HDB - Anotação (9)
30 pág.

HDB - Anotação (9)

Disciplina:História do Direito Brasileiro5.783 materiais195.469 seguidores
Pré-visualização9 páginas
de algum modo, vincula o proponente, servindo

como meio hábil a se provar a intenção pré-contratual.

Os interessados recorrem às tratativas preliminares para decidir se lhes convinha ou não

contratar, sendo justo que do contrato desertem, se verificada sua inconveniência.

O pré-contrato não exige consentimento deliberado e nem obriga quem dele participa.

O abandono injustificado, fruto de mero capricho de um dos interessados, conflita com os

princípios de boa-fé, probidade, função econômica e social do contrato, além de poder configurar

abuso de direito.

4. Quantum indenizatório

Para uma corrente, o quantum indenizatório não deve ser fixado no mesmo montante do

equivalente à vantagem pretendida pelo interessado com a conclusão do contrato, mas deve ser

capaz de possibilitar o retorno de seu patrimônio àquele estado em que se encontrava antes de ter

realizado as necessárias despesas que levariam à sua conclusão.

Para outra corrente, o quantum indenizatório deve ser equivalente ao proveito que o

interessado teria obtido, caso as sérias tratativas desembocassem na conclusão contratual.

5. Responsabilidade pré-contratual no CC e no CDC

No CC, a responsabilidade pré-contratual resolve-se a partir da teoria do abuso de direito,

cabendo ao prejudicado pleitear indenização pelos danos decorrentes da não conclusão do contrato.

Jamais poderá ajuizar ação de obrigação de fazer com a finalidade de compelir o outro interessado a

concretizar o contrato.

Nas relações disciplinadas pelo CDC, se o fornecedor furtar-se ao cumprimento

daoferta,apresentaçãoou publicidade em seus exatostermos, o consumidor poderá exigir o

cumprimento forçado da obrigação, nos termos da oferta, apresentação ou publicidade.

6. Responsabilidade pós-contratual

Apesar de concluído o contrato, uma ou ambas as partes poderá continuar responsável por

eventuais danos dele decorrentes, porque persistem os chamados deveres anexos das partes,

inerentes à boa-fé que norteiam toda a contratação.

 OAB 1ª Fase 2011.2
 DIREITO CIVIL – CRISTIANO SOBRAL

Complexo de Ensino Renato Saraiva | www.renatosaraiva.com.br | 30350105 KR 22

Caracterizam-se como responsabilidade pós-contratual o dever do fran-

queado de não utilizar ou revelar as técnicas de mercado que lhes foram passadas pelo franqueador;

e o dever de não colocação de produtos no mercado, que acarretem alto grau de periculosidade ou

nocividade à saúde dos consumidores.

15. RESPONSABILIDADE DO TRANSPORTADOR

1. O contrato de transporte

É característica do contrato de transporte a cláusula de incolumidade que encerra uma

obrigação de resultado, isto é, a garantia do êxito da diligência.

O transportador responde por prejuízos e lesões, além de atrasos e suspensões das viagens.

A responsabilidade do transportador nem sempre é contratual, podendo este se relacionar,

além dos passageiros, com empregados ou terceiros. Com relação aos empregados, trata-se da

órbita do acidente de trabalho. No que tange a terceiros, a responsabilidade é aquiliana e objetiva,

por força do art. 37, § 6°, da CF, bem como pela aplicação do art. 17 do CDC.

2. Evolução da responsabilidade do transportador

A origem desta responsabilidade remonta ao Decreto 2.681, de 1912, que se destinava

exclusivamente ao transporte ferroviário, mas acabou sendo utilizado analogicamente a outros tipos

de transporte. Seu art. 17 é clássico exemplo de responsabilidade objetiva, que somente pode ser

ilidida por culpa do viajante, força maior e caso fortuito.

O Código de Defesa do Consumidor mantém a responsabilidade objetiva, deslocando,

contudo, seu fundamento para o vício ou defeito do produto.

O CC/2002 consolidou as mudanças promovidas pela doutrina e pela jurisprudência.

3. As excludentes de responsabilidade do transportador

São excludentes da responsabilidade do transportador o fortuito externo e o fato exclusivo

da vítima ou do terceiro, com ressalvas.

O fortuito interno, assim como o externo, refere-se a evento imprevisível e inevitável, porém

relacionado à organização daquele que desenvolve uma determinada atividade. Já o fortuito externo

desvincula-se da atividade desenvolvida.

O fato exclusivo da vítima deve ser preponderante no evento danoso, permitindo-se,

contudo, a minoração da responsabilidade em caso de culpa concorrente.

Fato culposo de terceiro não ilide a responsabilidade do transportador, mas tão-somente a

conduta dolosa que possa se desvincular da atividade normal do transportador.

 OAB 1ª Fase 2011.2
 DIREITO CIVIL – CRISTIANO SOBRAL

Complexo de Ensino Renato Saraiva | www.renatosaraiva.com.br | 30350105 KR 23

4. Limite temporal da responsabilidade do transportador

A responsabilidade do transportador não necessariamente inicia-se com o pagamento da

passagem. No caso do transporte ferroviário, por exemplo, tem início com o ingresso do passageiro.

5. Transporte gratuito

Na vigência do Código Civil de 1916, ao transporte gratuito se aplicava a tese contratualista

com responsabilidade atenuada (Súmula 145, do STJ). Atualmente se utiliza a tese da

responsabilidade extracontratual (art. 736, CC).

6. Responsabilidade do transportador aéreo

A responsabilidade no transporte aéreo internacional é igualmente objetiva, conforme já

consolidado pela jurisprudência e depois pelo CDC. Há controvérsias no que tange à indenização

tarifada prevista na Convenção de Varsóvia, a qual, segundo nosso entender, não tem aplicação em

razão do disposto no art. 732, do CC/2002.

O mesmo se observa no Código Brasileiro de Aeronáutica, que contém disposições

pertinentes ao transporte aéreo nacional, prevendo responsabilidade objetiva também no caso de

responsabilidade extracontratual.

7. Transporte de mercadorias

Também no transporte de mercadoria tem-se obrigação de resultado (art. 749, CC), sendo

que, neste caso, a indenização pode ser tarifada (art. 734, parágrafo único).

16. RESPONSABILIDADE NO CONTRATO DE SEGURO

1. Contrato de seguro

Seguro é o contrato pelo qual uma pessoa jurídica empresária assume a obrigação de

ressarcir os prejuízos advindos de riscos lícitos sofridos por outrem, em virtude de ocorrência de

evento futuro e incerto, mediante contraprestação, geralmente consistente no pagamento de

determinada quantia em dinheiro.

Seguro de dano é aquele que visa assegurar coisas ou pessoas de riscos advindos de eventos

futuros e incertos. Pode ser dividido em seguro de coisas e em seguro de responsabilidade civil.

Seguro de pessoas, com base na duração da vida humana, é aquele que visa garantir ao

segurado ou a terceiro beneficiário, o pagamento de uma indenização, quando da ocorrência do

sinistro. Pode ser subdividido em seguro de vida e em seguro contra acidentes pessoais.

 OAB 1ª Fase 2011.2
 DIREITO CIVIL – CRISTIANO SOBRAL

Complexo de Ensino Renato Saraiva | www.renatosaraiva.com.br | 30350105 KR 24

2. Obrigações do segurador

Emitir a apólice, após concluído o contrato, nos termos da proposta aceita pelo segurado.

Cumprir os pactos celebrados por seus agentes corretores.

Pagar a indenização referente ao prejuízo resultante da verificação do sinistro.

Pagar juros e atualização monetária, se incorrerem mora no cumprimento de sua

contraprestação.

Responder pelo dobro do prêmio pago pelo segurado de boa-fé, se expediu apólice sabendo

que o risco já havia cessado.

3. Obrigações do segurado

Pagar o prêmio conforme o avençado.

Prestar fielmente as informações que constarão da proposta, que servirá de base para a

emissão da apólice.

Comunicar ao segurador primevo a contratação de novo seguro sobre o mesmo bem e

contra os mesmos riscos.

Comunicar ao segurador, logo que tome conhecimento, a ocorrência de todo e qualquer

incidente capaz de agravar consideravelmente o risco coberto, sob pena de perda da garantia, em

caso de má-fé.

4. Seguro de responsabilidade civil