Direito/Estácio/Período-02/CCJ0009/Aula-002/WLAJ/DP 
Inciso 
VII 
o requerimento para a citação do réu. 
 
 
Exemplo: 
 
Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da ___ Vara da Comarca de __________________. 
 
 
 
Ação de _____________________. 
 
 
 
(Qualificação das Partes) (Texto com caracteres Descritivos). 
 
 
 
DOS FATOS (Texto com caracteres Narrativos). 
 
 
 
DO DIREITO (Texto com caracteres Argumentativos). 
 
 
 
DO PEDIDO (Texto com caracteres Injuntivos). 
 
 
 
 
 
 
FAZER Ler: Capítulo: Gênero e Tipologia Textuais \u2013 Néli Luiz Cavalieri Fetzner, do livro Interpretação e 
Produção de Textos Aplicadas ao Direito (Néli Luiz Cavalieri Fetzner). 
 
 
==XXX== 
 
 
RESUMO DE AULA (PROFESSOR - AULA MAIS - ESTÁCIO) 
 
2ª AULA \u2013 Gênero e Tipologia Textuais nas Peças Processuais 
 
Teoria e Prática da Narrativa Jurídica 
Professor Nelson Tavares 
Aula 02 
 
O aluno deverá ser capaz de: 
- Reconhecer as peças processuais como \u201cgênero textual\u201d distinto; 
- Identificar os tipos textuais narrativo, descrito, dissertativo argumentativo e injuntivo nas peças processuais; 
 
Curso de Direito 
Turma A \u2013 Manhã - 2012.1 
Teoria e Prática da Narrativa Jurídica 
Prof.: Francysco Pablo Feitosa Gonçalves 
Disciplina: 
CCJ0009 
Aula: 
002 
Assunto: Tipologia Textual, Gênero Textual e Macroestrutura das 
Peças Processuais 
Folha: 
5 de 9 
Data: 
03/08/2012 
 
MD/Direito/Estácio/Período-02/CCJ0009/Aula-002/WLAJ/DP 
- Compreender a interdependência desses tipos textuais e qual a sua contribuição para a competência redacional 
das peças processuais. 
 
No Direito, é de grande relevância o que se denomina tipologia textual: narração, descrição, dissertação. O 
que torna essa questão de natureza textual importante para o direito é sua utilização na produção de peças 
processuais como a petição inicial, que apresenta diferentes tipos de texto, a um só tempo. 
Em geral, classificam-se os textos, quanto à tipologia, sob três nomenclaturas: texto narrativo, texto 
descritivo e texto dissertativo. 
A primeira observação relevante a fazer é que, apesar de a classificação ser didaticamente útil, raramente 
são produzidos textos puramente narrativos, descritivos ou dissertativos. O que ocorre, na verdade, é uma 
classificação que considera a predominância das características de um tipo de produção textual em detrimento 
das demais, menos evidentes, mas não menos importantes. 
Na prática redacional de todo texto, é extremamente comum, por exemplo, que uma narrativa seja 
permeada por trechos descritivos; certas características descritas de uma cena, de um objeto ou de uma pessoa 
enriquecem de detalhes, de forma inquestionável, os fatos narrados e fornecem material precioso para que essa 
narrativa possa ser valorada a partir dos interesses de quem conta a história. 
Da mesma maneira, fundamentar um determinado ponto de vista exige do argumentador, muitas vezes, 
que alguns fatos motivadores de sua tese sejam narrados. A descrição de determinadas condutas pode igualmente 
colaborar para justificar a tese sustentada. A única certeza, enfim, é que narração, descrição e dissertação podem 
compor, juntas, um só texto e sua separação só se justifica, não raro, por razões acadêmicas. 
Enquanto narrar consiste em evidenciar fatos experienciados e desenvolvidos em um determinado tempo e 
espaço, descrever caracteriza-se por deitar sobre o mundo um olhar estático localizando os elementos da 
descrição e atribuindo-lhes qualidades que os singularizam. Apesar de se oporem (narração e descrição), são 
estritamente ligados, pois as ações somente têm sentido com relação às identidades e às qualificações de seus 
agentes. E mais, o modo descritivo não apenas completa o narrativo \u2013 ou o dissertativo \u2013 mas dá-lhes sentido. 
Não só encontramos dificuldade em separar com clareza os trechos narrativos, descritivos ou dissertativos 
do texto que compomos, como também desenvolvemos, com esforço, a redação de uma narração imparcial, sem 
sustentar \u2014 tenuamente que seja \u2014 uma opinião, ou enfatizar uma característica descrita, por concebê-la mais 
relevante. 
 
Na verdade, nada impede afirmar, por exemplo, que a descrição do estado psicológico de uma pessoa cujo 
filho morreu por conta de negligência médica seja o recurso utilizado para persuadir o interlocutor de que o autor 
de uma ação faz jus à indenização. Essa interdependência entre os tipos de texto pode ocorrer na produção dos 
textos jurídicos, como também em qualquer outra produção escrita. 
 
 
 
 
-Texto Narrativo - consiste em evidenciar fatos experienciados e desenvolvidos por certos personagens em um 
certo tempo e espaço. 
 
-Texto Narrativo - consiste em evidenciar fatos experienciados e desenvolvidos por certos personagens em um 
certo tempo e espaço. 
 
-Texto Dissertativo \u2013 consiste em apresentar idéias, analisá-las, defender um ponto de vista sustentado em 
argumentos. 
 
-Texto Injuntivo \u2013 consiste em exprimir uma ordem ou pedido de execução ou não execução de uma 
determinada ação. 
 
É importante você saber: 
 
Apesar de a classificação ser didaticamente útil, raramente são produzidos textos puramente 
 
Curso de Direito 
Turma A \u2013 Manhã - 2012.1 
Teoria e Prática da Narrativa Jurídica 
Prof.: Francysco Pablo Feitosa Gonçalves 
Disciplina: 
CCJ0009 
Aula: 
002 
Assunto: Tipologia Textual, Gênero Textual e Macroestrutura das 
Peças Processuais 
Folha: 
6 de 9 
Data: 
03/08/2012 
 
MD/Direito/Estácio/Período-02/CCJ0009/Aula-002/WLAJ/DP 
narrativos, descritivos, dissertativos ou injuntivos. 
O que ocorre, na verdade, é uma classificação que considera a predominância das características 
de um tipo de produção textual em detrimento dos demais, menos evidentes, mas não menos importantes. 
 
Textos: 
 
Texto: Luiz Ignácio da Costa Filho, ora recorrido, ajuizou ação de indenização