CCJ0009-WL-RA-06-TP na Narrativa Jurídica-Ver (31-08-2012)
6 pág.

CCJ0009-WL-RA-06-TP na Narrativa Jurídica-Ver (31-08-2012)


DisciplinaTeoria e Prática da Narrativa Jurídica741 materiais3.482 seguidores
Pré-visualização3 páginas
recurso ao TJ, sobram como alternativas uma revisão de pena ou um habeas corpus ao Superior Tribunal de Justiça. Dotti diz ter dúvidas sobre a condenação. \u201cAcho duvidoso. A tentativa de homicídio depende da probabilidade da contaminação. Se não há 100% de certeza de que em uma relação possa haver o contágio, não houve tentativa de homicídio\u201d.
Recentemente, deixou definitivamente a mãe dos quatro filhos para ficar com a amante. Conseguiu novo emprego e começou a se \u201creerguer\u201d. Mas então soube da ordem de prisão expedida contra ele, há duas semanas.
\u201cMarília ficou abalada. E eu não acho justo. Sei que tinha minha parcela de culpa, mas ela também. Era responsabilidade do casal. Essa decisão de me prender foi um baque, quebrou minhas estruturas\u201d, afirmou José ao Estado.
José diz que tinha muitas parceiras e não sabe exatamente como contraiu o vírus da AIDS. Afirma que evitou contar a verdade para Marília porque estava apaixonado. \u201cMeu cérebro está congestionado; não sei o que fazer\u201d.
==XXX==
Resumo de Aula (Waldeck Lemos)
	
	6ª AULA \u2013 Organização dos Fatos na Narrativa Jurídica
	
	Organização dos Fatos na Narrativa Jurídica
-Ordem Cronológica => Usada na Narrativa Jurídica. Critério de Correção de Prova.
-Ordem Acronológica (Tempo Psicológico)
-Correta Identificação do Fato Gerador =>
CASO CONCRETO
Abandonada pelo noivo depois de 17 anos de namoro, a costureira Nair Francisca de Oliveira propôs ação judicial no Tribunal de Minas Gerais a fim de condenar o motorista aposentado Otacílio Garcia dos Reis, de 54 anos, a pagar-lhe indenização por danos morais. Ela pediu, ainda, 50% do valor da casa que os dois estavam construindo juntos, em Passos, sudoeste de Minas. \u201cMais do que o término do noivado, entrei com o processo principalmente pelo tempo que fui enganada\u201d, diz ela.
Nair não revela a idade, diz apenas que tem mais de 40 anos. Ela diz que também foi vítima de difamação por parte de Otacílio. Ao romper com a noiva, ele disse que, além de não gostar dela, sabia que não tinha sido o primeiro homem de sua vida. \u201cMe difamou e humilhou minha família\u201d, lamenta Nair, que não consegue explicar como pôde ficar tantos anos ao lado de uma pessoa que ela diz, agora, não conhecer.
Otacílio foi longe ao explicar o motivo do fim do relacionamento. Disse à ex-noiva que tinha por ela apenas um \u201cvício carnal\u201d e que nenhum homem seria capaz de resistir aos encantos de seu corpo bem feito. \u201cEle daria um bom ator\u201d, analisa Nair, lembrando que, a cada ano, a desculpa para não oficializar a união mudava. A costureira confessa que nunca teve vontade de terminar o namoro, mesmo tendo-o iniciado sem gostar muito de Otacílio. Ele teria insistido no relacionamento. \u201cEu dei tempo ao tempo e acabei gostando dele\u201d, afirma, frustrada com o tempo perdido, especialmente pelo fato de não ter tido filhos. \u201cEngraçado, eu nunca evitei. Não sei por que não aconteceu\u201d.
A história de Nair e Otacílio começou em 1975. Após quatro anos de namoro, ficaram noivos e deram entrada nos papéis para o casamento religioso. Na ocasião, já haviam comprado um terreno, onde construíram a casa, que, segundo Nair, foi erguida com o dinheiro de seu trabalho de costureira, com a ajuda dos pais e também com dinheiro de Otacílio. Hoje, o que seria o lar dos dois é uma casa alugada. O advogado de Nair, José Cirilo de Oliveira, pretende requerer divisão dos valores recebidos pelo aluguel do imóvel.
Segundo sustenta o advogado da autora, \u201co casamento é o sonho dourado de toda mulher, objetivando com ele, a par da felicidade pessoal de constituir um lar, também atingir o seu bem-estar social, a subsistência e o seu futuro econômico. Tudo isso foi frustrado pela conduta dolosa de Otacílio, que nunca pretendeu oficializar essa união e manteve \u2018presa\u2019 Nair a esse relacionamento impróspero\u201d.
(adaptado de Roselena Nicolau \u2013 Jornal do Brasil)
Questão 1
Indique a opção que mostra, em ordem cronológica, alguns acontecimentos da vida do casal retratado no texto, Nair e Otacílio:
(A) compram um terreno; ficam noivos; cancelam o casamento; brigam na justiça.
(B) começam a namorar; ficam noivos; compram um terreno; constroem uma casa.
(C) começam a namorar; ficam noivos; trocam acusações em público; terminam a relação.
(D) ficam noivos; compram um terreno; constroem uma casa; cancelam o casamento.
(E) ficam noivos; dão entrada nos papéis; brigam na justiça; alugam a casa.
Questão 2
A partir da questão 1, você teve uma idéia ampla da cronologia dos fatos do caso concreto. Precisamos considerar, porém, que o magistrado, para julgar o pedido da autora, precisaria ter conhecimento de diversas outras informações juridicamente importantes.
Considere que informações juridicamente importantes são aquelas que precisam constar na narrativa da peça porque a lei, a doutrina e/ou a jurisprudência consideram essas informações como importantes.
Tenha como certo, também, que a autora pretende indenização por danos morais, em virtude do término do relacionamento \u2013 pelas razões sustentadas pelo advogado \u2013 e pela difamação de que foi vítima. Pretende, ainda, 50% do valor do imóvel e 50% dos valores recebidos a título de aluguel.
Assim, realize uma pesquisa e indique as fontes principiológicas, legais, doutrinárias e jurisprudenciais que contribuam para a percepção de quais informações são juridicamente importantes para a solução da lide.
Questão 3
Produza uma narrativa simples \u2013 em texto corrido, adequadamente dividido em parágrafos \u2013 para o caso concreto, com a exposição cronológica dos fatos.
==XXX==
Resumo de Aula (Professor - Aula Mais - Estácio)
	
	6ª AULA \u2013 Seleção dos Fatos da Narrativa Jurídica
	
	Teoria e Prática da Narrativa Jurídica
Professor Nelson Tavares
Aula 06
Num relato pessoal, interessa ao narrador não apenas contar os fatos, mas justificá-los. No mundo jurídico, entretanto, muitas vezes, é preciso narrar os fatos de forma objetiva, sem justificá-los. Ao redigir um parecer, por exemplo, o narrador deve relatar os fatos de forma objetiva antes de apresentar seu opinamento técnico-jurídico na fundamentação.
Antes de iniciar seu relato, o narrador deve selecionar o quê narrar, pois é necessário garantir a relevância do que é narrado. Logo, o primeiro passo para a elaboração de uma boa narrativa é selecionar os fatos a serem relatados.
QUESTÃO 1:
Leia os casos concretos que seguem e sublinhe todas as informações que precisam ser observadas em uma narrativa imparcial. Em seguida, liste, em tópicos, todas essas informações que devem ser usadas no relatório.
Caso concreto 1
O motorista que atropelou a estudante universitária Daniele Silva, de 24 anos, moradora da Rua da Saudade, 25, casa 3, Santa Teresa, CPF 453992292-67, na pista do Aterro do Flamengo, Rio de Janeiro, na noite de segunda-feira, 08 de março de 2010, às 23h 30min, confessou ter fugido sem prestar socorro à vitima, que morreu no local. Formado em Relações Internacionais, Marcelo Cotrim, de 25 anos, mora na Rua Senador Patrício, 80, apartamento 403, Flamengo, CPF 435 874 985-20, RG 2323874044-9, e se apresentou ontem ao 10º DP (Botafogo), onde alegou não ter parado para prestar socorro, por ter ficado com medo de ser linchado.
Marcelo é liberado após prestar esclarecimentos, autuado por homicídio culposo e omissão de socorro.
Em seu depoimento, Marcelo disse: "logo após o acidente, liguei para o meu pai, o médico Reinaldo Cotrim, que mora a 500 metros do lugar do atropelamento. Não bebi antes do acidente. Tinha acabado de sair de casa, no Flamengo, para buscar a minha namorada, em Copacabana. Um casal passou correndo na frente do carro".
Reinaldo, por telefone, quando Marcelo liga logo depois do acidente, fala para o filho ir para a casa. O médico vai até o local do acidente, constata que a menina já está morta, sai sem se identificar à polícia e aos bombeiros.
Nos próximos dias, será ouvido o rapaz que estava com Daniele no momento do atropelamento, identificado como Alexandro, que também foi atingido.
O advogado de Marcelo, Pedro Lavigne, ficou