Apostila UNIJUÍ - Estudos organizacionais - abordagem humanista
122 pág.

Apostila UNIJUÍ - Estudos organizacionais - abordagem humanista


DisciplinaAdministração102.227 materiais761.144 seguidores
Pré-visualização36 páginas
EaD
7
ESTUDOS ORGANIZAC IONAIS: Abordagem Humanis ta
IntroduçãoIntroduçãoIntroduçãoIntrodução
Estudos Organizacionais: abordagem humanista é um componente curricular cujo foco
central de discussão são as pessoas, a partir do estudo do comportamento humano nas
organizações. Trata-se do segundo caderno com enfoque específico a ser discutido no rol de
componentes que compõem o currículo de formação profissional.
No primeiro caderno tratamos da abordagem estrutural, cuja centralidade está na
racionalidade funcional (tarefas e estrutura) \u2013 nas concepções clássicas de Administração e
de Gestão. Neste segundo caderno tratamos da abordagem humanista, cuja discussão trata
do paradigma humanista, comportamental e demais abordagens decorrentes deste modelo
de gestão, e ainda, do modelo de desenvolvimento organizacional.
O paradigma humanista foca as pessoas, considerando sua história, seu tempo e seu
espaço específico, estudando o indivíduo enquanto sujeito de um processo em construção
dentro das teorias administrativas, teorias organizacionais e, mais recentemente, dos estu-
dos organizacionais. Essa discussão perpassa as contribuições multidisciplinares das áreas
de Ciências Sociais, da Psicologia, da Sociologia e da Antropologia.
Fazer uma reflexão mais aprofundada dos indivíduos com o olhar dos estudos
organizacionais implica empreender uma viagem na própria história da Administração e,
com base em autores clássicos e contemporâneos, proporcionar uma orientação mais espe-
cífica ao processo de aprendizagem a partir da abordagem humanista. Para tanto, o presen-
te livro está dividido em cinco unidades:
A Unidade 1 tem como propósito situá-lo na viagem que você está fazendo para con-
solidar seus conhecimentos, habilidades e atitudes, à formação profissional. Os estudos
organizacionais, focam a discussão de três abordagens \u2013 estrutural, humanista e, integrativa
e modelos emergentes. A partir deste texto vamos ajudá-lo a resgatar o que aprendeu na
abordagem estrutural e abrir o caminho para o estudo das contribuições da abordagem
humanista.
Na Unidade 2, apresento o paradigma humanista, desde sua origem até as críticas, de
forma a compreender suas contribuições e as razões do surgimento do paradigma
comportamental.
Já a Unidade 3 trata do paradigma comportamental, que representa o reflexo da ne-
cessidade sentida pelos clássicos de um aprofundamento teórico-prático do que havia sido
descoberto no paradigma humanista, desenvolvendo-o a partir da apresentação das suas
origens, contribuições e críticas.
EaD Marivane da Sil va
8
A Unidade 4 focaliza as diferentes abordagens ou temas emergentes decorrentes dos
estudos realizados no paradigma comportamental. Sabemos que não é possível esgotar to-
das as contribuições dadas pelos clássicos e também pelos autores contemporâneos aos
temas, mas esperamos, a partir desta abordagem específica realizada em cada seção, apre-
sentar o caminho para o estudo. Aqueles que desejarem aprofundar seus conhecimentos
encontrarão nas indicações bibliográficas o caminho para assim o fazerem com proprieda-
de. Como este caderno está centrado nas pessoas, não poderia deixar de propiciar uma
reflexão sobre o indivíduo nas diferentes abordagens da gestão. Em seguida apresenta-se
uma pequena discussão teórica de grupo e equipe, de motivação, de comunicação, de lide-
rança, poder e autoridade, conflitos e negociação.
Por fim, na Unidade 5, vamos aprender sobre o Desenvolvimento Organizacional, mais
conhecido como DO, tendo presente sua significação de mudança planejada no mundo da
gestão. Ofereceremos, ainda, na última seção, uma discussão sobre a ressignificação do
trabalho e da gestão propiciada pelas próprias mudanças que ocorreram ao longo da histó-
ria da Administração, não apenas como conseqüência de uma aplicação de um modelo de
gestão.
O livro ainda apresenta as referências bibliográficas que deram sustentação teórica
para sua elaboração, cuja representação significou uma releitura reflexiva das origens do
tema estudado, em contraponto com a nova visão contemporânea do século 21. Precisamos
estar conscientes, no entanto, de que não esgotamos neste material todas as contribuições
que os estudos organizacionais nos proporcionam enquanto profissionais ou gestores de
organizações. Como comentamos anteriormente, significa o começo de uma caminhada aos
estudos e um caminho para sua iniciação.
Da mesma forma, esperamos a partir deste livro atingir o objetivo de dar as diretrizes
para que você consiga, de forma tranqüila, iniciar seus estudos e despertar o seu interesse
na busca de aprofundar o tema que se refere ao estudo da abordagem humanista, e propici-
ar a base para seguir na sua caminhada, ao estudo da abordagem integrativa e modelos
emergentes.
Que sua viagem ao estudo do paradigma humanista seja prazerosa e instigante, des-
pertando em você o espírito pesquisador!
\u201cO assunto mais importante do mundo pode ser simplificado até ao ponto em que todos possam
apreciá-lo e compreendê-lo. Isso é \u2013 ou deveria ser \u2013 a mais elevada forma de arte\u201d (Charles
Chaplin).
Inspirado em Charles Chaplin, inicie sua leitura!
EaD
9
ESTUDOS ORGANIZAC IONAIS: Abordagem Humanis ta
Unidade 1Unidade 1Unidade 1Unidade 1
CONTEXTUALIZAÇÃO DO PARADIGMA HUMANISTA
OBJETIVOS DESTA UNIDADE:
\u2022 Apresentar quais são os paradigmas tratados na abordagem humanista,
a partir da seqüência lógica do componente curricular \u2013 Estudos
Organizacionais: abordagem estrutural.
\u2022 Compreender o contexto histórico da época e os elementos que
conduziram ao avanço dos estudos organizacionais.
AS SEÇÕES DESTA UNIDADE
Seção 1.1 \u2013 Retrospectiva do paradigma estrutural e apresentação do paradigma humanista
Seção 1.2 \u2013 Contexto social da época
Seção 1.3 \u2013 Críticas aos tecnicistas
Seção 1.4 \u2013 Desenvolvimento: um olhar para o \u201cfator humano\u201d
Para estudar o paradigma humanista vamos dar seqüência à lógica iniciada no com-
ponente Estudos Organizacionais: abordagem estrutural, em que adotamos os paradigmas
explicitados por Nogueira (2007), Motta e Vasconcelos (2002), Motta (1998), Reed (1993
apud Clegg; Hardy; Nord, 1998) e Morgan (1996) para compreender a Administração e a
Gestão.
Neste sentido, a Unidade 1 está subdividida em quatro seções e após estudá-las você
deverá entender quais foram os avanços dos estudos organizacionais, considerando o con-
texto histórico e o foco das \u201cpessoas\u201d.
EaD Marivane da Sil va
10
Seção 1.1
Retrospectiva do Paradigma Estrutural
e Apresentação do Paradigma Humanista
Vamos resgatar os paradigmas de Nogueira (2007), Motta e
Vasconcelos (2002), Motta (1998), Reed (1993 apud Clegg; Hardy;
Nord, 1998) e Morgan (1996) para que você possa se situar ao
longo dos seus estudos no recorte da abordagem humanista.
Você lembra o que significa paradigma?
\u201cParadigma é uma forma de ver o mundo. É um padrão. Ele infor-
ma às pessoas como analisar e interpretar fatos, eventos ou deter-
minadas situações\u201d (Araújo, 2001, p. 45).
A proposta de Nogueira para explicar os paradigmas de
Administração está dividida em dois blocos:
a) os pilares da formação do pensamento administrativo e
organizacional denominado \u201cparadigmas formadores da Ad-
ministração\u201d, fundamentados nas dimensões técnico-adminis-
trativa, psicossocial e organizacional;
b) os \u201cparadigmas contemporâneos da Administração\u201d, que tra-
tam da passagem de um sistema organizacional mecânico e
fechado para um sistema adaptativo, flexível e aberto.
Os paradigmas formadores são fundamentais para enten-
der o objeto da Administração e da gestão em um período que vai
do início até a primeira metade do século 20, quando ocorre a con-
solidação e o declínio da segunda Revolução Industrial, enquanto
os paradigmas contemporâneos se desenvolveram na segunda
metade do século 20 até os dias de hoje, em que se verificam a
emergência e a consolidação da terceira Revolução Industrial.
Com base no que Nogueira (2007, p. 107) chamou de ma-
trizes foi possível