Apostila UNIJUÍ - Estudos organizacionais - abordagem humanista
122 pág.

Apostila UNIJUÍ - Estudos organizacionais - abordagem humanista


DisciplinaAdministração109.164 materiais780.584 seguidores
Pré-visualização36 páginas
principal-
mente em função da percepção da situação percebida no espaço
organizacional.
Para que isso tudo aconteça, exige-se das pessoas um pro-
cesso de comunicação que não depende da tecnologia, mas das
forças atuantes nelas e no seu entorno. É um processo interno às
pessoas. Sendo assim, vamos avançando em nossos estudos e
vamos apresentar o tema da comunicação.
Seção 4.4
Comunicação
Sabemos que nenhum grupo pode existir sem comunica-
ção, ou seja, sem a transferência de significados entre seus mem-
bros. É mediante esse processo de comunicação que as informa-
Sugestões de Leitura:
FILHO, Jorge B. Motivação.
Campinas, SP: Editora Alínea,
2000.
BERGAMINI, Cecília W. A difícil
gestão das motivações. In:
WOOD JR., Thomaz (Coord.).
Gestão empresarial: o fator
humano. São Paulo: Atlas,
2002. p. 111-130.
OUCHI, William. Como as
empresas podem enfrentar o
desafio japonês. Ed. Fundo
de Educação Brasileira, 1982.
CAVALCANTI, Vera Lucia e
outros. Liderança e motiva-
ção. Rio de Janeiro: Ed. FGV,
2005.
BERGAMINI, Cecília W.
Motivação. São Paulo: Atlas,
1990.
EaD
79
ESTUDOS ORGANIZAC IONAIS: Abordagem Humanis ta
ções e as idéias podem ser transmitidas e compreendidas no seu contexto. O funcionamento
de uma organização depende da comunicação e não pode ser evitada; o que pode ser evita-
da é uma comunicação ineficaz.
Robbins (2005) afirma que a comunicação tem quatro funções básicas dentro de um
grupo: 1) controle; 2) motivação; 3) expressão emocional; 4) informação.
A comunicação age no controle do comportamento das pessoas de diversas maneiras.
As organizações possuem hierarquias e orientações formais que devem ser seguidas pelos
funcionários. A comunicação informal, no entanto, também controla o comportamento.
Quando um grupo de trabalho hostiliza ou reclama de um membro que está produzindo
demais, esses indivíduos estão se comunicando informalmente e controlando o comporta-
mento do colega.
A comunicação facilita a motivação pelo fato de esclarecer aos funcionários o que
deve ser feito, como está a qualidade do seu desempenho e o que pode fazer para melhorá-lo.
Para muitos funcionários, o seu grupo de trabalho é sua fonte primária de interação
social. A comunicação que ocorre dentro do grupo é um mecanismo fundamental para que
seus membros expressem suas frustrações ou sentimentos de satisfação. A comunicação,
portanto, fornece o meio para a expressão emocional de sentimentos e para a satisfação de
necessidades sociais.
Outra função da comunicação diz respeito ao seu papel como facilitadora de tomadas
de decisão. Ela proporciona as informações de que as pessoas e os grupos precisam para
tomar decisões ao transmitir dados para que se identifiquem e avaliem alternativas.
As organizações precisam do processo de comunicação para se comunicarem com seu
público interno e externo e desenvolver suas relações no processo de gestão. O subsistema
de comunicação é um instrumento que dá suporte à administração em seu esforço de asse-
gurar o entendimento comum e estabelecer relações internas e externas, necessárias para
atingir os objetivos propostos.
Chanlat (1996, p. 37) conceitua comunicação de forma tal que se possa compreender
sua importância e dimensão:
Como o ser humano dialoga, e todo comportamento é comunicação, toda interação, qualquer
que seja, supõe por definição um modo de comunicação, isto é, um conjunto de disposições
verbais e não-verbais que se encarregam de exprimir, traduzir, registrar, em uma palavra, de
dizer o que uns querem comunicar aos outros durante uma relação. Ao mesmo tempo locutor,
ouvinte e interlocutor, todo indivíduo exprime no quadro de interação ao mesmo tempo o que ele
é, o que faz, o que pensa, o que sabe, o que deseja, o que gosta; assim agindo, ele se coloca cada
vez mais como pessoa.
EaD Marivane da Sil va
80
Arantes (1998, p. 260) sintetiza o conceito de comunicação como \u201cum processo de
interação humana que busca o entendimento comum nas relações entre os indivíduos, fun-
damental para a sobrevivência, o crescimento e a continuidade da empresa\u201d.
O processo de comunicação pode ser analisado numa perspectiva tanto organizacional
quanto interpessoal.
Na perspectiva organizacional a comunicação flui no sentido vertical ou horizontal, a
saber:
1) Descendente ou de cima para baixo: a comunicação flui dos níveis mais altos para os
mais baixos.
2) Ascendente ou de baixo para cima: dirige-se aos escalões mais altos do grupo ou da
organização. Ex: relatórios de desempenho, caixas de sugestões, pesquisas de atitudes...
3) Lateral: ocorre entre indivíduos ou departamentos diferentes que estão no mesmo nível
hierárquico.
4) Diagonal: envolve a comunicação entre dois níveis diferentes.
Já a comunicação na perspectiva interpessoal apresenta várias formas de expressão,
tais como:
1) Comunicação oral: fala
2) Comunicação escrita: memorandos, cartas, e-mails, fax, jornais, revistas, informativos...
3) Comunicação não-verbal: olhar, gestos, linguagem corporal...
Na seqüência vamos apresentar o processo de comunicação em síntese e posterior-
mente expresso na Figura 7.
O processo de comunicação começa com um estímulo (objetivo) para uma ou mais
pessoas (emissor) que irão procurar interagir com outra(s) pessoa(s) (receptor). O
emissor vai transmitir algo (mensagem) utilizando um ou mais recursos (meio) e
espera que o receptor compreenda a mensagem no sentido correto (significado) e
adote o comportamento (resposta) esperado por ele, emissor. Todo o processo de
comunicação ocorre em circunstâncias específicas (situação), tem certa duração
(tempo) e exige investimentos e gastos (custos) (Arantes, 1998, p. 265).
EaD
81
ESTUDOS ORGANIZAC IONAIS: Abordagem Humanis ta
Figura 7: Processo de comunicação
Fonte: Arantes (1998, p. 264).
O emissor é quem fala; mensagem é o que se diz; meio ou canal (como, é o meio
escolhido para fluir a mensagem); receptor (para quem); resposta é o feedback (efeito da
mensagem); ruído (são as dificuldades de codificação ou decodificação), significado (senti-
do = compreensão).
Agora que conhecemos os processos técnicos da comunicação, vamos refletir sobre a
sua dinâmica no mundo da gestão, considerando sua multiplicidade, velocidade de circula-
ção da informação e a possibilidade de interatividade com a própria informação, que nos
possibilita ampliar as relações empresariais.
A finalidade básica da comunicação é \u201centender o mundo, relacionar-se com os ou-
tros e transformar-se a si mesmo e a realidade\u201d (Reis et al, 2005, p. 100).
Diversas barreiras podem dificultar ou distorcer a comunicação. Com base em Robbins
(2005), relaciona-se:
a) Filtragem: refere-se à manipulação da informação pelo emissor para que ela seja vista de
maneira mais favorável pelo receptor. Este elemento é importante na estrutura hierárqui-
ca da organização.
b) Percepção seletiva: considerando que o receptor vê e escuta seletivamente, com base em suas
próprias necessidades, motivações, experiências, história e outras características pessoais.
 
OBJETIVOS
EMISSOR
SIGNIFICADO
codificação decodificação
MENSAGEM
SITUAÇÃO
RECEPTOR
MEIO
RESPOSTA
TEMPO
CUSTO
OBJETIVOS
EMISSOR
SIGNIFICADO
codificação decodificação
MENSAGEM
SITUAÇÃO
RECEPTOR
MEIO
RESPOSTA
TEMPO
CUSTO
EaD Marivane da Sil va
82
c) Sobrecarga de informação: as informações excedem nossa capacidade de processar as
demandas. Ex: e-mails, telefones, reuniões e leituras profissionais. A tendência é selecio-
nar, ignorar ou esquecer informações.
d) Medo da comunicação: as pessoas preferem as mensagens escritas à comunicação oral e
também evitam falar em público.
e) Comunicação burocrática: uso de reuniões para repassar informações burocráticas que
poderiam ser transmitidas por meio de uma comunicação escrita.
f) Falta de clareza de objetivos: encaminhamentos por meio de reuniões em que falta objeti-
vidade e um adequado planejamento da mensagem (conteúdo e forma), com a escolha de
meios