Apostila UNIJUÍ - Fundamentos da gestão organizacional
128 pág.

Apostila UNIJUÍ - Fundamentos da gestão organizacional


DisciplinaAdministração103.561 materiais762.656 seguidores
Pré-visualização32 páginas
organização, precisamos delimitá-la
a um adjetivo formal, complexo ou burocrático.
Complexidade
Pode ser compreendida como
qualidade que abrange ou
encerra muitos elementos ou
partes; observável sob
diferentes aspectos.
Indutiva
Começa com a análise de
observações específicas e a
seguir procura generalizar para
situações mais amplas.
Dedutiva
Inicia com uma infinidade de
conceitos inter-relacionados e
só então procura chegar a
conclusões específicas sobre a
realidade observada.
FUNDAMENTOS DA GESTÃO ORGANIZACIONAL
18
Os autores clássicos da Administração, que melhor explicam o conceito de organiza-
ção, são: a) Max Weber (que você conheceu na Unidade 1 e mais adiante esse estudo será
aprofundado com as contribuições de Weber à escola burocrática); e b) Chester Barnard
(que também abordaremos mais adiante em detalhes).
Para Weber, organização é:
Uma relação social que, ou é fechada ou limita à admissão de forasteiros através de regras, na
medida em que essas normas ou regras são colocadas em prática pela ação de determinadas
pessoas que ocupam posições de mando ou de chefia ou por staff administrativo (Caravantes et
al, 2005, p. 42).
Neste conceito Weber não entende que uma família seja uma organização. Já Chester
Barnard tem uma percepção diferente, dado que para ele as organizações são \u201csubsistemas
de atividades ou forças, de duas ou mais pessoas, conscientemente coordenadas\u201d para um
objetivo comum (Caravantes et al, 2005, p. 42).
Uma das concepções mais conhecidas sobre organização, trazida por Caravantes (2005),
argumenta que:
Organizações são unidades sociais (ou grupos humanos) deliberadamente construídos e
reconstruídos para atingir objetivos específicos. Corporações, exércitos, escolas, hospitais, igre-
jas e prisões estão aí incluídas; tribos, classes, grupos étnicos, grupos de amizade e família estão
excluídos (p. 43).
Após uma revisão conceitual da expressão teoria organizacional é importante com-
preender a distinção entre teoria da Administração, que abordaremos mais adiante, e teoria
gerencial e teoria organizacional, posto que muitos autores tratam do tema com diferentes
dimensões conceituais. É comum encontrar nos livros publicados na área de Administra-
ção, que aprofundam o estudo das teorias referentes às organizações, as três expressões
anteriormente citadas:
Teoria Gerencial é uma teoria da prática; que prescreve o que fazer para chegar a um determina-
do resultado ou para evitar que uma determinada condição indesejável venha a ocorrer.
Teoria organizacional é descritiva e/ou preditiva. Ela se preocupa com aquilo que uma organiza-
ção é e o que ocorrerá sob certas espécies de arranjos interpessoais ou estruturais-interpessoais.
Ela nos diz o que é e o que será. Ela não nos diz o que fazer (p. 48).
19
FUNDAMENTOS DA GESTÃO ORGANIZACIONAL
Existe, porém, um momento da história da Administração
em que ocorreu a transição da teoria da Administração para a
teoria organizacional. Esse fato é explicado por Motta (2001,
p.11), dizendo que foi \u201ca tentativa de estudar o sistema social em
que a administração se exerce com vistas à sua maior eficiência
em face das determinações estruturais e comportamentais\u201d. Essa
fase de transição foi marcada com a publicação do livro de March
e Simon, em que a preocupação com a produtividade dá lugar à
preocupação com a eficiência do sistema.
Talvez você esteja se perguntando: mas no fundo, o que muda
mesmo da teoria da Administração para a teoria das organizações?
É o objeto de estudo que muda, passando de uma abordagem ampla
para uma mais específica, das organizações, com a articulação de
diversos fatores estruturais e comportamentais, do qual a teoria
procura dar conta \u2013 o desenvolvimento do sistema social.
Você ainda poderá encontrar na literatura uma distinção
entre teoria da Administração e Teoria Geral da Administração.
Para esclarecer esta diferenciação recorremos a Maximiano (2002,
p. 29) para explicar:
Teorias da administração são conhecimentos organizados, produzi-
dos pela experiência prática das organizações. Teoria geral da admi-
nistração é o conjunto dessas teorias, que são designadas por meio de
diferentes termos \u2013 teorias, enfoque, escola, modelo de gestão, mode-
lo de organização, doutrina, técnica, ou seja, a mesma idéia pode ser,
e normalmente é, designada de diferentes maneiras, dependendo do
seu contexto histórico e da própria situação da organização.
Após entender as diferentes percepções sobre teorias, volta-
mos ao foco central de estudo \u2013 a Administração.
A concepção da Administração sempre foi analisada sob três
perspectivas e que atualmente são agregadas às competências
do gestor:
a) um conjunto de funções;
b) uma série de papéis, e
c) a aplicação de certas habilidades específicas.
Teorias \u2013Teorias são explica-
ções, interpretações ou proposi-
ções sobre a realidade. Por
exemplo: teoria da burocracia,
teorias da motivação. A própria
definição de administração como
processo de planejar, organizar,
executar e controlar é uma teoria.
Enfoque \u2013 também chamado de
pensamento, abordagem ou
perspectiva, é um aspecto
particular das organizações ou do
processo administrativo, selecio-
nado para o estudo e produção
de conhecimentos. É uma forma
de interpretar as organizações e o
processo administrativo. Ex:
enfoque comportamental e
enfoque sistêmico.
Escola \u2013é uma linha de
pensamento ou conjunto de
autores que usaram o mesmo
enfoque, escolheram o mesmo
aspecto específico para analisar,
ou adotaram o mesmo raciocí-
nio: escola de relações huma-
nas. A escola do processo
administrativo, às vezes
chamada de escola funcional,
compreende os autores que
adotam a definição de Fayol.
Modelo de gestão \u2013 (ou de
administração) é um conjunto
de características que definem
organizações e a forma como
são administradas. Modelo de
administração é o produto de
utilização de determinadas
doutrinas e técnicas: Por
exemplo: modelo burocrático
(ou mecanicista).
Doutrina \u2013 (ou preceito) é um
princípio de conduta que contém
valores, implícitos e explícitos. As
doutrinas recomendam como
agir, orientando os julgamentos
e as decisões dos administrado-
res. Ex.: o movimento da
administração científica tinha
uma doutrina de eficiência dos
recursos; o movimento da
qualidade tem um doutrina de
satisfação do cliente.
Técnicas \u2013 são soluções para
problemas. Exemplos:
organogramas, metodologias
de planejamento, estudos de
tempos e movimentos e
sistemas de controle.
Princípios \u2013 são permanentes,
ao passo que as técnicas
tendem a serem transitórias
(Maximiano, 2002, p. 29-30).
MAXIMIANO, A. C. A. Teoria
Geral da Administração: da
revolução urbana à revolução
industrial. 3. ed. São Paulo:
Atlas, 2002.
FUNDAMENTOS DA GESTÃO ORGANIZACIONAL
20
Hoje, entretanto, é perceptível que as abordagens não são independentes uma das
outras. Os profissionais empregam as teorias administrativas para as tomadas de decisão
nos seus esforços diários de planejar, organizar, dirigir e controlar a produtividade
organizacional.
Estes profissionais adquirem conhecimento teórico e experiência prática ao mesmo
tempo, talvez por meio de programas de trabalho-estudo-capacitação, conforme ilustra
a Figura 1 sobre o processo de construção de conhecimentos para administrar as organi-
zações.
Figura 1: Processo de construção do conhecimento teórico e prático
Fonte: Silva (2002, p. 5)
Administrar uma organização requer ter conhecimentos (teoria), habilidades (prática)
e atitudes, ou seja, Conhecimentos (C) + Habilidades (H) + Atitudes (A) resulta no que
chamamos de CHA. Sendo assim, na Figura 1 explicamos o processo de como construir a
teoria e a prática, entendendo que a integração de ambas permite administrar uma organi-
ELIANE
ELIANE fez um comentário
Muito obrigada por este rico conteúdo colega, tem me ajudado muito nas minhas pesquisas e estudos. Deus te abençoe sempre em sua trajetória.
1 aprovações
Carregar mais