HDB - Anotação (9)
30 pág.

HDB - Anotação (9)


DisciplinaHistória do Direito Brasileiro10.994 materiais261.870 seguidores
Pré-visualização9 páginas
da responsabilidade civil. 
 OAB 1ª Fase 2011.2 
 DIREITO CIVIL \u2013 CRISTIANO SOBRAL 
 
 
Complexo de Ensino Renato Saraiva | www.renatosaraiva.com.br | 30350105 KR 4 
 
Excludentes do nexo de causalidade são fatores que afastam a ligação entre 
o dano e a conduta. São excludentes do nexo causal o fato exclusivo da vítima, o fato de terceiro, o 
caso fortuito e a força maior. 
4. Espécies de responsabilidade civil 
Quanto ao fato gerador, a responsabilidade civil pode ser contratual ou extracontratual. 
Quanto ao fundamento, a responsabilidade civil se divide em subjetiva e objetiva. 
Quanto ao agente, a responsabilidade civil pode ser direta ou indireta. 
 
5. Excludentes de responsabilidade civil 
Há fatores que excluem o nexo de causalidade e, por conseqüência, afastam a 
responsabilidade civil. Mas, além disso, a ausência de qualquer dos pressupostos - a conduta, o nexo 
de imputação, o dano e o nexo de causalidade - exclui a responsabilidade civil. Não bastasse, as 
excludentes podem decorrer de disposição expressa da lei, como é o caso da prescrição; ou, ainda, 
podem resultar do acordo de vontade entre as partes, mediante cláusula de não indenizar. 
São fatores que excluem a responsabilidade civil: a ausência de conduta, a ausência de dano, 
a ausência de nexo de causalidade, a ausência de nexo de imputação, a prescrição e decadência, a 
disposição legal e a cláusula de não indenizar. 
 
 
 
2. DANO MATERIAL 
O dano material consiste na lesão concreta que atinge interesses relativos a um patrimônio, 
acarretando sua perda total ou parcial. 
 
1. Dano emergente, lucro cessante e perda de chance 
Dano emergente: atinge o patrimônio presente da vítima. 
Lucro cessante: atinge o patrimônio futuro da vítima, impedindo seu crescimento. 
Perda de chance: ocorre quando o ato ilícito praticado por outrem retira da vítima a 
probabilidade de vir, futuramente, a experimentar situação superior à atual. 
 
2. Dano direto e indireto 
Dano direto é o que resulta imediatamente de uma ação lesiva a bem jurídico alheio. 
Dano indireto: traduz-se nas conseqüências remotas de determinado evento lesivo. 
 
 OAB 1ª Fase 2011.2 
 DIREITO CIVIL \u2013 CRISTIANO SOBRAL 
 
 
Complexo de Ensino Renato Saraiva | www.renatosaraiva.com.br | 30350105 KR 5 
 
3. Reparação do dano material 
Reparação in natura: quando o bem é restituído ao estado em que se encontrava antes do 
evento danoso. 
Reparação in specie: traduz-se em prestação pecuniária, de caráter compensatório. 
Para que haja dever de reparação, faz-se mister a existência de nexo de causalidade entre o 
dano sofrido e a conduta do ofensor. 
 
4. Quantificação e atualização monetária do dano 
A quantificação do dano material faz-se pela diferença entre o patrimônio que a vítima 
disporia se não tivesse sofrido a lesão e o que passou a dispor após tê-la sofrido. 
A indenização a ser paga em dinheiro deve ser monetariamente atualizada segundo índices 
oficiais, sobre ela incidindo juros em caso de mora. 
 
 
 
 
 
3. DANO MORAL 
1. Definição 
Ocorre dano moral quando há lesão a direitos da personalidade, tais como o direito à 
incolumidade corporal, à imagem e ao bom nome. 
 
2. Disciplina legal 
Interpretação extensiva do art. 159 do CC/1916; 
Previsão constitucional: art. 5.°, V e X; 
Art. 6.°, VI do CDC; 
Art. 186 do CC/2002. 
 
3. Legitimados para pleitear reparação por danos morais 
Legitimado direto é o ofendido em seus direitos da personalidade, ainda que se trate de 
pessoa privada de discernimento. 
Legitimado indireto é quem sofre dano moral reflexo ou em ricochete. 
 
4. Dano moral direto e indireto 
 OAB 1ª Fase 2011.2 
 DIREITO CIVIL \u2013 CRISTIANO SOBRAL 
 
 
Complexo de Ensino Renato Saraiva | www.renatosaraiva.com.br | 30350105 KR 6 
 
Dano moral direto é o que implica em lesão a direito da personalidade do 
ofendido. 
Dano moral indireto é o que implica em prejuízos patrimoniais e, por via reflexa, em dano 
moral ao ofendido. 
 
5. Natureza jurídica da indenização 
Punitiva, constituindo sanção que diminui o patrimônio do ofensor pela indenização paga ao 
ofendido. 
Satisfatória, funcionando como lenitivo frente à ofensa sofrida. 
 
6. Sujeitos passivos 
Pessoa natural maculada em sua honra subjetiva ou objetiva. 
Pessoa jurídica maculada em sua honra objetiva. 
 
7. Dano estético 
Dano estético é aquele que atinge o aspecto físico da pessoa humana, modificando-lhe a 
aparência de modo duradouro ou permanente, prejudicando ou não sua capacidade laborativa. 
Segundo entendimento do STJ, pode ser cumulado com dano material e moral, quando 
oriundos do mesmo fato e passíveis de apuração em separado. 
 
4. INDENIZAÇÕES EM CASOS DE LESÕES CORPORAIS 
1. Espécies de lesões corporais 
Leves: são as que não deixam marcas na vítima. Por exclusão, são as que não são 
consideradas graves. 
Graves: são as que diminuam ou retirem da vítima sua capacidade laborativa. 
 
2. Hipóteses de indenização 
Danos emergentes: despesas com tratamentos médico-hospitalares. 
Lucros cessantes: aquilo que a vítima razoavelmente deixou de ganhar, desde o momento 
em que sofreu as lesões até o fim da convalescença. 
Dano moral: emerge de ofensa a direito da personalidade, dispensada a prova de prejuízo 
concreto. 
 
3. Legitimados a pleitear indenização 
 OAB 1ª Fase 2011.2 
 DIREITO CIVIL \u2013 CRISTIANO SOBRAL 
 
 
Complexo de Ensino Renato Saraiva | www.renatosaraiva.com.br | 30350105 KR 7 
 
No caso de danos emergentes, é legitimado todo aquele que comprová-los. 
No caso de lucros cessantes, é legitimado todo aquele que exercia alguma atividade 
remunerada, bem como aquele que, algum dia, poderia vir a exercê-la. 
 
4. Cessação do pensionamento por lucros cessantes 
Em caso de lesões transitórias, cessa coma recuperação da vítima. Em caso de incapacidade 
permanente, cessa coma morte da vítima. 
 
5. Dano estético 
Deformidade estética, permanente, irreparável e perceptível, capaz de causar impressões 
vexaminosas à vítima. 
Segundo entendimento do STJ, é possível cumulação de dano moral e dano estético, quando 
as causas de um e de outro forem diversas e passíveis de apuração em separado. 
 
5. INDENIZAÇÃO EM CASOS DE USURPAÇÃO E ESBULHO 
1. Esbulho e turbação 
Ocorre esbulho possessório quando alguém vê-se desapossado de seus bens móveis ou 
imóveis violenta ou clandestinamente. 
Ocorre turbação quando houver apenas embaraços ao exercício da posse. 
O remédio processual adequado é a ação de reintegração de posse, podendo ser 
acompanhado de pedido de indenização de perdas e danos. 
 
2. Tipos penais 
Coisa móvel: furto (art.155) ou roubo (art. 157). 
Coisa imóvel: usurpação (art. 160). 
 
3. Efeitos civis 
A prática de esbulho e turbação faz surgir para o prejudicado o direito de reclamar 
indenização e a restituição da coisa desapossada. 
Em caso de impossibilidade de restituição, persiste o direito de receber indenização pelo 
equivalente e pelo valor de afeição. 
O valor de afeição é acréscimo capaz de compensar o dissabor da perda que ultrapasse a 
perda material ordinária. 
 
 OAB 1ª Fase 2011.2 
 DIREITO CIVIL \u2013 CRISTIANO SOBRAL 
 
 
Complexo de Ensino Renato Saraiva | www.renatosaraiva.com.br | 30350105 KR 8 
 
 
6. INDENIZAÇÃO EM CASO DE INJÚRIA, DIFAMAÇÃO OU CALÚNIA 
1. Honra 
A honra consubstancia-se no conjunto de atributos morais, físicos, intelectuais e demais 
dotes da pessoa que a faz merecedora de apreço na vida em sociedade. 
Honra subjetiva: é o sentimento de cada um a respeito de seus próprios atributos internos e 
externos. É ofendida por injúria. 
Honra objetiva: consiste na reputação, no pensamento e opinião que as pessoas têm a 
respeito dos atributos internos e externos de outrem. É ofendida por calúnia e difamação. 
 
2. Reparação 
Danos materiais: danos emergentes e lucros cessantes. 
Danos morais. 
 
3. Ofensa à honra por meio da imprensa 
Ofensa à honra, mediante