Apostila UNIJUÍ - Sistema integrado de informações
174 pág.

Apostila UNIJUÍ - Sistema integrado de informações


DisciplinaAdministração de Sistemas de Informação6.272 materiais30.031 seguidores
Pré-visualização42 páginas
e os seres humanos estejam bem sin-
tonizados a fim de que os objetivos da organização, vinculados
às demandas da sociedade, sejam alcançados com a facilidade
que essa soma de esforços pode proporcionar. Ou seja, devemos
evitar os freqüentes casos em que existe a tecnologia, mas os seres
humanos não são devidamente qualificados nem estão suficiente-
mente entusiasmados com ela, e nem têm capacidade de estabele-
cer a ligação dos desafios que a empresa enfrenta com as possibili-
dades que essa tecnologia permite.
EaD
65
SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES
Unidade 3Unidade 3Unidade 3Unidade 3
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E ESTRATÉGIA
OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM DESTA UNIDADE
Nesta Unidade veremos conceitos que definem as relações entre sistemas de informa-
ção e estratégias de ação. Isso quer dizer que nos aprofundaremos no uso dos sistemas de
informação visando ao seu uso estratégico nas prefeituras, Estados e federação. Assim sen-
do, estabelecemos os seguintes objetivos:
\u2013 Quais são os objetivos dos sistemas de informação para uma gestão estratégica de orga-
nismos públicos.
\u2013 Como obter poder diferencial de produtividade com sistemas de informação.
\u2013 Como alinhar o planejamento estratégico organizacional com o planejamento estratégico
de informações.
SEÇÕES DESTA UNIDADE
Seção 1 \u2013 Objetivos dos sistemas de informação para a gestão pública
Seção 2 \u2013 Planejamento estratégico público
Seção 3 \u2013 Potencial estratégico na gestão da informação
Seção 4 \u2013 Planejamento estratégico de informações
Seção 5 \u2013 Alinhamento dos planos estratégicos na gestão pública
EaD Si kberto Renaldo Marks
66
Seção 1
Objetivos dos Sistemas de Informação
para a Gestão Pública
A essa altura dos nossos estudos fica bem
interessante tratarmos dos objetivos dos sistemas
de informação. Por que não tratamos disso logo
no início? É que queremos discutir os objetivos
de sistemas de informação com uma certa pro-
fundidade estratégica. Quer dizer, os atuais sistemas de informa-
ção estão se tornando muito mais importantes que os tradicio-
nais, que ainda servem a muitas empresas particulares e organi-
zações públicas. Como é nosso foco, queremos entender sistemas
de informação de ponto de vista estratégico, não apenas limita-
dos a ajudar nas tomadas de decisão da organização.
Tradicionalmente um sistema de informação serve para
auxiliar os processos de tomadas de decisão da organização.
Estrategicamente, porém, isso já não é mais suficiente, dadas
as crescentes exigências sociais. Vamos abrir nosso debate com
a palavra de Rezende (2008, p. 15):
As organizações podem beneficiar-se com os sistemas de infor-
mação à medida que podem: controlar suas operações; diminuir
a carga de trabalho das pessoas; reduzir custos e desperdícios;
aperfeiçoar a eficiência, eficácia, efetividade, qualidade e produ-
tividade da organização; aumentar a segurança das ações; dimi-
nuir os erros; contribuir para a produção de bens e serviços; pres-
tar melhores serviços; agregar valores ao produto; suportar deci-
sões profícuas; oportunizar negócios ou atividades; e contribuir
para a sua inteligência organizacional.
O autor cita uma série de benefícios tradicionais de um sis-
tema de informação para as organizações, e o último deles está
além do tradicional. É sobre esse benefício que vamos nos
Profícuo
Trata-se de algo que é
promissor, que tende a dar
certo. Sinônimo de
alvissareiro.
Inteligência Organizacional
É a capacidade coletiva
desenvolvida numa organiza-
ção privada ou pública visando
obter resultados superiores em
tudo o que nela é feito.
EaD
67
SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES
aprofundar um pouco mais nesta seção. Perceba, relendo esses benefícios, que os sistemas
de informação estão fortemente relacionados com a finalidade de uma organização. Nem
poderia ser diferente. Este sempre deve ser o foco.
Como já vimos debatendo desde o início de nosso componente curricular, as entidades
públicas e seus objetivos atualmente estão numa dinamicidade sem precedentes na história
da humanidade. Estima-se que o conhecimento científico vem duplicando a pelo menos
cada 15 anos após a Segunda Guerra Mundial. Mais de 80% desse conhecimento foi gerado
após o final desse conflito.
As mudanças no cenário dos negócios, no cenário social e também no cenário cientifico
têm sido rápidas, e as conseqüências sobre as empresas, sobre as entidades públicas e sobre
as pessoas têm sido tão significativas que as organizações muitas vezes sofrem graves crises
ao não conseguirem acompanhá-las. Muitas vezes forma-se um descompasso entre os avan-
ços científico e tecnológico, levando as organizações a atrasos em relação aos novos desafios
que tal contexto apresenta.
Na essência dessas mudanças tecnológicas temos a substituição em massa do traba-
lho humano, inicialmente pela máquina e logo depois pela robótica, a automação da má-
quina. Três séculos de desenvolvimento tecnológico foram praticamente superados após a
Segunda Guerra Mundial pela tecnologia da informática. Nesses tempos a tecnologia vol-
tava-se a produzir equipamentos de natureza mecânica. A máquina começou a produzir
seus efeitos a partir de 1680, quando Denis Papin, um físico francês, inventou a máquina a
vapor, um salto tecnológico para aquela época. Essa ênfase tecnológica arrefeceu quando a
ciência passou a dominar o átomo e a reproduzir em laboratório o que até então só aconte-
cia no interior das estrelas (Drucker, 1985).
Nas últimas duas décadas o desenvolvimento tecnológico ocorre com tal velocidade
que tanto pessoas quanto organizações não conseguem mais acompanhar. Resultado disso
é o surgimento de novas profissões e novos segmentos de mercado, muitos deles voltados
para o mercado da informação e do conhecimento.
Essa situação de estonteante velocidade de mudanças, novidades e situações inéditas
apresenta novos desafios às organizações no âmbito de suas atividades. Vamos listar algu-
mas características dos novos desafios atualmente:
EaD Si kberto Renaldo Marks
68
\u2022 velocidade no desenvolvimento de novas tecnologias e novos produtos;
\u2022 produtos com qualidade cada vez mais superior, mas com preços em queda;
\u2022 ciclo de vida cada vez mais curto e o conseqüente sucateamento dos produtos;
\u2022 superação tecnológica cada vez mais rápida;
\u2022 surgimento de novos competidores no mercado empresarial, com estratégias diferencia-
das, requerendo adequação dos que já estão no mercado;
\u2022 necessidade de grandes capitais para o desenvolvimento tecnológico, o que muitas vezes
requer cooperação entre organizações;
\u2022 crescente conscientização dos consumidores, cada vez mais exigentes na qualidade dos
produtos e mais cientes de seus direitos;
\u2022 os riscos de surpresas imprevisíveis nos mercados são cada vez mais ameaçadores e de
conseqüências cada vez mais drásticas;
\u2022 a natureza está cada vez mais voltada contra a humanidade, já não suportando a impla-
cável exploração e destruição;
\u2022 o clima e o comportamento dos recursos naturais estão ficando estranhos ao ser humano;
parece que apresentam uma conta de vingança ao que temos feito nesse planeta;
\u2022 as sociedades humanas estão ingressando em um ciclo de perplexidade e temor ante o
futuro como talvez jamais se viu na História;
\u2022 os seres humanos estão nervosos, estressados e as doenças do momento são principalmen-
te a depressão e as doenças do coração;
\u2022 está cada vez mais difícil viver em paz e segurança;
\u2022 há um clima de incerteza global tomando conta de muitas pessoas, em todos os lugares do
mundo, mas principalmente nos países mais adiantados;
\u2022 negócios ilícitos, tais como tráfico de drogas, de armas e de seres humanos têm tido assus-
tador índice de aumento, e mesmo sendo combatidos, são bem mais rentáveis que os
negócios lícitos;
\u2022 a violência, a corrupção e tudo que é ilegal toma conta do planeta.
EaD
69
SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES
Em síntese, essa é uma pequena des-
crição do ambiente em que nós, seres hu-
manos, desejamos fazer negócios