Apostila UNIJUÍ - Fundamentos da gestão organizacional
128 pág.

Apostila UNIJUÍ - Fundamentos da gestão organizacional


DisciplinaAdministração103.183 materiais762.214 seguidores
Pré-visualização32 páginas
das empresas.
Por fim, podemos concluir que a cultura organizacional
1. ... é incapaz de ser reproduzida.
2. ... e ainda que é importante conhecê-la, posto que ela pode ser fonte de motivação ou de
resistência às mudanças estratégicas.
\u2013 Seção 3 \u2013
Outras Teorias Emergentes
Muitas outras teorias emergentes foram apresentadas ao longo do século 20 e inclusi-
ve no século 21 e merecem ser estudadas, entretanto não será possível, neste momento,
aprofundar as discussões sobre as diferentes abordagens apresentadas por Ferreira et al (2005),
mas entendemos ser pertinente listar algumas teorias com base em Ferreira et al (2005) para
que possam aprofundar os estudos dependendo do seu interesse:
a) teoria crítica: contribui com a percepção do caráter manipulativo e dominador encontra-
do nos modelos de gestão baseados na racionalidade instrumental. Surgiu do trabalho
desenvolvido por pesquisadores reunidos no Instituto de Pesquisa Social de Frankfurt,
Alemanha, criado em 1923. Após o exílio, Jürgen Habermas incorporou-se ao grupo de
pesquisa e deu continuidade aos estudos da Escola Frankfurt em Chicago.
FUNDAMENTOS DA GESTÃO ORGANIZACIONAL
128
b) adhocracia: proposta inversa à burocracia, baseada em arranjos transitórios e não na
permanência e continuidade. A grande contribuição teórica foi dada por Mintzberg, que
representou uma quebra de paradigma em relação ao modelo de gestão clássica, pois é
adequada a ambientes tanto complexos quanto dinâmicos.
c) teoria do caos: revolucionou a Física e contribuiu para a formação de novos paradigmas
em diversas outras ciências, incluindo a Administração. Teve como precursor Edward
Lorentz, em 1962, que procurou desenvolver um modelo matemático para o estudo da
meteorologia.
d) teoria da complexidade, cujo expoente foi Edgar Morin, que destaca que a maioria dos pro-
blemas encontrados na sociedade é de natureza polidisciplinar, transversal e multidimensional.
Defende que a lógica que percebe o mundo é passível de ser estudada sob a perspectiva da
construção de certezas, herdada da tradição cartesiano-newtoniana, que busca explicações
racionais para os fenômenos naturais e sociais, a partir da sua complexidade.
e) gestão libertária e economia de comunhão, com bases opostas ao utilitarismo e às rela-
ções de dominação e exploração que predominam na sociedade e nas organizações de
trabalho, entre outras.
Referências
CHANLAT, Jean-François (Coord.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São
Paulo: Atlas, 1992. V. 1.
FERREIRA et al. Modelos de gestão. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.
LUFT, Celso Pedro. Minidicionário Luft. 20. ed. São Paulo: Editora Ática, 2002.
MONTANA, Patrick J.; CHARNOV, Bruce H. Administração. São Paulo: Saraiva, 1998.
MORAES, Anna Maris Pereira de. Iniciação ao estudo da Administração. 2. ed. rev. e ampl.
São Paulo: Makron Books, 2001.
MORGAN, Gareth. Interesses, conflitos e poder \u2013 as organizações vistas como sistemas po-
líticos. In: Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.
NETO, J. P. de B. Teorias da administração: curso compacto. Rio de Janeiro: Qualitymark,
2001.
SENGE, Peter M. A quinta disciplina. São Paulo: Best Seller, 1990.
ELIANE
ELIANE fez um comentário
Muito obrigada por este rico conteúdo colega, tem me ajudado muito nas minhas pesquisas e estudos. Deus te abençoe sempre em sua trajetória.
1 aprovações
Carregar mais