Apostila UNIJUÍ - Administração da informação
162 pág.

Apostila UNIJUÍ - Administração da informação


DisciplinaPesquisa de Mercado5.125 materiais76.110 seguidores
Pré-visualização44 páginas
sido rápi-
das, e as conseqüências sobre as empresas e sobre as pessoas têm sido tão significativas que
as organizações muitas vezes sofrem passam por crises ao não conseguir acompanhá-las.
Muitas vezes ocorre um descompasso entre os avanços científicos e tecnológicos levando as
organizações a atrasos em relação aos novos desafios que tal contexto apresenta.
Na essência dessas mudanças tecnológicas temos a substituição em massa do traba-
lho humano, inicialmente pela máquina e logo depois pela robótica, a automação da má-
quina. Três séculos de desenvolvimento tecnológico foram praticamente superados após a
Segunda Guerra Mundial pela tecnologia da informática. Nesses tempos a tecnologia vol-
tava-se para equipamentos de natureza mecânica. A máquina começou a produzir seus
efeitos a partir de 1680, quando Denis Papin, um físico francês, inventou a máquina a va-
por, um salto tecnológico para aqueles tempos. Essa ênfase tecnológica terminou quando a
ciência passou a dominar o átomo e a reproduzir em laboratório o que até então só aconte-
cia no interior das estrelas (Drucker, 1985).
Nas últimas duas décadas o desenvolvimento tecnológico ocorre em velocidade tal
que tanto pessoas quanto organizações não conseguem mais acompanhar. Resultado disso
é o surgimento de novas profissões e novos segmentos de mercado, muitos deles voltado
para o mercado da informação e do conhecimento.
Essa situação de espantosa velocidade de mudanças, novidades e situações inéditas
apresenta novos desafios às empresas no âmbito competitivo. Vamos listar algumas caracte-
rísticas dos novos desafios aos negócios atualmente:
\u2022 velocidade no desenvolvimento de novas tecnologias e novos produtos;
\u2022 produtos com qualidade cada vez superior, mas com preços em queda;
\u2022 ciclo de vida cada vez mais curto e conseqüente rápido sucateamento dos produtos;
\u2022 superação tecnológica cada vez mais rápida;
\u2022 surgimento de novos competidores, com estratégias diferenciadas, requerendo ade-
quação dos que já estão no mercado;
\u2022 necessidade de grandes capitais para o desenvolvimento tecnológico, o que muitas
vezes requer cooperação entre empresas;
\u2022 crescente conscientização dos consumidores, cada vez mais exigentes com a qualidade
dos produtos e mais cientes de seus direitos;
EaD Sikberto Marks
70
\u2022 os riscos de surpresas imprevisíveis nos mercados são cada vez mais ameaçadores e de
conseqüências cada vez mais drásticas;
\u2022 a natureza está cada vez mais voltada contra a humanidade, já não suportando a impla-
cável exploração e destruição;
\u2022 o clima e o comportamento dos recursos naturais estão ficando estranhos ao ser humano,
parece que apresentam uma conta de vingança ao que temos feito em nosso planeta;
\u2022 as sociedades humanas estão ingressando em um ciclo de perplexidade e temor ante o
futuro como talvez jamais se viu na História;
\u2022 os seres humanos estão nervosos, estressados e as doenças do momento são principal-
mente a depressão e os problemas cardíacos;
\u2022 está cada vez mais difícil viver em paz e segurança;
\u2022 há um clima de incerteza global tomando conta de muitas pessoas, em todos os lugares
do mundo, mas principalmente nos países mais adiantados;
\u2022 negócios ilícitos, tais como tráfico de drogas, de armas e de seres humanos, têm tido
assustador aumento em suas atividades, e mesmo sendo combatidos, são bem mais ren-
táveis que os negócios lícitos;
\u2022 a violência, a corrupção e tudo que é ilegal toma conta do planeta.
Em síntese, essa é uma pequena descrição do ambiente em
que nós, seres humanos, desejamos fazer negócios globais, a cha-
mada globalização. Por um lado, estamos criando novos desafios
pelo desenvolvimento tecnológico, por outro nós, humanidade,
estamos criando novos desafios por meio da destruição de tudo o
que somos. Mesmo assim, queremos ter condições de ganhar muito
dinheiro, e por longo tempo.
Nesse contexto, o que mais necessitamos são duas coisas vitais. O que você acha,
quais seriam essas duas coisas vitais? Antes de continuar lendo, pense um pouco. Não cus-
ta dar uma paradinha, levantar da cadeira ou do sofá e pensar: quais seriam as duas coisas
vitais para as empresas nesse contexto incrivelmente real que anteriormente descrevemos?
A primeira coisa é ter informação sobre tudo de importante que acontece no planeta
como um todo e no mercado em específico. E a segunda, é tomarmos decisões coerentes
com a situação e sua respectiva tendência. Ou nossos filhos e netos passarão por muito
sofrimento. Ou talvez eles já tenham superado tudo de alguma maneira misteriosa e original.
EaD
71
ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO
Os objetivos dos sistemas de informação são, agora, nos
informar sobre o que se passa em nossa empresa e como ela
interfere no planeta. Deve servir também para desenvolver
conhecimento para nos tornarmos inteligentes e sábios e res-
peitarmos os limites da natureza e de nós mesmos como seres
humanos. Tudo aqui tem limites, e precisamos ser sábios para
conviver com esses limites. Ser sábio é ter capacidade de não
querer tudo agora, mas dosar nossa ganância a ponto de termos
sempre. Para isso precisamos ter conhecimento e aprender a usa-
lo com sabedoria sustentável.
Veja só como nós definimos os objetivos dos sistemas de
informação. Ou eles servem para nos digladiarmos uns contra
os outros, num mercado que mais parece uma arena romana,
onde todos saem mortos, ou ela serve para que a humanidade
sobreviva.
Percebeu a sutileza do que estamos discutindo? Ou nossas
empresas e nossos governos caem na realidade dos fatos e apren-
dem a desenvolver conhecimento para que a humanidade seja
capaz de um convívio respeitoso entre todos os seres humanos,
ou nos aniquilaremos de vez, exterminando ao mesmo tempo a
natureza que na verdade sustenta nossa vida. Ou aprendemos a
ser seres racionais sábios, ou continuaremos sendo seres racio-
nais astutos. Nesse último caso, porém, de que adiantará se não
tivermos futuro?
Entenda essa discussão: os seres racionais sempre fazem
planejamento, certo? Pois planejamento é sempre realizado com
base em conhecimento e informações, concorda? Então, se os
sistemas de informação lidam com \u201cinformações\u201d, com eles
podemos desenvolver conhecimento, e com esse conhecimento
podemos planejar. E o planejar com que finalidade é que fará
a diferença para o futuro de nossas empresas e da economia
nacional e global.
Nesta seção, como deve ter percebido, demos o norte do
que se pretende sejam os sistemas de informação em empresas
social e ecologicamente corretas, para termos sociedade no futu-
ro, para que os nossos filhos e netos se orgulhem de nós.
Sabedoria sustentável
É a sabedoria que orienta as
pessoas ou as organizações
em geral de maneira tal que
elas sejam vencedoras. Nas
pessoas chamamos de caráter,
nas empresas pode ser o seu
conjunto de princípios e
diretrizes do Plano Estratégico.
EaD Sikberto Marks
72
Seção 2
Sistemas de Informação como Diferenciais
Espero que você não tenha se assustado com o que escrevi na seção anterior, mas essa
é uma realidade que muitos não percebem, outros não querem perceber, e que preocupa a
alguns.
Vamos agora analisar como os sistemas de informação podem se transformar em di-
ferenciais para a empresa. Como podemos obter esse efeito? Como podemos tornar um siste-
ma de informação em algo que nos pode servir para sermos mais capazes que as outras
empresas na competição?
Competição? Ora, você deve estar pensando! Depois do que tratamos na seção anteri-
or, nem se deveria mais falar em competição. Não tem jeito, as coisas não mudam de um
momento para outro. Competir iremos sempre, e isso é bom, desde que a competição não se
torne em motivo para demissões em massa, desde que não nos leve ao colapso econômico e
social global. Uma coisa é competir com sabedoria, outra, bem diferente, é competir com
ganância, e outra, pior ainda, é competir tentando destruir os competidores, coisa que po-
deremos alcançar facilmente pela inovação tecnológica.
Voltemos