Aula 4_Usabilidade_Estacio Ceara
45 pág.

Aula 4_Usabilidade_Estacio Ceara


DisciplinaEngenharia de Usabilidade2.244 materiais4.325 seguidores
Pré-visualização2 páginas
\u2013 Para que não tenha efeitos negativos sobre o usuário, 
a interface deve, conforme o contexto, se adaptar a 
ele.
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
\u2022 Flexibilidade 
\u2013 Permitir a personalização da interface pelo usuário;
\u2013 Possibilitar diferentes alternativas para a realização das tarefas;
\u2013 Exemplos de recomendações:
\u2022 Quando os valores por default não são previamente conhecidos, o 
sistema deve permitir que o usuário defina, mude ou suprima 
valores;
\u2022 A seqüência de entrada de dados deve poder ser modificada para 
se adaptar a ordem preferida pelo usuário.
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
\u2022 Flexibilidade
Fazer a mesma 
tarefa de 
diferentes 
maneiras!
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
\u2022 Consideração da Experiência do Usuário 
\u2013 A interface deve atender as variações dos níveis de experiência dos usuários;
\u2013 Usuários experientes não têm as mesmas necessidades informativas que 
novatos;
\u2013 Exemplos de recomendações:
\u2022 Prever atalhos. Permitir que usuários experientes contornem uma série de seleções 
por menu através da especificação de comandos e/ou atalhos de teclado;
\u2022 Quando as técnicas de condução atrasam o usuário experiente, fornecer meios de 
contornar esta condução.
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
\u2022 Consideração da Experiência do Usuário 
O eleitor brasileiro
deve ser conduzido!
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
\u2022 Gestão de Erros 
\u2013 Refere-se aos mecanismos que permitem evitar ou 
reduzir a ocorrência de erros, e quando eles ocorrem, 
que favoreçam sua correção.
\u2013 Os erros são aqui considerados como entrada de 
dados incorretos, entradas com formatos 
inadequados, entradas de comandos com sintaxes 
incorretas, etc... 
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
\u2022 Proteção Contra os Erros 
\u2013 Refere-se aos meios para detectar e prevenir os erros de ações, entrada de 
dados ou comandos dos usuários;
\u2013 É preferível detectar os erros no momento da digitação do que no momento da 
validação dos dados;
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
 Conhecer as situações que mais 
provocam erros e modificar a interface 
para que estes erros não ocorram.
\u2022 Proteção Contra os Erros
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
\u2022 Qualidade das Mensagens de Erros 
\u2013 Clareza na apresentação das mensagens, informando prováveis causas 
e soluções a adotar para corrigir o erro;
\u2013 A qualidade das mensagens de erros favorece o aprendizado do 
sistema;
\u2013 Exemplos:
\u2022 Fornecer mensagens de erro orientadas a tarefas;
\u2022 Adotar um vocabulário neutro, não personalizado, não repreensivo 
nas mensagens de erro; 
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
\u2022 Correção dos Erros \u2013 (Gestão de erros) 
\u2013 Meios colocados a disposição do usuário com o objetivo de permitir a correção 
de seus erros;
\u2013 Os erros são bem menos perturbadores quando são fáceis de corrigir;
\u2013 Exemplos:
\u2022 Fornecer a possibilidade de modificar os comandos no momento de sua digitação;
\u2022 Quando verifica-se erro na digitação de um ou mais comandos, proporcionar ao 
usuário a possibilidade de refazer a digitação apenas da parte equivocada do(s) 
comando(s), evitando rejeitar um bloco todo já digitado.
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
\u2022 Homogeneidade/Coerência
\u2013 A interface do sistema deve ser consistente (padrões 
para códigos, denominações, formatos, 
procedimentos, etc...);
\u2013 Exemplos:
\u2022 Localização similar dos títulos das janelas;
\u2022 Formatos de telas semelhantes;
\u2022 Procedimentos similares de acesso às opções dos menus.
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
Word
Excel
Um mesmo comando 
ou ação deve ter 
sempre o mesmo 
efeito.
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
\u2022 Significado dos Códigos e Denominações 
\u2013 Adequação semântica entre o objeto ou a informação apresentada ou 
pedida, e sua referência;
\u2013 Exemplos:
\u2022 O título deve transmitir o que ele representa e ser distinto de outros títulos;
\u2022 Explicitar as regras de contração ou de abreviação;
\u2022 Utilizar códigos e denominações significativas e familiares ao usuário.
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
\u2022 Compatibilidade
\u2013 Adequação das tarefas e características do usuário, com a organização 
das entradas e saídas da aplicação;
\u2013 Exemplos:
\u2022 A organização das informações apresentadas deve estar conforme a 
organização dos dados a entrar;
\u2022 O formato das telas deve ser compatível com os documentos em papel;
\u2022 Os procedimentos de interação devem ser compatíveis com a ordem assim 
como o usuário a imagina ou conforme o seu costume.
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
IHC \u2013 Critérios Ergonômicos
\u201cNext\u201d à esquerda do \u201cBack\u201d?
Não é natural!
As fichas de dados do software IRPF e os formulários 
originais da declaração em papel são totalmente 
compatíveis.
Engenharia de Usabilidade \u2013 Prof. David Falcão 
Referências
\u2022 PREECE, J.; ROGERS, Y.; SHARP, H. Design de interação: Além da interação homem-
computador. 1a. Edição. Porto Alegre: Bookman, 2005 (bibliografia principal);
\u2022 Bastien, C. & Scapin, D. Human factors criteria, principles, and recommandations for HCI: 
methodological and standardisation issues. (Internal Repport) INRIA, 1993. 
	Slide 1
	Slide 2
	Slide 3
	Slide 4
	Slide 5
	Slide 6
	Slide 7
	Slide 8
	Slide 9
	Slide 10
	Slide 11
	Slide 12
	Slide 13
	Slide 14
	Slide 15
	Slide 16
	Slide 17
	Slide 18
	Slide 19
	Slide 20
	Slide 21
	Slide 22
	Slide 23
	Slide 24
	Slide 25
	Slide 26
	Slide 27
	Slide 28
	Slide 29
	Slide 30
	Slide 31
	Slide 32
	Slide 33
	Slide 34
	Slide 35
	Slide 36
	Slide 37
	Slide 38
	Slide 39
	Slide 40
	Slide 41
	Slide 42
	Slide 43
	Slide 44
	Slide 45