Apostila de Introducao ao Estudo do Direito
79 pág.

Apostila de Introducao ao Estudo do Direito


DisciplinaIntrodução ao Direito I86.604 materiais502.601 seguidores
Pré-visualização20 páginas
Feito em 2 anos.É obrigatório como lei do império.
Começa com uma invocação a Cristo. Fontes do dto. Dto de asilo. 
Funções dos agentes imperiais. Processo. Dto privado. Dto penal. Dto 
administrativo e Dto fiscal.
DIGESTO
É obra mais completa que o Código e ofereceu maiores dificuldades em 
sua elaboração.
Nunca houve um trabalho assim antes.
Codificou e reuniu todo o dto clássico.
INSTITUTAS
São um breve manual de estudo.
NOVELAS
A maioria foi editada em língua grega e contém reformas fundamentais 
como no direito hereditário e no direito matrimonial.
A compilação torna-se uma ponte que liga o direito contemporâneo ao 
Direito romano clássico, já que o sistema dos povos romano-germânicos é nela 
baseado.
No século XIX surge na Alemanha uma proposta de restituir a verdade 
histórica do Dto Romano, com Savigny, reencontrando a universalidade do 
Dto Romano.
DIREITO CIVIL BRASILEIRO E DIREITO ROMANO
A história de nosso dto está ligada a Portugal, que por sua vez 
recepcionou o Dto Romano, assim como França, Alemanha, Espanha, Itália e 
qse todos os países do Ocidente.
Em Portugal, temos: 1446 Ordenações Afonsinas
Início do séc. XVI Ordenações Manuelinas
1603 Ordenações Filipinas
Código Civil 1867
Brasil Colonial: a legislação portuguesa com base no dto romano teve 
incidência até 1916 com a promulgação do Código Civil.
19
DIREITO PÚBLICO E DIREITO PRIVADO: 
A distinção entre dto público e privado na vida prática não tem a 
importância que alguns juristas pretendem dar. O Direito deve ser entendido 
como um todo. Fazemos, porém, a distinção entre o dto privado e o dto público 
por motivos didáticos e para favorecer a pesquisa.
Em que pese às dificuldade em dividir os dois grandes compartimentos, 
é preciso optar por um critério. 
Melhor será considerar como direito público o direito que tem por 
finalidade regular as relações do Estado, dos Estados entre si, do Estado com 
relação a seus súditos, quando procede com seu poder de soberania.
EX: D. Constitucional (base), Penal, Administrativo, Financeiro, 
Internacional Público, Internacional Privado, Processual.
Direito privado é o que regula as relações entre particulares naquilo que 
é de seu peculiar interesse .
EX: D. Civil (base), Comercial, Trabalho.
Modernamente há compartimentos de direito e os chamados 
microssistemas como o CDC que muitos defendem como um terceiro gênero 
denominado direito social.
Teorias:
Segundo Ronaldo Poletti, em Introdução ao Direito, Saraiva, 3ª ed, 2006:
1. Teoria do Interesse e Teoria Romana : 
Direito Público romano é o que provêm do povo romano \u2013 \u201cres publica\u201d.
Direito Privado é o que concerne aos bens dos particulares.
A diferença entre o Estado Romano e o Estado Moderno: em Roma não 
havia o sentido do Estado Nacional. Era apenas sinônimo de Império ou 
República.
Para os modernos, o direito público é o dto do Estado, enquanto garantia 
de liberdade e limitação do poder do Estado.
O critério do interesse é vão. Quase sempre o interesse público e o 
privado se confundem. Ex: Família é interesse privado, no entanto, tem grande 
valor à sociedade, logo, as normas de dto da família são públicas.
2. Teoria da Natureza da Relação: 
Determinadas relações são reguladas pelo dto público e outras pelo dto 
privado dependendo das partes envolvidas e da sua posição perante o conceito 
de igualdade que as preside.
Se a igualdade entre as partes for absoluta = dto privado
Se a igualdade entre as partes for relativa = dto público
20
Segundo Paulo Nader, em Introdução ao Estudo do Direito, 30ª ed, 2008:
1. Teoria Monista de Hans Kelsen:
Todas as formas de produção jurídica se apóiam na vontade do Estado, 
inclusive os negócios jurídicos firmados entre os particulares, que apenas 
realizam a \u201cindividualização de uma norma geral\u201d. Todo o dto é público.
2. Teorias Dualistas: teorias substancialistas e teorias formalistas:
2.1 TEORIAS SUBSTANCIALISTAS: (conteúdo)
2.1.1 Teoria do Interesse em jogo : (ULPIANO) denominada clássica ou 
romana, é a mais antiga. O dto público é o que se liga ao interesse 
do Estado Romano. Privado é o que corresponde à utilidade dos 
particulares. Motivos que levaram os romanos a essa 
diferenciação: a) a necessidade de separação entre as coisas do rei 
e as do Estado; b) vontade de conceder algum dto aos 
estrangeiros.
2.1.2 Teoria do fim : (SAVIGNY E STAHL) tem por base a finalidade da 
norma jurídica. Quando o dto tem o Estado como fim e os 
indivíduos ocupam lugar secundário caracteriza-se o dto público. 
Quando as normas têm por finalidade o indivíduo e o Estado 
apenas figura como meio, o dto é privado.
Esse critério também não satisfaz. Ex: se o Estado adquirir um 
bem imóvel. Trata-se de legislação civil \u2013 de dto privado e não 
público só pq o Estado é uma das partes no contrato.
2.2 TEORIAS FORMALISTAS: (forma)
2.2.1 Teoria do titular da ação: (THON) Se a iniciativa da ação compete 
ao Estado o dto é público; se a movimentação judicial for da 
competência dos particulares o dto é privado.
FALHA: há normas de dto público que sendo violadas a ação fica 
na dependência da iniciativa privada.
2.2.2 Teoria das normas distributivas e adaptativas : (KORKOUNOV) o 
Direito é uma faculdade de se servir a algum bem. A utilização 
dos objetos se faz por distribuição ou por adaptação. O dto 
privado é distributivo e o público é adaptativo. Os bens que não 
podem ser distributivos, ex: um rio navegável, impõem seu 
aproveitamento mediante adaptação.
FALHA: inadequação ao Dto Penal \u2013 a sanção tem caráter 
distributivo mas é de âmbito público.
2.2.3 Teoria da natureza da relação jurídica: (A MAIS EM VOGA) 
Quando a relação for de coordenação, isto é, quando o vínculo se 
der entre particulares num mesmo plano de igualdade, a norma 
será de dto privado. Quando o poder público participa da relação 
21
jurídica impondo sua vontade, a relação jurídica será de 
subordinação e a norma de dto público. 
SISTEMAS JURÍDICOS
Toda sociedade política possui seu próprio ordenamento jurídico. Nele 
há um conjunto de normas ditadas para ter vigência sobre essa determinada 
sociedade. Nem sempre, porém, a sociedade política juridicamente ordenada 
em Estado terá o mesmo ordenamento jurídico.
Ao iniciante do estudo do Dto é importante conhecer a diversidade de 
ordenamentos jurídicos.
Sistema jurídico: é um agrupamento de ordenamentos unidos por um 
conjunto de elementos comuns, tanto pelo regulamento da vida em sociedade 
como pela existência de instituições jurídicas e administrativas semelhantes.
Ordenamentos de um mesmo sistema jurídico partem dos mesmos 
pressupostos filosóficos e sociais, dos mesmos conceitos e técnicas, embora com 
adaptações às situações que lhes são particulares.
O estudante de Direito deve estar em condições de situar o Direito de seu 
país dentro dos vários sistemas existentes, da mesma forma que deve 
enquadrar sua nação em um contexto histórico.
Sistemas jurídicos do mundo contemporâneo:
-ROMANO-GERMÂNICO
-COMMON LAW
-SOCIALISTAS
-FILOSÓFICOS OU RELIGIOSOS 
------------------------------------------------------------------------------------------------
ROMANO-GERMÂNICO
As normas surgem vinculadas a preocupações de justiça e moral. 
Predomina a lei como fonte de direito.
O Direito Civil é a base de todo o Dto.
Os herdeiros desse sistema sãos os herdeiros do Direito Romano. 
Estende-se da América Latina a uma grande parte da África e a países do 
extremo Oriente como o Japão.
Fala-se do surgimento do sistema romano-germânico a partir do século