Apostila UNIJUÍ - Pesquisa em administração
232 pág.

Apostila UNIJUÍ - Pesquisa em administração


DisciplinaPesquisa de Mercado5.527 materiais79.018 seguidores
Pré-visualização50 páginas
classes.
É possível apresentar a distribuição de freqüência em tabelas, nas quais podemos in-
cluir a porcentagem relativa de cada categoria, ou em gráficos.
Vamos recorrer ao mesmo exemplo anterior para exercitarmos de que forma uma planilha
eletrônica pode nos ajudar a fazer uma distribuição de freqüência.
A Figura 2 traz novamente a planilha com os dados tabulados e após apresenta a
distribuição de freqüência para o sexo dos respondentes. A contagem do número de respos-
tas para cada alternativa pode ser feita mediante a função da planilha que possui a seguinte
sintaxe: CONT.SE (intervalo; critérios) \u2013 onde CONT.SE é o nome da função, intervalo é
onde consta a digitação da referida questão (no caso o sexo está no intervalo entre as célu-
las R2 e R21) e os critérios são que números devem ser contados (no caso do sexo feminino,
o número a ser contado é o 1 e do masculino o 2).
Dessa forma a função =CONT.SE (R2:R21;1) nos mostrou que esta pesquisa foi res-
pondida por 12 mulheres e a função =CONT.SE (R2:R21;2) retornou a freqüência de 8
homens participantes.
EaD
179
PESQUISA EM A DMINI ST RAÇ ÃO
Figura 2: Exemplo de cálculo da distribuição de freqüência
Fonte: Elaboração dos autores.
Já a porcentagem relativa de cada sexo pode ser calculada com uma função bem simples.
Basta dividir o número de pessoas de cada sexo pelo total de respondentes e multiplicar por 100.
No exemplo utilizamos a função =G25/G27*100 para obtermos os 60% de participa-
ção relativa das mulheres no total de entrevistados. E este total de entrevistados foi obtido
com a função =SOMA (intervalo), que para o exemplo representou =SOMA (G24:G25) e
totalizou 20 respondentes.
Conforme mencionamos anteriormente, as informações das distribuições de freqüên-
cia podem ser apresentadas sob a forma de tabelas ou gráficos. Os gráficos gerados por
planilhas oferecem a vantagem de calcularem automaticamente as porcentagens relativas.
As distribuições de freqüência são adotadas principalmente para a tabulação de esca-
las nominais (questões 17 a 19 do questionário-modelo). É uma das formas mais adequadas
para apresentar dados deste tipo.
EaD Eni se Bart h Teixeira \u2013 Luci ano Z amb er la n \u2013 Pedro C ar los Rasia
180
Figura 3: Exemplo de numeração de ques tionário
Fonte: Elaboração dos autores.
8.3.2 \u2013 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL
As medidas de tendência central descrevem o centro da distribuição de freqüência e é
uma forma vantajosa de analisar diferentes valores de uma variável (Malhotra, 2001). É
empregada, principalmente, em Escalas Intervalares (caso das questões 1 a 16). As estatís-
ticas comuns são a média, a moda e a mediana.
A média é a medida de tendência central mais usada. É a soma dos valores observados
na distribuição dividida pelo número de observações. Serve para estimar os valores médios
das escalas intervalares ou de razão. Os dados devem apresentar alguma tendência central,
com a maioria das respostas distribuídas em torno da média.
A moda é o valor que ocorre com maior freqüência na distribuição amostral. Represen-
ta o pico da distribuição.
A mediana de uma amostra é o valor do meio, quando os dados se apresentam ordena-
dos de forma crescente ou decrescente. Quando o número de dados é par, a mediana é o
ponto médio entre os dois valores do meio, e se obtém somando esses dois valores e dividin-
do-os por 2.
Calma! A seguir você verá um exemplo que tornará a compreensão mais fácil.
17) Sexo: 
1. ( ) Feminino 
2 ( ) Masculino 
18) Faixa Etária 
1. ( ) 18-29 anos 
2. ( ) 30-39 anos 
3. ( ) 40-49 anos 
4. ( ) 50-59 anos 
5. ( ) 60 anos ou mais 
19) Estado Civil 
1. ( ) Solteiro 
2. ( ) Casado 
3. ( ) Viúvo(a) 
4. ( ) Separado/Divorciado 
 
EaD
181
PESQUISA EM A DMINI ST RAÇ ÃO
Pode então surgir a pergunta: qual dessas medidas devemos usar? Se a variável for
uma escala nominal, devemos usar a moda. Se a variável for dada em uma escala ordinal, a
medida mais adequada é a mediana. No caso de a variável ser dada em uma escala intervalar
ou de razão, a melhor opção é o cálculo da média.
A média utiliza todas as informações disponíveis, porque são empregados todos os
valores para calculá-la.
Na Figura 4 apresentamos novamente nosso exemplo de planilha com a tabulação
dos dados e a seguir inserimos os cálculos das principais medidas de tendência central que
abordamos.
Na parte inferior desta figura você tem o cálculo das principais medidas de tendência
central (Moda, Mediana e Média) e de algumas medidas de dispersão (Mínimo, Máximo e
Desvio-Padrão). As medidas de dispersão são calculadas para dados intervalares ou de ra-
zão e descrevem como os escores se agrupam ou se espalham em uma distribuição.
Figura 4: Exemplos de cálculo das medidas de tendência central e de dispersão
Fonte: Elaboração dos autores.
EaD Eni se Bart h Teixeira \u2013 Luci ano Z amb er la n \u2013 Pedro C ar los Rasia
182
Os mínimos e máximos identificam os menores e maiores valores de resposta para
cada questão. O desvio-padrão informa a que distância da média estão normalmente os
valores dos dados e é a medida de dispersão usada com maior freqüência em pesquisas de
mercado. Quanto menor for o desvio-padrão, menos dispersão haverá em torno da média.
Apresenta-se a seguir como foram obtidos os cálculos que constam na Figura 4. Para
efeitos de ilustração são apresentadas as funções que geraram os resultados da questão 1
(q1). Para aplicar às demais questões basta alterar os intervalos:
\u2022 Mínimos: =MÍNIMO(B2:B21) o resultado é 4 (menor valor atribuído a esta questão);
\u2022 Máximos: =MÁXIMO(B2:B21) o resultado é 5 (maior valor atribuído a esta questão);
\u2022 Moda: =MODO(B2:B21) valor que ocorre com maior freqüência (4);
\u2022 Mediana: =MED(B2:B21) valor do meio da amostra (4);
\u2022 Média: =MÉDIA(B2:B21) soma dos valores dividida pelo total de respondentes (4,35)
\u2022 Desvio-Padrão: =DESVPAD(B2:B21) dispersão em torno da média (0,49).
Ao findar a interpretação dos dados, o pesquisador passará à montagem do relatório
final da pesquisa (a Unidade 9 trata do Relatório de Pesquisa), que abrange o relato do que
desencadeou a pesquisa, da forma pela qual ela foi realizada, dos resultados obtidos, das
conclusões a que se chegou e das recomendações e sugestões que o pesquisador faz a outros.
SÍNTESE DA UNIDADE 8
Ao término desta unidade nossa expectativa é de que, de posse
dos dados, você seja capaz de analisá-los, apoiado nas técnicas
que apresentamos.
Ressaltamos que a interpretação das informações precisa ocorrer
com base nos fundamentos teóricos já existentes, assegurando
avanços/saltos de conhecimento.
EaD
183
PESQUISA EM A DMINI ST RAÇ ÃO
Unidade 9Unidade 9Unidade 9Unidade 9
APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS
DE ESTUDOS E PESQUISAS \u2013 RELATÓRIO
OBJETIVOS DESTA UNIDADE
\u2022 Explicitar a importância da sistematização das informações geradas pela pesquisa.
\u2022 Apresentar e desenvolver a estrutura básica de um relatório de pesquisa.
\u2022 Situar o artigo científico como formato para publicizar resultados de pesquisa.
\u2022 Detalhar as partes e os elementos fundamentais de um artigo.
\u2022 Discutir sobre o significado de socializar as informações produzidas pela pesquisa
AS SEÇÕES DESTA UNIDADE
Seção 9.1 \u2013 Preparação e Apresentação do Relatório de Pesquisa
Seção 9.2 \u2013 O Artigo Para Apresentação e Socialização dos Resultados de Pesquisa
Seção 9.3 \u2013 Apresentação Oral dos Resultados de Pesquisa
Seção 9.1
Preparação e Apresentação do Relatório de Pesquisa
Toda investigação deve ser entendida como um processo de construção de conheci-
mento, e conforme já mencionado anteriormente, compõe-se de três momentos: planeja-
mento (projeto), operacionalização e sistematização (relatório).
EaD Eni se Bart h Teixeira \u2013 Luci ano Z amb er la n \u2013 Pedro C ar los Rasia
184
A pesquisa é em geral descrita como uma atividade envolvendo os interesses de dife-
rentes segmentos: patrocinador, pesquisador, organização estudada, entrevistado e demais
interessados. Esses públicos têm certas