Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Técnicas Operatórias Veterinária 9

Pré-visualização | Página 1 de 2

TÉCNICAS OPERATÓRIAS VETERINÁRIA – 18/05/2021
LAPARATOMIA/CELIOTOMIA 
1. Definição: 
· Incisão cirúrgica na linha média para acesso à cavidade abdominal 
· Laparotomia: acesso a cavidade abdominal pelo flanco 
2. Indicações:
· Ovariossalpingo 
· Histerectomia
· Gastrotomia 
· Cistotomia
· Enterotomia 
· Esplenectomia 
· Em caso de suspeita de doenças em fígado, pâncreas, câncer em órgãos abominais
· Órgãos que podem ser abordados pela a cavidade abdominal são Artéria aorta abdominal, Baço, Bexiga, Diafragma, Estômago, Fígado e Glândulas adrenais, Hiato esofágico, Intestinos, Linfonodos mesentéricos, Ovários, Pâncreas, Próstata, Ramos dos vasos mesentéricos, Rins, Ureteres, Uretra cranial, Útero, Veia cava caudal e Vesícula biliar 
ANATOMIA CIRÚRGICA PARA REALIZAÇÃO DE UMA LAPAROTOMIA OU CELIOTOMIA 
1. Primeira coisa, será a abertura da pele 
2. Em seguida, o subcutâneo > músculos > fáscias > nervos 
· Os músculos de parede abdominal, são o obliquo abdominal externo (fibras cranioventrais), obliquo abdominal interno (fibras caudoventrais), transverso do abdome (fibras dorsoventrais) e o reto abdominal (fibras craniocaudais) 
3. Linha alba: 
· Estrutura fibrosa 
· Localiza-se na porção ventral e central do abdome 
· União das fáscias dos músculos oblíquos e transverso, do que é que ela é formada
· Cicatriz umbilical onde fica ela
· Cães: 2 a 3 mm de diâmetro 
· Gatos: 4 mm de diâmetro 
· Segue exemplo para a localização dela: 
· 
· Segue exemplo de localização da estrutura descrita:
· 
CLASSIFICAÇÃO DAS CELIOTOMIAS OU LAPAROTOMIAS 
· Celiotomia ou laparotomia mediana
· Celiotomia paramediana 
· Laparotomia – acesso pelo flanco 
TÉCNICA CIRÚRGICA – CELIOTOMIA MEDIANA
· Abordagem padrão, mais rotineira 
· Promove excelente visualização dos órgãos abdominais, por permitir uma visão bilateral e simétrica, vendo lado esquerdo e direito, conseguindo manipular todos os órgãos 
· Abertura da cavidade na linha média por incisão na linha alba 
· A abertura pode ser classificada de três formas, sendo:
· Pré-retro umbilical, onde abrimos do processo xifóide até o púbis 
· Pré-umbilical, onde abrimos cranial a cicatriz umbilical, e é indicada para cirurgias que são para órgãos que estão na região cranial, sendo eles: diafragma, estômago, baço, fígado, duodeno, pâncreas e polo cranial dos rins 
· Retro-umbilical, onde abrimos caudal a cicatriz umbilical e é indicada para cirurgias de castração, Cistotomia, e para manipular órgãos como ureteres, bexiga, próstata, intestinos e polo caudal dos rins 
· Segue imagem para exemplo de procedimento:
· 
· Nem sempre uma cirurgia com uma incisão menor é boa para o paciente, porque é preciso ter uma boa experiencia para realizar o procedimento, pois quanto mais você tracionar a musculatura mais o animal sentirá dor pós cirúrgico 
· Tricotomia ampla, porque pode ter que retirar um tumor por exemplo que é maior do que pensamos, e ai é preciso ter uma boa tricotomia e também para evitar contaminação 
· Paciente em decúbito dorsal 
· Incisão da pele e subcutâneo 
· Localização da linha alba, e a incisão é central, exatamente na linha média 
· Levante a parede abdominal com pinças de Allis, para dar uma segurança para incidir a parede abdominal 
· Incisão penetrante na linha alba, fazendo o furo com o bisturi com a ponta para cima, e depois com a tesoura continua sendo a Mayo ou Metzenbaum 
· Continuação da abertura com a tesoura, insere ela com a ponta fechada, para verificar se tem aderência ou não na região 
· Depois para continuar a incisão com a tesoura, pode colocar 2 dedos, para proteger e não atingir nenhum órgão, prejudicando o andamento da cirurgia 
· Fêmeas x Machos: A diferença deles, é que no macho terá o prepúcio e o pênis e será necessário desviar dele, então dependendo da extensão da abertura, é preciso sair da linha média e ir para lateral desviando das estruturas, já na fêmea segue a linha reta
TÉCNICA CIRÚRGICA – CELIOTOMIA PARAMEDIANA 
· Pouco utilizada 
· Acesso paralelo a linha alba, através das fáscias do reto abdominal 
· Está associada a maior dor pós-operatória 
· Principal indicação é em animais criptorquidas 
· Em cães machos, a associação da celiotomia mediana e paramediana, para poder desviar do pênis e do prepúcio 
· Paciente em decúbito dorsal 
· Incisão da pele em sentido craniocaudal 
· Divulsão do subcutâneo 
· Incide aponeurose (membrana esbranquiçada, luzidia, fibrosa e resistente que envolve os músculos) do músculo reto abdominal e posteriormente o próprio músculo 
TÉCNICA CIRÚRGICA – LAPAROTOMIA: ACESSO PELO O FLANCO 
· Incisão paracostal – 2 a 3 cm caudal a ultima costela 
· Excelente acesso ao órgão localizado abaixo da incisão 
· Indicação para colocação de sonda gástrica e adrenalectomia (retirada de uma ou ambas glândulas suprarrenais) ou cirurgias que eu preciso ter acesso ao órgão logo abaixo da incisão 
· Tem um acesso lateral e não no abdome como nas outras 
· Incisão é feita no sentido dorsoventral
· Animal em decúbito lateral 
· Primeiro passo após a incisão: Divulsão romba do músculo obliquo abdominal externo (fibras no sentido caudoventral), então tento afastar as fibras com uma tesoura romba sem contar nada
· Segundo passo após a incisão: Divulsão romba do músculo oblíquo abdominal interno (fibras no sentido cranioventral), então vou pela as camadas musculares da mais externa para mais interna 
· Terceiro passo após a incisão: Divulsão romba do músculo transverso do abdome (fibras no sentido dorsoventral) 
· Quarto passo após a incisão: Incisão do peritônio, elevando-o com as pinças, fazendo uma pulso-incisão, com o bisturi pra cima, e abre com a tesoura 
CUIDADOS NA REALIZAÇÃO DOS ACESSOS A CAVIDADE 
· Incidir com a lâmina do bisturi voltada para cima e não para as vísceras abdominais 
· Verificar a existência de aderências antes de ampliar à incisão com a tesoura 
· Esvaziar a bexiga caso ela esteja dificultando o procedimento 
· Manipular as vísceras com delicadeza 
· Evitar atrito da compressa com as vísceras, umedecendo-as 
SÍNTESE DA PAREDE ABDOMINAL 
· Fechamento da parede abdominal
· Há duas opções para a síntese: 
1. Suturas em padrão separado:
· Oferecem melhor segurança 
· Utilização de suturas interrompidas
· Maior tempo de execução 
· Maior quantidade de nós na ferida cirúrgica 
· Sugestão: pontos em X (Sultan) e pontos simples separado 
2. Suturas em padrão contínuo: 
· São menos seguras, mas isso depende, porque ela só vai ser menos segura, se houver erro na técnica da síntese, então um fio correto, sutura toda certinha, não será menos segura
· Tempo de execução mais rápido 
· Utilização de suturas contínuas 
· Menor quantidade de nós na ferida cirúrgica, porém maior quantidade de fio na ferida cirúrgica 
· Sugestão: sutura festonada e pontos simples contínuos 
CUIDADOS PARA SÍNTESE DA PAREDE ABDOMINAL 
· Preferência a fios absorvíveis com média ou longa absorção, como ácido Poliglicólico, Poligalactina 910 – Vicryl, Poliglecaprone – Monocryl 
· Fios inabsorvíveis sintéticos, é indicado o Polipropileno ou o Nylon 
· Em cada lado da incisão, incorporar de 4 a 10 mm da linha alba em cada sutura 
· Em padrão separados, considerar 5 a 10 mm de distância entre uma sutura e outra, então o que pode ser feito é entrar com uma pinça anatômica, e tentar entrar no espaço, e caso ela entre, é porque é preciso suturar, se não, é porque está bem suturado
· Apertar o suficiente para unir e não estrangular 
· Em sínteses de laparotomias pelo o flanco, é necessário unir cada camada muscular, utilizando fios absorvíveis sintéticos com o padrão de sutura simples ou separado, e o fio deve ser absorvível, pra não prejudicar em nada. O fechamento do subcutâneo é com pontos contínuos ou separados e fios absorvíveis, e na pele o fechamento é com fios inabsorvíveis pois será retirado 
COMPLICAÇÕES EM CELIOTOMIAS/LAPAROTOMIAS 
· Dor – por conta de manipulação excessiva dos tecidos e por conta de edemas 
· Deiscência – relacionada a erro de técnica de síntese (nó mal feito, não aperto o nó o suficiente, má qualidade de fio)
Página12