Capítulos 1-5 TMS
48 pág.

Capítulos 1-5 TMS


DisciplinaModelagem de Sistemas3.006 materiais77.916 seguidores
Pré-visualização16 páginas
o SADT, desenvolvida para análises estruturadas). 
{TP, TF, VE, ST} 
TP = Transporte 
TF = Transformação 
VE = Verificação 
ST = Armazenamento 
Material 
Informação 
Recursos 
Material 
Informação 
Recursos 
Informação Recursos 
Recursos Informação 
E n 
t r 
a 
d a 
( s ) Processo de 
Transformação 
S a 
í d 
a ( s 
) 
Parâmetros 
Disponíveis 
Armazenagem 
Processo de 
Transformação 
Controle(C) 
Entrada(I) Saída(O) 
Mecanismo(M) 
Atividade 
Entradas/Saídas de Controle 
Entradas/Saídas de Recurso 
Entradas 
de Função 
Saídas 
de Função 
Partes de textos traduzidos principalmente do livro Enterprise Modeling and Integration, Principles and Applications (François B. Vernadat) 18
Capítulo 4 - MODELAGEM DA VISTA DE FUNÇÃO COM CIMOSA 
 
4.1 - DEFINIÇÃO DE ENTIDADE DE NEGÓCIO (ÁREAS DE NEGÓCIO) 
 
CIMOSA vê a empresa como um conjunto de entidades funcionais processando objetos e operações 
da empresa. CIMOSA primeiro fornece um conjunto de construtores para definir o problema em questão e 
organizar o modelo de empresa em módulos gerenciáveis para quebrar a complexidade do sistema. Esses 
módulos são chamados domínios. Os domínios interagem uns com outros pela troca de eventos e 
resultados (definidos como vistas em objetos de empresa e chamados vistas de objetos). Essas interações 
são definidas em termos de relacionamentos de domínio. O conjunto de relacionamentos de domínio de 
um domínio é chamado de limite de domínio. 
 Vistas de objetos são construtores da vista de informação. Elas representam estados de objetos ou 
manifestações de objetos da empresa. Há dois tipos de vistas de objetos: vista de objetos físicos e vistas de 
objetos de informação. 
 Domínios compreendem um conjunto de processos centrais chamados processos de domínio. 
Processos de domínio representam processos da empresa que são independentes. Em outras palavras, um 
processo de domínio é uma seqüência de atividades de uma empresa com condições iniciais bem definidas 
e fornecendo um resultado final definido, mensurável ou quantificável. 
O domínio CIMOSA representa uma área funcional da empresa composta de um conjunto definido de 
processos de domínio (como decidido pelo usuário) e satisfazendo claramente objetivos de negócios 
identificados sob algumas restrições de negócio. A única restrição ao definir um domínio é que ele deve 
conter processos completos da empresa e não partes de processos. 
O construtor domínio determina a área de negócio sujeita à análise e modelagem de empresa. Ele é 
caracterizado por: 
\u2022 uma identificação e nome; 
\u2022 a lista de objetivos de negócios; 
\u2022 a lista de restrições aplicáveis ao negócio; 
\u2022 a lista de seus processos de domínio (obrigatório); 
\u2022 a lista de relacionamentos de domínio com outros domínios definindo seus limites. 
 
CIMOSA fornece um construtor para expressar objetivos e restrições de negócios. Há também um 
construtor para regras declarativas representando regras imperativas como expressadas pela gerência. 
 Um relacionamento de domínio descreve a interação entre dois domínios, domínio 1 e domínio 2, 
em termos de troca e freqüência de troca de eventos e vistas de objeto em ambas direções entre o domínio 1 
e o domínio 2. 
Domínios CIMOSA podem ser representados graficamente por bolhas, e as relações de domínio por 
barras duplas (ou tubos) entre dois domínios. Domínios não-CIMOSA são representados por bolhas 
Partes de textos traduzidos principalmente do livro Enterprise Modeling and Integration, Principles and Applications (François B. Vernadat) 19
riscadas. O ambiente externo da empresa é convenientemente representado por um ou mais domínios não-
CIMOSA e a interação com ele por um ou mais relacionamentos de domínio. Na figura 4.1 são 
apresentados os Domínios para o cenário de uma empresa fictícia, e em seguida, o exemplo de gabaritos 
para o domínio DM2 e o relacionamento de domínio DR2. 
 
DOMÍNIO 
Identificador: DM2 
Nome: Planejamento e Controle da Produção 
Objetivos do Domínio: Gerar um plano de manufatura composto de uma lista de ordens de manufatura para o domínio Operações 
de Chão de Fábrica a partir de lista de ordens de fabricação recebidas do domínio Processamento de 
Pedido de Cliente. Rever o plano de manufatura em caso de sobrecarga de capacidade no chão de fábrica. 
Restrições do Domínio: Respeitar a capacidade do chão de fábrica. 
Processos de Domínio: DP3 - Gerar Plano de Manufatura , DP4 - Rever Plano de manufatura 
Limite: DR1, DR2, DR6 
Eventos: EV3 - Pedido de Planejamento-Produção, EV5 - Pedido de Execução, 
EV6 - Sobrecarga-Chão-de-Fábrica 
Vistas de Objeto: OV10 - Ordem de Fabricação, OV20 - Ordem de Manufatura, OV30 - Plano de Manufatura 
 
 
RELACIONAMENTO DE DOMÍNIO 
Identificador: DR2 
Nome: Relacionamento PPC-SFC 
Nome do 1º Domínio: DM2 - Planejamento e Controle da Produção 
Nome do 2º Domínio: DM3 - Operações de Chão de Fábrica 
Vistas de Objeto Envolvidas: 
 Identificador: OV30 
 Nome: Plano de manufatura 
 De: DM2 - Planejamento e Controle da Produção 
 Para: DM3 - Operações de Chão de Fábrica 
 Freqüência: 8 por dia 
 
Eventos envolvidos: 
 Identificador: EV5 
 Nome: Pedido de Execução 
 De: DM2 - Planejamento e Controle da Produção 
 Para: DM3 - Operações de Chão de Fábrica 
 Freqüência: 8 por dia 
 Identificador: EV6 
 Nome: Sobrecarga-Chão-de-Fábrica 
 De: DM3 - Operações de Chão de Fábrica 
 Para: DM2 - Planejamento e Controle da Produção 
 Freqüência: 3 por dia 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Partes de textos traduzidos principalmente do livro Enterprise Modeling and Integration, Principles and Applications (François B. Vernadat) 20
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 4.1 \u2013 Domínios CIMOSA para o cenário de uma empresa fictícia. 
 
 
DM4 
Engenharia 
DM5 
Gestão da 
Produção 
DM1 Processando de 
Pedido de Clientes 
DP-1 Entrada de Pedido de Cliente 
DP-2 Geração de 
Ordem de Fábrica 
DM2 Planejamento e 
Controle da Produção 
DP3 - Gerar Plano de Manufatura 
DP4 - Rever Plano de 
Manufatura 
DM-6 Entrega e 
Recebimento 
DM-6 Entrega e 
Recebimento 
DM3 
Operações de Chão de 
Fábrica 
DP5 - Execução do Plano de 
Manufatura 
OV-10 Ordem 
de Fabricação 
DR-1 
OV-15 
Lista de 
Peças 
DR-4 OV-75 
Relatório 
de Pedidos 
de Cliente 
DR-5 
OV-8 Relatório de 
Inventário 
OV-70 Capacidade da 
Fábrica 
EV-3 Pedido de Planejamento 
DR-6 
OV-1 Pedido de Clientes 
Regulares 
OV-2 Pedido de Clientes 
Subcontratantes 
DR-7 
OV-101 
OV-102 
DR-8 
OV-30 Plano de Manufatura 
EV-5 Pedido de Execução 
EV-6 Sobrecarga Chão de 
Fábrica 
DR-2 
OV50 - Itens Comprados 
OV60 - Matéria-Prima 
OV101 - Caixa de Engrenagem 
OV102 - Engrenagem 
DR-3 
Partes de textos traduzidos principalmente do livro Enterprise Modeling and Integration, Principles and Applications (François B. Vernadat) 21
4.2 - Especificação do Comportamento da Empresa 
 
Uma vez que os domínios foram estabelecidos e seus relacionamentos tornados explícitos, eles devem ser 
analisados precisamente. De um ponto de vista funcional, isso consiste em definir eventos e processos de domínio de 
cada domínio CIMOSA. 
 Um processo de domínio pode ser decomposto em processos de níveis inferiores, processos de níveis 
inferiores em subprocessos, e assim por diante, usando o princípio de decomposição funcional. Isso resultaria em 
uma estrutura de árvore de funções e subfunções. CIMOSA chama a raiz de cada decomposição funcional de 
processo de domínio, os nós intermediários são chamados de processos de negócios, e as folhas são chamadas de 
atividades de empresa. Isto define três diferentes tipos de construtores para representar funções. Processos de 
domínio são acionados por eventos e são especificados por seu fluxo de controle para dirigir a execução da 
atividade. 
 Eventos representam qualquer