Apostila UNIJUÍ - Pesquisa em administração
232 pág.

Apostila UNIJUÍ - Pesquisa em administração


DisciplinaPesquisa de Mercado5.550 materiais79.231 seguidores
Pré-visualização50 páginas
e da aspiração com que trans-
formamos sonhos em realizações.
A vivência se define como qualquer contato direto (feito pelos sentidos)da pessoa com
algum fenômeno que provoque nela uma emoção. Neste sentido amplo, as vivências podem
ser freqüentes, numerosas e muito diversificadas. Todo contato com uma realidade qualquer
EaD
67
PESQUISA EM A DMINI ST RAÇ ÃO
pode tornar-se uma vivência, desde que a pessoa tenha a necessária atenção para perceber
a riqueza natural ou cultural dessa realidade. Imagine-se, por exemplo, como seria extraor-
dinária a vivência de um cego, desde o nascimento, que pela primeira vez visse o mundo que
nos rodeia, contemplando uma paisagem.
Fatos semelhantes não se constituem mais em \u201cvivências\u201d para nós, apenas porque
não nos detemos para percebê-los em sua imensa riqueza, não nos emocionamos mais com
tais ocorrências. Imagine-se que empolgação teriam causado nas pessoas de todas as cate-
gorias sociais um avião transcontinental cruzando os céus, ou um automóvel (hoje tão
comuns) correndo pelas estradas da Europa no século 16.
O estudante de Administração tem numerosas oportunidades para vivências em sua
área profissional: fatos administrativos de seu cotidiano, excursões, visitas, estágios, casos,
notícias administrativas das empresas, cartazes e outras peças de campanhas publicitárias.
Até mesmo o rótulo da embalagem de um produto, podem se constituir em vivências, desde
que ele se detenha a considerá-lo, aplique tempo e energia para perceber, analisar, entender
tais fenômenos por dentro (estrutura dinâmica) e por fora (forma, cores, particularidades),
como destaca Nérici (1973, p. 48).
Para que um fato ou fenômeno se torne efetivamente uma vivência enriquecedora, que
resulte em aprendizagem, convém atentar para alguns requisitos como:
\u2022 dedicar tempo suficiente ao contato direto com a realidade a vivenciar;
\u2022 agragar emoção, empolgação ou motivação nesse contato;
\u2022 procurar perceber o maior número possível de aspectos, de elementos daquela realidade;
\u2022 interpretar a realidade particular à luz de princípios, conceitos ou teorias;
\u2022 complementar a percepção e análise pessoal e direta com alguma forma de interação
com outras pessoas conhecedoras ou interessadas no assunto;
\u2022 complementar com alguma forma de pesquisa (bibliográfica ou de campo).
EaD Eni se Bart h Teixeira \u2013 Luci ano Z amb er la n \u2013 Pedro C ar los Rasia
68
3.2.6 \u2013 O MÉTODO DA PESQUISA
Neste tópico a pesquisa é entendida como método de ensino-aprendizagem, não como
o processo de produção de conhecimento científico.
Entende-se aqui, portanto, a pesquisa como processo pelo qual o estudante observa a
realidade, coleta dados, busca informações, conceitos, conhecimentos, modelos ou teorias e
reflete sobre tais elementos, com o propósito básico de ampliar sua percepção, seu conheci-
mento e seu entendimento da realidade.
Trata-se de \u201cquestionamento reconstitutivo\u201d (Demo, 1996, p. 1)
Neste caso, a pesquisa se confunde com o estudo pessoal, realizado individualmente
ou em grupo. É exercitação para desenvolvimento da atitude científica.
São três os principais objetivos deste tipo de pesquisa:
\u2022 ampliar e sistematizar os conhecimentos do estudante;
\u2022 desenvolver as atitudes e as habilidades para aprender por própria conta, com autonomia;
\u2022 fomentar a curiosidade, a iniciativa, o rigor científico.
Na percepção de Nérici (1973, p. 131), o método de ensino-aprendizagem da pesquisa
pode assumir formas variadíssimas na sua aplicação, dependendo da finalidade para a qual
é realizada. Pode-se fazer:
a) Pesquisa-motivação, como primeira fase de um estudo sistemático, visando a despertar o
interesse dos estudantes sobre o tema;
b) Pesquisa-redescoberta, quando o professor induz os alunos a descobrirem para eles o que
já era conhecido;
c) Pesquisa-sistematização, que consiste em elaborar relatórios em que são sistematizadas
informações e fatos relativos a um tema, trazidos de diversas fontes ou apresentados em
momentos sucessivos;
EaD
69
PESQUISA EM A DMINI ST RAÇ ÃO
d) Pesquisa-aprofundamento, quando se buscam novos elementos que complementam, am-
pliam e aprofundam o que foi apresentado numa primeira fase do estudo;
e) Pesquisa-integração, que consiste em colocar os alunos em contato com um problema
profissional real (no caso, um problema de Administração) desafiando-os a pesquisar
para apresentar uma solução.
Para enfatizar a importância da pesquisa como processo de formação, cabe lembrar o
que pensa Demo (1996): o que diferencia a educação escolar e universitária de outros luga-
res educativos da sociedade é a pesquisa do conhecimento, ou seja, aquela que se revela
instrumento de formação do profissional e do cidadão moderno, de quem se espera compe-
tência questionadora e reconstrutiva.
Em síntese, neste capítulo, lembrou-se que estudar não é memorizar conteúdos ou
informações de forma passiva. Isto é inútil. No mundo atual a mudança é intensa e cons-
tante. O volume de informações \u201cdobra a cada dezoito meses\u201d. Os problemas a serem en-
frentados serão sempre novos. O que mais interessa ao estudante não é aprender que solu-
ções foram dadas no passado a problemas que já não existem, mas aprender como enfrentar
os problemas novos com que se defrontará. Para isto o estudante precisa desenvolver sua
capacidade para observar, coletar, analisar dados originais e elaborar alternativas de solu-
ção que certamente deverão ser diferentes das que foram engendradas e aplicadas por ou-
tros em outros contextos. Para o desenvolvimento destas qualificações de autonomia e
criatividade, foram apresentados as principais técnicas ou procedimentos ativos de ensino-
aprendizagem, como seminário, estudo de caso, vivências e pesquisas.
Com a mesma preocupação, o próximo capítulo apresenta subsídios sobre como de-
senvolver as capacidades para pensar.
3.2.7 \u2013 OUTRAS ATIVIDADES ACADÊMICAS
Na modalidade de Educação a Distância, ao pertencer a uma comunidade criada pelo
Componente Curricular, existem várias opções em termos de ferramentas de comunicação e
estudo, as quais permitem uma efetiva interação entre estudantes, docentes e tutores, tais
como: agenda, diário de bordo, mural, fórum, chat, entre outros.
EaD Eni se Bart h Teixeira \u2013 Luci ano Z amb er la n \u2013 Pedro C ar los Rasia
70
Além destas atividades, na academia são freqüentes as atividades em que o aluno é
convidado a participar, tais como: palestra, jornada, simpósio, congresso, workshop,
teleconferência/videoconferência, etc.
Seção 3.3
Desenvolvendo a Capacidade para Pensar
Aprender a pensar é certamente um objetivo fundamental de qualquer curso, princi-
palmente quando no âmbito de Graduação ou de Pós-Graduação.
Cabe, pois, perguntar que tipo de atividades deverão ser executadas, que processos
deverão ser desenvolvidos e que atitudes cultivadas para que se exercite e aperfeiçoe a capa-
cidade de pensar?
Certamente tais atividades, processos e atitudes poderão ser numerosos e, ora mais,
ora menos, adequados às diversas circunstâncias e assuntos tratados. A seguir será apre-
sentada uma lista de operações de pensamento e de atitudes que podem contribuir para que
se pense com melhor desempenho. Apresentam-se também considerações sobre os
paradigmas, que são as estruturas básicas ou os pontos de vista primeiros sobre os quais se
desenvolvem as percepções e reflexões, com influência decisiva sobre o quê e o como se
pensa.
3.3.1 \u2013 OPERAÇÕES DE PENSAMENTO
A lista de atividades do pensamento apresentada a seguir é parcial, incompleta, mas
suficiente para sugerir de que modo se pode iniciar ou continuar uma reflexão sobre um
tema qualquer.
EaD
71
PESQUISA EM A DMINI ST RAÇ ÃO
3.3.1.1 \u2013 Formulação de perguntas básicas
Desde o tempo dos oradores atenienses se usam perguntas básicas chamada de \u201ctópi-
cos\u201d ou de \u201clugares-comuns\u201d para desenvolver um assunto. Hoje os comunicadores sociais
(jornalistas, radialistas ...) empregam muito o mesmo esquema em seu trabalho. Em
gerenciamento