Apostila UNIJUÍ - Administração da informação
162 pág.

Apostila UNIJUÍ - Administração da informação


DisciplinaPesquisa de Mercado5.125 materiais76.110 seguidores
Pré-visualização44 páginas
Isso é relativo. Vamos analisar essa questão mais de perto.
Os corredores podem ser divididos em três grupos, certo? Os mal preparados, os
medianamente preparados e os bem preparados. Digamos que os mal preparados são 700
corredores, os medianamente preparados são 250, e os bem preparados são só 50.
Voltemos a nossa pergunta, agora mais específica. Com quantos compete cada um dos
corredores mal preparados? Com outros 999 corredores. E com quantos cada um dos 250
corredores mediamente preparados compete? Com outros 299, pois o grupo mal preparado
não é preocupação para eles, só se preocupam com os corredores de seu grupo e do grupo
dos bem preparados. E com quantos competem os corredores do grupo dos bem preparados?
Com outros 49, pelo mesmo critério. Para este grupo, os mal preparados são como se não
existissem, e nem os medianamente preparados são páreos para eles.
Sempre entre os bem preparados, contudo, temos aqueles que se preparam superbem.
Digamos que sejam dez corredores. Estes competem, cada um, apenas com outros nove
corredores. É muito provável que subirão ao pódio três desses dez.
Pois bem, podemos aplicar esse exemplo às empresas. Suponha que numa determina-
da região haja 20 empresas do mesmo ramo. Se a sua empresa é das superbem preparadas,
com quantas ela compete? Talvez esteja só, e não haja outra empresa que seja páreo para
ela. Ou quem sabe uma ou duas. E se a sua empresa fosse mal preparada, com quantas ela
competiria? Com outras 19. Essa é a questão fundamental e estratégica: como estamos
posicionados no mercado em relação à capacidade competitiva de nossos concorrentes?
EaD
149
ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO
Esse raciocínio nos leva a outro ponto: como prepararmos a nossa empresa para que
faça parte, naquele exemplo da maratona, dos dez melhores entre mil? Ou ao menos para
estar entre os 50 bem preparados?
Pois bem, a resposta é simples, mas fazer isso já é outra coisa. Existem quatro fatores
de produção: o capital, o trabalho, a terra e o conhecimento. Desses quatro, atualmente
aquele fator que mais favorece a preparação para se estar entre os melhores é o conhe-
cimento. Digamos assim, é o conhecimento científico relacionado ao ramo da empresa, tam-
bém o conhecimento administrativo estratégico e ainda o conhecimento cultural das pesso-
as. Ou seja, aqui estamos falando de \u201cempresas inteligentes\u201d, que são capazes de aprender.
Elas são as \u201clearning organizations\u201d.
É fácil gerenciar uma empresa para que se torne uma learning organization? Não
é fácil, é bem difícil, e, bem por isso, quem o fizer e com muito esforço o conseguir, se
distinguirá cada vez mais entre cada vez menos concorrentes. Aos poucos ela, na marato-
na da competição globalizada, se posicionará sempre mais à frente, competindo com cada
vez menos concorrentes. Ou seja, ela compete com os que estão ao seu lado, com os que
vêm logo atrás, e principalmente com os que estão à frente. Ela busca aprender com as
empresas que estão lutando pelo pódio, e a isso chamamos de benchmarking, que é buscar
aprender com os melhores do mercado.
Vamos avançar mais um pouco. Veja só isso, um sistema de informação tem tudo a ver
com o preparo da empresa pela diferenciação e potencialização de sua capacidade competi-
tiva. Um sistema de informação capta dados e os transforma em informações bem organiza-
das. Faz isso ao longo do tempo, e quanto maior esse tempo, mais aumenta a quantidade de
informações para que se façam estudos sobre a empresa. Esses estudos podem ser feitos
pelas próprias pessoas da empresa, por acadêmicos de universidades conveniadas, por
mestrandos e doutorandos. Pode também se inserir a empresa em linhas de pesquisa de
alguma universidade. Assim as informações históricas e bem organizadas da empresa po-
dem ser transformadas em conhecimento científico, disponível só para a ela.
Veja só, a empresa poderia fazer estudos específicos sobre o comportamento de seus
clientes; poderia fazer pesquisas comparando a sua estratégia competitiva com as dos con-
correntes, e assim por diante.
Perceba o seguinte, voltando à ilustração da maratona. Nas empresas mal preparadas
os que a dirigem nem mesmo lêem os livros e nem se atualizam a respeito do que se publica
em sua área. Essas empresas permanecem no mercado se tudo der certo. Digamos assim,
dependem mais da sorte do que do planejamento, pois grande capacidade para isso elas não
possuem.
EaD Sikberto Marks
150
Já nas empresas medianamente preparadas os seus administradores se atualizam
freqüentemente. Lêem livros, jornais e revistas, fazem cursos, assistem palestras, participam
de eventos. Assim elas conseguem posicionar-se mais à frente das outras.
Por sua vez, as empresas bem preparadas buscam desenvolver conhecimento e inteligên-
cia. Fazem isso com imenso esforço. Buscam desenvolver conhecimento específico a elas, com
parcerias apropriadas. Nelas se estuda, se desenvolve a criatividade e se busca a inovação.
E como atuam as empresa que sempre estão na frente, as super-bem preparadas, as
que disputam o pódio? Elas fazem a mesma coisa que as anteriores, apenas com uma inten-
sidade muito maior. Elas estão no limite da competência, sempre buscando quebrar recor-
des. São as campeãs do mercado.
Afinal, o que aprendemos aqui? Aprendemos que os sistemas de informação atual-
mente devem ser constituídos conforme as seguintes possibilidades:
\u2013 Recurso de captação de dados internos, sua sistematização e disponibilização para o
processo decisório.
\u2013 Recurso de captação de dados externos, sua sistematização e disponibilização para o
processo decisório.
\u2013 Armazenamento da história da empresa, facilitando futuros estudos aprofundados.
\u2013 Armazenamento do conhecimento desenvolvido pelas pessoas na empresa.
\u2013 Fonte de informações para serem transformadas em conhecimento estratégico compe-
titivo, exclusivo da empresa.
\u2013 Fonte de informações para serem transformadas em conhecimento científico (que foi
obtido por método científico e pessoas capazes para esse fim), exclusivo da empresa.
\u2013 Fonte para o desenvolvimento de inteligência e sabedoria na empresa, em busca do
poder mental de equipes, e da criatividade e da inovação.
É para você obter capacidade de desenvolver tudo isso que fizemos este estudo nesse
componente. Você verá o potencial de desenvolvimento que há num sistema de informação
se for inteligente e sábio. Agora recomendo que vá em frente, que busque muito mais conhe-
cimento em torno do que estudamos nesse componente, e se tornará um administrador ca-
pacitado para a gestão de empresas no contexto do século 21.
EaD
151
ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO
SÍNTESE DESTA UNIDADE
Estivemos estudando sobre a Nova Ordem Mundial. Vimos que
existiram ordens anteriores e que a atual, a ordem da ONU, já é a
quinta. Percebemos que está se formando a sexta ordem mundial,
uma espécie de parceria entre as nações, corporações e os sistemas
místicos religiosos.
Estudamos também sobre a globalização e seu potencial de negó-
cios, bem como suas ameaças em termos de competição. Agora a
grande necessidade é desenvolver conhecimento para poder sobre-
viver nas novas condições globais. Estamos em plena sociedade do
conhecimento e da inteligência.
Por fim, estudamos sobre o potencial de um sistema de informação
para o desenvolvimento de conhecimento, de inteligência, de sa-
bedoria, de conhecimento científico, de teoria, e assim por diante,
tudo específico para a empresa. Estivemos debatendo sobre como
um sistema de informação pode favorecer o desenvolvimento do
conhecimento em uma empresa. Uma das entradas mais impor-
tantes de informações na empresa para serem transformadas em
conhecimento é o seu sistema de informação, se bem que não seja
o único.
 
EaD
153
ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO
Conclusão GeralConclusão GeralConclusão GeralConclusão Geral
ao Estudo deste Componenteao Estudo deste Componenteao Estudo deste Componenteao Estudo deste Componente
O ser humano é dotado de inteligência